quinta-feira, 31 de março de 2011

AUTODEFESA DE PAULO


ATOS 26 (1-11)( PARTE 1)

1 Depois Agripa disse a Paulo: E permitido que te defendas. Então Paulo, estendendo a mão em sua defesa, respondeu:

2 Tenho-me por feliz, ó rei Agripa, de que perante ti me haja hoje de defender de todas as coisas de que sou acusado pelos judeus;

3 Mormente sabendo eu que tens conhecimento de todos os costumes e questões que há entre os judeus; por isso te rogo que me ouças com paciência.

4 Quanto à minha vida, desde a mocidade, como decorreu desde o princípio entre os da minha nação, em Jerusalém, todos os judeus a conhecem,

5 Sabendo de mim desde o princípio (se o quiserem testificar), que, conforme a mais severa seita da nossa religião, vivi fariseu.

6 E agora pela esperança da promessa que por Deus foi feita a nossos pais estou aqui e sou julgado.

7 Å qual as nossas doze tribos esperam chegar, servindo a Deus continuamente, noite e dia. Por esta esperança, ó rei Agripa, eu sou acusado pelos judeus.

8 Pois quê? julga-se coisa incrível entre vós que Deus ressuscite os mortos?

9 Bem tinha eu imaginado que contra o nome de Jesus Nazareno devia eu praticar muitos atos;

10 O que também fiz em Jerusalém. E, havendo recebido autorização dos principais dos sacerdotes, encerrei muitos dos santos nas prisões; e quando os matavam eu dava o meu voto contra eles.

11 E, castigando-os muitas vezes por todas as sinagogas, os obriguei a blasfemar. E, enfurecido demasiadamente contra eles, até nas cidades estranhas os persegui.

Definições


“Deficiente" é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.
"Louco" é quem não procura ser feliz com o que possui.
"Cego" é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria. E só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores.
"Surdo" é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.
"Mudo" é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.
"Paralítico" é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.
"Diabético" é quem não consegue ser doce.
"Anão" é quem não sabe deixar o amor crescer.
E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois "Miseráveis" são todos que não conseguem falar com Deus.
                Mário Quintana 

CHAMANDO DEUS DE PAI


PAI...
Eu sei que teu silêncio, só me basta.
Que o teu calar diz mais do que palavras.
Mas sabes no momento que eu preciso ouvir.
Ouvir tua voz.
Pai, eu sei que errei e quero te pedir perdão.
Talvez o teu silêncio seja correção.
Talvez eu não esteja tão maduro assim.
Pra te ouvir falar.
Pai, desesperado eu clamo tua compaixão.
Não posso suportar a dor da solidão.
Sussurra ao menos algo ao meu coração, e então.
Me diz, qual é o meu caminho, minha direção.
Minh'alma está gritando, pronta pra te ouvir.
Renunciei minha vida e hoje estou aqui.
Fala ao meu coração. As coisas do Teu Coração. Se tua palavra me fizer chorar, sei que é por amor.
Quebra o silêncio, então, toca-me com a tua mão. Fala com tua voz de Pai. Dá-me tua paz.....
Filho, eu sempre estou falando pra quem quer ouvir. E mesmo se eu não falo, sempre estou aqui. Até quando descanso, olho por ti
Por ti
Filho, se a vida te machuca, sofro por ti.
Carrego-te nos braços, pode crer.
Confia teu futuro em minhas mãos.
Filho meu.
Sim, esqueça o teu passado, já te perdoei.
Por tantas vezes tua vida eu restaurei.
Sou eu quem te renova e te faz feliz, feliz.
Não, não fique assim gritando, pois já estou aqui.
Faça silêncio em torno do teu coração.
O meu falar é baixo, podes não me ouvir.
Dá-me teu coração, as dores do teu coração.
Se minha palavra te fizer chorar, saiba é por amor.
Dá-me teu coração, as dores do teu coração.
Falo com minha voz de Pai, dou-te a minha paz.
Pai, eu sei que o teu silêncio só me basta.

“QUE ELE NOS ABENÇOE E NOS GUIE E NOS DE A PAZ”

quarta-feira, 30 de março de 2011

AFINAL,ACUSAR DE QUE?


ATOS 25 (13-27)
13 E, passados alguns dias, o rei Agripa e Berenice vieram a Cesaréia, a saudar Festo.

14 E, como ali ficassem muitos dias, Festo contou ao rei os negócios de Paulo, dizendo: Um certo homem foi deixado por Félix aqui preso,

15 Por cujo respeito os principais dos sacerdotes e os anciãos dos judeus, estando eu em Jerusalém, compareceram perante mim, pedindo sentença contra ele.

16Aos quais respondi não ser costume dos romanos entregar algum homem à morte, sem que o acusado tenha presentes os seus acusadores, e possa defender-se da acusação.

17 De sorte que, chegando eles aqui juntos, no dia seguinte, sem fazer dilação alguma, assentado no tribunal, mandei que trouxessem o homem.

18 Acerca do qual, estando presentes os acusadores, nenhuma coisa apontaram daquelas que eu suspeitava.

19 Tinham, porém, contra ele algumas questões acerca da sua superstição, e de um tal Jesus, morto, que Paulo afirmava viver.

20 E, estando eu perplexo acerca da inquirição desta causa, disse se queria ir a Jerusalém, e lá ser julgado acerca destas coisas.

21 E, apelando Paulo para que fosse reservado ao conhecimento de Augusto, mandei que o guardassem até que o envie a César.

22Então Agripa disse a Festo: Bem quisera eu também ouvir esse homem. E ele disse: Amanhã o ouvirás.

23 E, no dia seguinte, vindo Agripa e Berenice, com muito aparato, entraram no auditório com os tribunos e homens principais da cidade, sendo trazido Paulo por mandado de Festo.

24 E Festo disse: Rei Agripa, e todos os senhores que estais presentes conosco; aqui vedes um homem de quem toda a multidão dos judeus me tem falado, tanto em Jerusalém como aqui, clamando que não convém que viva mais.

25 Mas, achando eu que nenhuma coisa digna de morte fizera, e apelando ele mesmo também para Augusto, tenho determinado enviar-lho.

26 Do qual não tenho coisa alguma certa que escreva ao meu senhor, e por isso perante vós o trouxe, principalmente perante ti, ó rei Agripa, para que, depois de interrogado, tenha alguma coisa que escrever.

27 Porque me parece contra a razão enviar um preso, e não notificar contra ele as acusações.

QUANDO TUDO PARECE IMPOSSÍVEL


Você pode imaginar como seria a sua vida, se tivesse nascido sem braços?
Uma pergunta para a qual talvez não tenhamos resposta, pois não ter os braços parece um desafio acima das nossas forças, já que braços e mãos são nossos instrumentos mais usados. Agora imagine você sem braços e ainda assim dirigir um carro. Mas não só isso: tocar guitarra também. Isso é impossível, você diz.
Pois essa é a realidade de José Antonio Meléndez Rodríguez, conhecido como Tony Meléndez. Tony nasceu na Nicarágua e hoje é músico consagrado nos Estados Unidos, para onde se mudou com seus pais com um ano de idade, em busca de ajuda médica para corrigir um defeito num dos pés.
Na gravidez, sua mãe fez uso do medicamento talidomida, o que provocou a deformidade física. Mas Tony não deixou que a falta dos braços o impedisse de viver. E viver com alegria. Jamais permitiu que a limitação física lhe tirasse o prazer de cantar. Desde muito pequeno começou a tocar algumas notas musicais com os pés e logo descobriu que poderia afinar a guitarra de forma a atender sua necessidade. Aos 18 anos Tony já tocava e cantava em eventos especiais, e fazia sucesso. Mas ele não canta, apenas. É compositor também. Aos 25 anos, Tony teve a oportunidade de tocar sua guitarra com os pés e cantar para milhares de jovens, na presença do papa João Paulo II, na cidade de Los Ângeles, no ano de 1987. Um disco giratório junto aos pedais do veículo também foi a solução para que Tony pudesse dirigir seu próprio automóvel, fazendo uso dos pés. E é assim que Tony Meléndez supera suas limitações, fazendo o que muitos acham impossível, sempre com muito amor a Deus e a sua família: esposa e dois filhos adotivos.
Numa entrevista o jornalista lhe perguntou: "como tem sido sua vida sem suas mãos?"
E Tony respondeu, sempre bem-humorado: "eu não conheço as mãos, pois não as tive. Nunca tive esse dom de poder mover um dedo, de segurar um telefone, um lápis. Meus pés sempre foram meus dedos, minhas mãos".
Ao final da entrevista, o jornalista lhe perguntou: "que mensagem você daria àqueles quem têm algum problema e que estão tristes?"
"Eu digo a mesma coisa para quem não tem e para quem tem tudo: não deixem a fé ir embora de seus corações, pois às vezes temos momentos em que ninguém pode nos ajudar."
E para desafiar suas próprias potencialidades, Tony escreveu um livro autobiográfico, intitulado "A gift of hoppe" (um presente de esperança), e tem vários CD´s gravados, tendo se apresentado em 28 países.
Para finalizar, ouçamos alguns conselhos desse músico sem braços:
"Eu vejo uma pessoa como você que tem os braços, as pernas, que tem tudo, dizer: não posso, não posso. Sim, pode; sim, pode. Quando as pessoas me perguntam onde estão os milagres, eu sempre digo: eu vejo a mão. E quando alguém levanta a mão, para mim isso é um milagre. Por favor, não me digam que não podem, não me digam que não podem porque vocês, vocês, podem fazer muito, muito mais. Levantem-se e digam: eu quero, eu posso, eu vou seguir adiante. Há um mundo inteiro só esperando a sua mão dizer sim."
E, quando tudo parecer impossível, lembre-se que basta apenas dizer: "Eu quero! Eu posso, eu vou seguir adiante."
AUTOR DESCONHECIDO

FORÇA NA FRAQUEZA


Ninguém quer ser fraco. Por isso utilizamos a força da nossa emoção para controlar pessoas.
Outros, utilizam a força da personalidade para controlar os outros e ainda usam o intelecto para intimidar.
Embora essas atitudes criem a ilusão de aparente força, na verdade são sinais de fraqueza.

Quando somos verdadeiramente fortes, temos a coragem de admitir nossas limitações e reconhecer que dependemos de Deus.
A verdadeira força se parece muito com a fraqueza.

Quando o apóstolo Paulo orou para que o espinho fosse retirado dele, Deus respondeu: "A MINHA GRAÇA TE BASTA, PORQUE O MEU PODER SE APERFEIÇOA NA FRAQUEZA (2 cor. 12.9).
Paulo respondeu: Senhor, quando sou fraco, então é que sou forte.

Ao final do ministério de Jesus na Terra, alguns de seus discípulos brigavam por posições de destaque. Jesus usou a oportunidade para ensiná-los que em seu reino as coisas são diferentes. A grandeza surge quando estamos dispostos a assumir posições humildes (Matheus 20:26).

ESTA É UMA DURA VERDADE. Preferimos a ilusão da força à realidade da fraqueza.

Entretanto Deus quer que percebamos que a verdadeira força vem quando paramos de tentar controlar as pessoas, e ao invés disso, começamos a servi-las.

MAIOR PODER DIVINO PODE SER REVELADO EM NOSSAS FRAQUEZAS.
AUTOR DESCONHECIDO

terça-feira, 29 de março de 2011

OS PODEROSOS TEMEM FAZER JUSTIÇA


Atos 25 (1-12)
1 Entrando, pois, Festo na província, subiu dali a três dias de Cesaréia a Jerusalém.

2 E o sumo sacerdote e os principais dos judeus compareceram perante ele contra Paulo, e lhe rogaram,

3 Pedindo como favor contra ele que o fizesse vir a Jerusalém, armando ciladas para o matarem no caminho.

4 Mas Festo respondeu que Paulo estava guardado em Cesaréia, e que ele brevemente partiria para lá.

5 Os que, pois, disse, dentre vós, têm poder, desçam comigo e, se neste homem houver algum crime, acusem-no.

6 E, havendo-se demorado entre eles mais de dez dias, desceu a Cesaréia; e no dia seguinte, assentando-se no tribunal, mandou que trouxessem Paulo.

7 E, chegando ele, rodearam-no os judeus que haviam descido de Jerusalém, trazendo contra Paulo muitas e graves acusações, que não podiam provar.

8 Mas ele, em sua defesa, disse: Eu não pequei em coisa alguma contra a lei dos judeus, nem contra o templo, nem contra César.

9 Todavia Festo, querendo comprazer aos judeus, respondendo a Paulo, disse: Queres tu subir a Jerusalém, e ser lá perante mim julgado acerca destas coisas?

10 Mas Paulo disse: Estou perante o tribunal de César, onde convém que seja julgado; não fiz agravo algum aos judeus, como tu muito bem sabes.

11 Se fiz algum agravo, ou cometi alguma coisa digna de morte, não recuso morrer; mas, se nada há das coisas de que estes me acusam, ninguém me pode entregar a eles; apelo para César.

12 Então Festo, tendo falado com o conselho, respondeu: Apelaste para César? para César irás.

A vida cor-de-rosa


Hoje estou vendo a vida cor-de-rosa. Uma página se fechou e uma nova se abre. O céu está azul e o sol brilha com toda a sua força. Meu coração sorri e está cheio de paz.
Nós não podemos seguir nosso caminho na vida se deixarmos coisas não resolvidas para trás. Outros poderão tropeçar nessas coisas.
O mundo está cheio de estrelas que pertencem a todo mundo. Cada um tem direito à sua, mas todo mundo não terá o direito de tocá-las, porque para isso é preciso querer.
Amar seu próximo como a si mesmo é um ensino de uma grande sabedoria. E nós nos esquecemos com freqüência que o próximo é aquele que está perto e então é preciso começar pela nossa família.
Quem ainda não entendeu isso não entendeu nada da vida. Sejam quem forem, o que forem, os pais são as pessoas mais próximas de nós. Não importa o que eles fizeram na vida, foram eles que nos deram a nossa vida. Só por isso devemos amá-los muito, imensamente, infinitamente.
Saber se entender com seus pais, saber perdoar as grandes e pequenas coisas é ser sábio. Se existe alguma coisa que nos separa da nossa família é preciso voltar atrás antes de prosseguir o caminho. Porque sem isso nós não seguiremos jamais como devemos.
E depois, devemos olhar à nossa volta e procurar outros que têm necessidade do nosso perdão ou de nos perdoar. Isso parece fácil, mas não é, porque isso pede muita humildade e, infelizmente, o mundo está cheio de "cogumelos" que ainda não entenderam que não devemos nos tornar totalmente para nós mesmos, mas para os outros, como as rosas que se oferecem inteiras.
Depois, e só depois nós podemos liberar a luz que está em nós e tocar nossa estrela. E quando nós a tivermos tocado, outros perceberão e vão querer se aproximar de nós, porque a luz atrai pessoas. Mesmo as plantas se voltam para o lado do sol.
Nós não devemos deixar ninguém passar pela nossa vida sem receber alguma coisa. Ninguém deve entrar e sair sem nos amar primeiro.
Hoje é um dia maravilhoso e vou vivê-lo intensamente. A vida me deu muito, mas isso não me servirá a nada se eu não compartilhar com outros. E é por isso que escrevo isso. E é por isso que meu coração bate tão forte.
Eu te ofereço este dia maravilhoso e eu desejo que você não termine seu dia sem ter aprendido algo novo. Existem ensinos em toda parte, mas é preciso saber olhar. Eu desejo que você olhe.



Letícia Thomps

segunda-feira, 28 de março de 2011

TESTEMUNHO DIANTE DA CORRUPÇÃO


ATOS 24 (22-27)
22 Então Félix, havendo ouvido estas coisas, lhes pôs dilação, dizendo: Havendo-me informado melhor deste Caminho, quando o tribuno Lísias tiver descido, então tomarei inteiro conhecimento dos vossos negócios.

23 E mandou ao centurião que o guardasse em prisão, tratando-o com brandura, e que a ninguém dos seus proibisse servi-lo ou vir ter com ele.

24 E alguns dias depois, vindo Félix com sua mulher Drusila, que era judia, mandou chamar a Paulo, e ouviu-o acerca da fé em Cristo.

25 E, tratando ele da justiça, e da temperança, e do juízo vindouro, Félix, espavorido, respondeu: Por agora vai-te, e em tendo oportunidade te chamarei.

26 Esperando ao mesmo tempo que Paulo lhe desse dinheiro, para que o soltasse; pelo que também muitas vezes o mandava chamar, e falava com ele.

27 Mas, passados dois anos, Félix teve por sucessor a Pôrcio Festo; e, querendo Félix comprazer aos judeus, deixou a Paulo preso.

AS PORTAS


Certamente você já parou algumas vezes diante de uma porta que lhe chamou a atenção por uma ou outra razão. Tente relembrar os tipos de portas que já estiveram em sua frente. São tantas, não é verdade?
Existem portas simples, lisas comuns, tamanho padrão que todos os dias abrimos e fechamos sem mesmo repararmos a cor que possuem.
Existem portas maiores, como de igrejas. Estas também nos passam normalmente desapercebidas porque quase sempre estão abertas quando precisamos passar por elas.
Existem portas de vidro. Totalmente transparentes, que somente podem existir em alguns lugares. Existem portas eletrônicas, que basta nossa aproximação e elas se abrem.
Quais as portas que vamos abrir e fechar no dia de hoje?
Algumas portas deveriam permanecer fechadas como a do egoísmo, prepotência, inveja, orgulho, pois não levam a lugar nenhum, mas somente servem para criar barreiras entre as pessoas.
O melhor de tudo isso é que temos a cada dia a liberdade de escolha. Vamos escolher as portas da fé, alegria, bondade e esperança. Portas que nos levem a uma vida melhor, portas de amor e paz.
AUTOR DESCONHECIDO

AMENDOEIRA


Esbelta crescera a amendoeira, grandes e lindas eram suas folhas, e, vaidosa, ela contemplava seus galhos. Certo dia, pousou sobre a amendoeira um pica- pau. Encostou seu ouvido na casca da árvore, e ouviu o ruído de muitos pequenos carunchos. Martelou um buraco no tronco, retirou os carunchos e os comeu.
A amendoeira indignou-se ela gostava quando papagaios coloridos descansavam sobre ela, e amava os cucos que gritavam em seus galhos. O passarinho, porém, que lhe picava um buraco na casca, ela não o queria suportar. A vaidosa amendoeira xingou o pica-pau, e ele voou embora. Os pequenos carunchos ficaram maiores, os carunchos grandes produziram pequenos carunchinhos, e em conjunto eles lentamente escavavam o tronco; mas, a amendoeira não os notava.
Um dia veio um vento que derrubou a amendoeira vaidosa.
Senhor, algumas pessoas perceberam erros em minhas atitudes e palavras, e me disseram. Por isso, fiquei triste e indignado, pois eu preferia ouvir louvores e elogios. Ó Senhor, ensina-me a ser grato pela crítica dos outros, não deixes que a fraqueza me faça desanimar. Deixa-me ser purificado como ouro no fogo. Agradeço-te, Senhor, também pelas pessoas que me criticam. Aprendo muito delas.
AUTOR DESCONHECIDO

domingo, 27 de março de 2011

CRISTIANISMO É CAMINHO


ATOS 24 (11-21)(PARTE 2)
11 Pois bem podes saber que não há mais de doze dias que subi a Jerusalém a adorar;

12 E não me acharam no templo falando com alguém, nem amotinando o povo nas sinagogas, nem na cidade.

13 Nem tampouco podem provar as coisas de que agora me acusam.

14 Mas confesso-te isto que, conforme aquele caminho que chamam seita, assim sirvo ao Deus de nossos pais, crendo tudo quanto está escrito na lei e nos profetas.

15 Tendo esperança em Deus, como estes mesmos também esperam, de que há de haver ressurreição de mortos, assim dos justos como dos injustos.

16 E por isso procuro sempre ter uma consciência sem ofensa, tanto para com Deus como para com os homens.

17 Ora, muitos anos depois, vim trazer à minha nação esmolas e ofertas.

18 Nisto me acharam já santificado no templo, não em ajuntamentos, nem com alvoroços, uns certos judeus da Ásia,

19 Os quais convinha que estivessem presentes perante ti, e me acusassem, se alguma coisa contra mim tivessem.

20 Ou digam estes mesmos, se acharam em mim alguma iniqüidade, quando compareci perante o conselho,

21 A não ser estas palavras que, estando entre eles, clamei: Hoje sou julgado por vós acerca da ressurreição dos mortos.

ALÍVIO EM JESUS


Um homem entrou em sua casa carregando um presente para sua esposa e perguntou para sua filha paralítica após beijá-la:
Onde está a mamãe?
A mamãe está lá em cima, a menina respondeu.
Bem, disse o pai, tenho um presente para ela.
Papai, posso carregar o pacote para a mamãe?
Como você pode carregar o pacote para a mamãe, se você não consegue andar?
Com um sorriso, a menina continuou:
Isso é verdade, papai. Mas você pode me dar o presente e me carregar.
Carregando em seus braços, o homem levou para cima a pequena Ana e o presente.
Então, ele percebeu sua situação perante Deus. Ultimamente vinha levando um pesado fardo, porém, Deus não o estava carregando em seus braços?
Esquecemos muitas vezes de que, mesmo carregando nossos fardos, estamos sendo carregados pelo nosso Pai Celestial.

Em Mateus 11.28 Jesus diz: “Vinde a mim todos vós que estais cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei.”

AUTOR DESCONHECIDO

A FORMIGA E A POMBA


Uma pequena formiga parou de trabalhar, a fim de observar uma pombinha. O entusiasmo foi tão grande que a formiguinha caiu no riacho. Teria sido levada pelas águas se a pomba não a visse quando de um vôo rasteiro interrompeu suas acrobacias e desceu até quase tocar as águas; depois, com um fino galho preso ao bico, conseguiu salvar a formiguinha.
Como farei para demonstrar gratidão e reconhecimento a essa ave que me socorreu com tanta presteza? - pensava a formiguinha.
Acontece que a oportunidade não tardou muito a aparecer. Na tarde do dia seguinte, a pombinha, exausta dos seus exercícios e sentindo um forte calor, pousou num ramo de árvore e ali adormeceu. Um garoto desocupado, que vivia à caça de passarinhos com seu estilingue, viu a pomba que dormia despreocupadamente.
Era uma presa fácil. Assim, sem perda de tempo, o menino procurou algumas pedras e, colocando-as de jeito, fez pontaria, já preparado para atacar. A formiguinha, que voltava para casa trazendo uma enorme carga às costas, viu angustiada aquele gesto impiedoso. Largou o fardo e pensou: "O que fazer nesse momento para alertar a pombinha?" Em fração de segundo, ela decidiu a coisa com acerto. Aproximou-se do garoto e lhe deu uma forte ferroada no calcanhar.
Ai... ai... ai! Mas que dor - gritou o menino, erguendo o pé e esfregando o local onde a formiga o picara.
A decisão funcionou direitinho, porque a pombinha acordou espantada com o grito do garoto e, quando viu bem de perto o perigo tão sério que ameaçava sua própria vida, abriu rapidamente as asas e alçou um vôo ligeiro, desaparecendo no azul do firmamento.
O garoto, desapontado, seguiu seu caminho, levando uma marca avermelhada no calcanhar. Enquanto isso, a formiguinha feliz agradecia na sua linguagem a oportunidade que teve de, embora pequenina e frágil, poder recompensar um favor recebido, numa hora oportuna.
A mensagem expressa o senso de gratidão que devemos ter para com os amigos e também para com Deus que tem nos ajudado diariamente com suas bênçãos graciosas.
AUTOR DESCONHECIDO

sábado, 26 de março de 2011

CRISTIANISMO É CAMINHO


Atos 24 (1-10) (PARTE 1)
1 E, cinco dias depois, o sumo sacerdote Ananias desceu com os anciãos, e um certo Tértulo, orador, os quais compareceram perante o presidente contra Paulo.

2 E, sendo chamado, Tértulo começou a acusá-lo, dizendo: Visto como por ti temos tanta paz e por tua prudência se fazem a este povo muitos e louváveis serviços,

3 Sempre e em todo o lugar, ó potentíssimo Félix, com todo o agradecimento o queremos reconhecer.

4 Mas, para que não te detenha muito, rogo-te que, conforme a tua eqüidade, nos ouças por pouco tempo.

5 Temos achado que este homem é uma peste, e promotor de sedições entre todos os judeus, por todo o mundo; e o principal defensor da seita dos nazarenos;

6 O qual intentou também profanar o templo; e nós o prendemos, e conforme a nossa lei o quisemos julgar.

7 Mas, sobrevindo o tribuno Lísias, no-lo tirou de entre as mãos com grande violência,

8 Mandando aos seus acusadores que viessem a ti; e dele tu mesmo, examinando-o, poderás entender tudo o de que o acusamos.

9 E também os judeus o acusavam, dizendo serem estas coisas assim.

10 Paulo, porém, fazendo-lhe o presidente sinal que falasse, respondeu: Porque sei que já vai para muitos anos que desta nação és juiz, com tanto melhor ânimo respondo por mim

CRISTÃOS ABELHAS


Não sei se você já parou e observou a diferença que existe entre uma borboleta e uma abelha. Na verdade há muitas diferenças, mas uma delas nós logo percebemos: a abelha voa reto, com um alvo certo; a borboleta voa sem direção.
A abelha sai de sua colméia e vai direto às flores. Lá colhe os açúcares para produzir o mel e volta, em linha reta até sua colméia. Não perde tempo e não faz voltas, porque sabe para onde vai.
A borboleta não tem rumo certo. Ela voa, ora para a direita, ora para a esquerda; ora pra cima, ora pra baixo. Para e continua, vai e volta e às vezes até deixa guiar-se pelo vento. Parece sem direção, sem objetivo, sem saber o caminho para onde ir.
O que você acha? Será que uma pessoa pode viver sem rumo, sem alvo, sem saber para onde ir? Será que uma pessoa pode passar pela vida como uma borboleta ora pra cá, ora pra lá, ao sabor do vento? Sem um rumo e um caminho certo?
Você é um cristão abelha ... quando sabe para onde vai, conhece e pratica os ensinamentos da Palavra de Deus.
Você é um cristão borboleta ... quando em determinados momentos se interessa pelos caminhos de Deus, mas, porém, logo se esquece desses caminhos.
Sejamos, então, cristãos abelhas!

Em João 14. 6, Jesus diz que "Ele é o caminho, a verdade e a vida e que ninguém vai ao Pai senão através Dele".

GRANDE OBRA NECESSITA



Urgentemente de pessoas ambos os sexos, sem limite de idade:

CARPINTEIRO: para serrar a madeira da incompreensão e pregar os pregos do amor.

SERVENTE: para preparar a massa da boa vontade, derramando o cimento da fé e o cal da compreensão.

ENCANADOR: para canalizar a água viva da verdade na direção daqueles que tem sede de conhecimento.

ELETRICISTA: para a corrente da fé, auxiliando a levar a Luz aos que se acham nas trevas da ignorância.

APRENDIZES: vagas sempre abertas para aqueles que possuem boa vontade.

MESTRES: NÃO HÁ VAGAS! Temos um só que é superior a todos: JESUS CRISTO, O SENHOR!


ADMISSÃO IMEDIATA!


REQUISITO BÁSICO: reconhecer e aceitar Jesus Cristo como o único, o suficiente e verdadeiro Salvador e Senhor.

E VOCÊ? O QUE ESTÁ ESPERANDO?

sexta-feira, 25 de março de 2011

TRAMA FRUSTRADA



ATOS 23 (25-35)
(PARTE 2)
25 E escreveu uma carta, que continha isto:

26 Cláudio Lísias, a Félix, potentíssimo presidente, saúde.

27 Esse homem foi preso pelos judeus; e, estando já a ponto de ser morto por eles, sobrevim eu com a soldadesca, e o livrei, informado de que era romano.

28 E, querendo saber a causa por que o acusavam, o levei ao seu conselho.

29 E achei que o acusavam de algumas questões da sua lei; mas que nenhum crime havia nele digno de morte ou de prisão.

30 E, sendo-me notificado que os judeus haviam de armar ciladas a esse homem, logo to enviei, mandando também aos acusadores que perante ti digam o que tiverem contra ele. Passa bem.

31 Tomando, pois, os soldados a Paulo, como lhe fora mandado, o trouxeram de noite a Antipátride.

32 E no dia seguinte, deixando aos de cavalo irem com ele, tornaram à fortaleza.

33 Os quais, logo que chegaram a Cesaréia, e entregaram a carta ao presidente, lhe apresentaram Paulo.

34 E o presidente, lida a carta, perguntou de que província era; e, sabendo que era da Cilícia,

35 Disse: Ouvir-te-ei, quando também aqui vierem os teus acusadores. E mandou que o guardassem no pretório de Herodes.

Seu blog é uma benção em minha vida!


Estou muito honrada com este presente carinhoso 
QUE RECEBI DE MINHA AMIGA RÉGIS do:
www.comyeshua.blogspot.com

OBRIGADA AMIGA, DE CORAÇÃO!

DEUS PRECISA DE VOCÊ


Quxntxs vezes sentimos fxltx de xlgumx coisx, ou xindx, reclxmxmos pelo fxto de xlgo nxo funcionxr direito? E existem xqueles que nxo sentem fxltx de nxdx, e os que pensxm que nxo fxzem fxltx?
Hoje por exemplo, umx teclx do meu computxdor nxo estx funcionxndo, isso porque eu tenho mxis 103 pxrx poder usxr, mxs nxo é por isso que vou me contentxr deixxndo pxrx sempre xssim. Nxo. O reino Deus txmbém é dx mesmx formx, quxntx gente jx cxntou, jx louvou, jx pregou e hoje estx distxnte, xfxstou-se devido xos problemxs destx vidx. Quem sxbe você se encontrx no mesmo estxdo de umx delxs, dizendo xs vezes:
"Xh pxrx mim nxo xdixntx mxis, eu nxo sou importxnte, eu nxo fxço fxltx, eu nxo fxço diferençx". Nxo é xssim, você é importxnte sim, você fxz fxltx, você fxz x diferençx. O seu lugxr jxmxis serx preenchido ou substituído por outro, x vocxçxo e o dom de Deus nx sux vidx é exclusivxmente seu, Deus nxo "clonou" o seu dom e o deu x outro, é seu e pronto!
É horx de repensxr melhor, de levxntxr x cxbeçx, de voltxr pxrx o lugxr em que Deus lhe deu, é horx de sentir-se importxnte pxrx Deus.
Lembrx-se dx histórix dxs ovelhxs, contxdx pelo próprio Cristo? Xgorx é o momento de voltxr xo rebxnho, de retornxr xo lxr, é horx de sentir-se útil. X chxnce estx sendo lhe dxdx, xpegue-se x Cristo, o Reino de Deus precisx de você.
AUTOR DESCONHECIDO

ÁGUAS DE DESCANSO


Os motores precisam estar bem lubrificados, para não fundirem, isto é, para não queimarem e se destruírem. Em geral, não é apenas a falta do lubrificante, que estraga motores, mas o uso exagerado, sem limites, sem cuidados e sem critérios. Se andarmos em primeira marcha por muito tempo, com certeza o motor do veículo vai explodir. Se não colocarmos o óleo do motor, o mesmo poderá ocorrer.
Nós também somos, em certo sentido, como motores expostos a grandes cargas de trabalho e temos de cuidar para não nos destruirmos com profundas seqüelas tanto no corpo, como na alma. Isso acontece, quando estamos enfrentando problemas graves ou uma situação demorada em sua solução. Quase sempre estas situações nos deixam desesperados e ansiosos sem saber o que fazer.
Davi no Salmo 23.3, diz: “Leva-me para junto das águas de descando e refrigera a minha alma.” Parece que o seu motor estava para explodir. Ele precisava de um refrigério, descanso, sossego, paz. Ele precisava falar com Deus em oração.
Quando tudo então parece sem solução, é nesta hora exatamente o momento de confiarmos em Deus como ressalta o próprio Davi na continuidade de sua oração: “Guia-me pelas veredas da justiça, por amor de seu nome”.
Ele confiantemente conclui no versículo 4: “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo.”
ATOR DESCONHECIDO

quinta-feira, 24 de março de 2011

TRAMA FRUSTRADA


ATOS 23(12-24) (PARTE 1)

12 quando já era dia, alguns dos judeus fizeram uma conspiração, e juraram, dizendo que não comeriam nem beberiam enquanto não matassem a Paulo.

13 E eram mais de quarenta os que fizeram esta conjuração.

14 E estes foram ter com os principais dos sacerdotes e anciãos, e disseram: Conjuramo-nos, sob pena de maldição, a nada provarmos até que matemos a Paulo.

15 Agora, pois, vós, com o conselho, rogai ao tribuno que vo-lo traga amanhã, como que querendo saber mais alguma coisa de seus negócios, e, antes que chegue, estaremos prontos para o matar.

16 E o filho da irmã de Paulo, tendo ouvido acerca desta cilada, foi, e entrou na fortaleza, e o anunciou a Paulo.

17 E Paulo, chamando a si um dos centuriões, disse: Leva este jovem ao tribuno, porque tem alguma coisa que lhe comunicar.

18 Tomando-o ele, pois, o levou ao tribuno, e disse: O preso Paulo, chamando-me a si, rogou-me que trouxesse este jovem, que tem alguma coisa para dizer-te.

19 E o tribuno, tomando-o pela mão, e pondo-se à parte, perguntou-lhe em particular: Que tens que me contar?

20 E disse ele: Os judeus se concertaram rogar-te que amanhã leves Paulo ao conselho, como que tendo de inquirir dele mais alguma coisa ao certo.

21 Mas tu não os creias; porque mais de quarenta homens de entre eles lhe andam armando ciladas; os quais se obrigaram, sob pena de maldição, a não comer nem beber até que o tenham morto; e já estão apercebidos, esperando de ti promessa.

22 Então o tribuno despediu o jovem, mandando-lhe que a ninguém dissesse que lhe havia contado aquilo.

23 E, chamando dois centuriões, lhes disse: Aprontai para as três horas da noite duzentos soldados, e setenta de cavalaria, e duzentos arqueiros para irem até Cesaréia;

24 E aparelhai cavalgaduras, para que, pondo nelas a Paulo, o levem salvo ao presidente Félix.

A MOEDA


Um especialista em moedas falsas passava o dia estudando uma única moeda de ouro. Dias e dias, meses a fio. Sempre a mesma moeda. As pessoas ficavam curiosas para saber porque ele não escolhia outra, uma falsa, por exemplo, para descobrir o que estava errado. Mas ele não queria saber de outra.
Um dia alguém criou coragem o suficiente e perguntou ao especialista.
Se o senhor é contratado para descobrir moedas falsas, por que só estuda essa moeda e nem olha para as falsas?
Meu amigo, disse o estudioso, eu não preciso conhecer as moedas falsas. Se eu estudar a moeda verdadeira, cada detalhe, cada desenho, até tê-la gravada na minha memória e no coração, eu saberei reconhecer uma moeda falsa assim que puser o olho nela, mesmo que seja uma diferença quase invisível, porque eu não serei enganado jamais.
Assim precisa ser um cristão. Se ele procurar conhecer a Cristo, estudar a Bíblia todos os dias, e gravá-la no coração, ele saberá logo quando quiserem lhe ensinar um falso ensinamento. Ele conhece o Cristo Verdadeiro e não se deixa enganar.
João 8.32: “E conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará.”

A critica


Um dia fui criticado, não era a primeira critica que eu recebia, mas essa foi diferenciada, não foi construtiva e sim devastadora, foi uma critica pessoal que atingia minha aparência, minha forma de pensar, de me vestir e expressar. Nesse dia escutei palavras que tenho vergonha de disser neste texto, pensei no melhor a fazer, tive varias idéias como: dormir, chorar, tentar me vingar da pessoa que me ofendeu tanto, cheguei ate a pensar em suicídio, mas entre todas as idéias escolhi a melhor! Escrever um texto.
Comecei a escrever e as palavras começaram a surgir em minha mente de uma forma que impressionava a mim mesmo, após escrever alguns parágrafos me acalmei e pude realmente refletir sobre o que tinha acontecido, e perguntei pra mim mesmo:
-Será que sou tão ruim e inútil como me foi dito? Será que sou esse fracasso total?
-E claro que não. Ninguém e um fracasso total ou um ser inútil, pois se Deus nos deu a feliz oportunidade de estarmos vivos e porque temos algo muito importante para fazer por aqui, portanto não desperdice essa grande chance que estas recebendo, aproveite-a da melhor forma possível e seja feliz.

Autor: Derland Resende

quarta-feira, 23 de março de 2011

DE RÉU A JUIZ


Atos 23 (1-11)

1 E, pondo Paulo os olhos no conselho, disse: Homens irmãos, até ao dia de hoje tenho andado diante de Deus com toda a boa consciência.

2 Mas o sumo sacerdote, Ananias, mandou aos que estavam junto dele que o ferissem na boca.

3 Então Paulo lhe disse: Deus te ferirá, parede branqueada; tu estás aqui assentado para julgar-me conforme a lei, e contra a lei me mandas ferir?

4 E os que ali estavam disseram: Injurias o sumo sacerdote de Deus?

5 E Paulo disse: Não sabia, irmãos, que era o sumo sacerdote; porque está escrito: Não dirás mal do príncipe do teu povo.

6 E Paulo, sabendo que uma parte era de saduceus e outra de fariseus, clamou no conselho: Homens irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseu; no tocante à esperança e ressurreição dos mortos sou julgado.

7 E, havendo dito isto, houve dissensão entre os fariseus e saduceus; e a multidão se dividiu.

8 Porque os saduceus dizem que não há ressurreição, nem anjo, nem espírito; mas os fariseus reconhecem uma e outra coisa.

9 E originou-se um grande clamor; e, levantando-se os escribas da parte dos fariseus, contendiam, dizendo: Nenhum mal achamos neste homem, e, se algum espírito ou anjo lhe falou, não lutemos contra Deus.

10 E, havendo grande dissensão, o tribuno, temendo que Paulo fosse despedaçado por eles, mandou descer a soldadesca, para que o tirassem do meio deles, e o levassem para a fortaleza.

11 E na noite seguinte, apresentando-se-lhe o Senhor, disse: Paulo, tem ânimo; porque, como de mim testificaste em Jerusalém, assim importa que testifiques também em Roma.

Ciranda da memória


O que é a nostalgia senão aquele sentimento que bate lá no fundo e nos faz voltar a tempos que ficaram, se não esquecidos, pelo menos guardados na nossa memória?
Daí o cérebro vai lá nos cantinhos mais profundos da nossa alma e buscam coisas simples e singelas do nosso passado para nos trazer de novo esse ar de criança feliz e arteira. 
Ah! Nossos tempos de criança!..
Tempos em que éramos felizes e não sabíamos; que acreditávamos em papai Noel e tínhamos medo de mula sem-cabeça; 
 tempo da inocência quando acreditávamos poder voar; quando nos sentávamos ao lado dos "mais velhos" e com os olhos arregalados ouvíamos as estórias (ou histórias - nunca nos perguntávamos sobre a veracidade dos fatos!); 
quando sonhávamos ser princesas e que um belo príncipe encantado viria nos fazer feliz para sempre; 
e comíamos doce sem pensar em engordar; fabricávamos nossos próprios brinquedos com latas, madeira e muita imaginação...
Sem telefone, pouca televisão (em preto e branco!) e nenhum computador.
Tempos de brincar de eu sou pobre, pobre, pobre e ainda assim se sentir feliz; de querer brincar de "Ciranda, cirandinha," "Samba-Lelê tá doente" e "Atirei o pau no gato" nos fins da tarde numa grande roda das crianças da vizinhança como se fôssemos uma grande família... 
e ficávamos "de mal" de vez em quando, mas isso passava logo nos jogos de bola ou de pique-esconde.
Subíamos em árvores para roubar manga e goiaba...
Menina brincava de boneca e menino de carrinho. E tínhamos nossos segredos de alta importância com nossa melhor amiga... e nosso coração já sabia bater escondido por aquele menino tímido... e os primeiros bilhetinhos com versos e corações?
E não compreendíamos por que aprender números e letras era tão importante, não nos preocupávamos com dinheiro e menos ainda com política...
Nossas maiores dores eram de joelhos ralados e tombos de bicicleta...
Tempos perdidos na nossa memória e que são revividos quando encontramos um amigo de infância que nos faz lembrar que aquela criança ainda mora dentro de nós.
 
Texto: Letícia Thompson

terça-feira, 22 de março de 2011

PAULO DEFENDE SEUS DIREITOS


ATOS 22 (22-30)
22 E ouviram-no até esta palavra, e levantaram a voz, dizendo: Tira da terra um tal homem, porque não convém que viva.

23 E, clamando eles, e arrojando de si as vestes, e lançando pó para o ar,

24 O tribuno mandou que o levassem para a fortaleza, dizendo que o examinassem com açoites, para saber por que causa assim clamavam contra ele.

25 E, quando o estavam atando com correias, disse Paulo ao centurião que ali estava: É-vos lícito açoitar um romano, sem ser condenado?

26 E, ouvindo isto, o centurião foi, e anunciou ao tribuno, dizendo: Vê o que vais fazer, porque este homem é romano.

27 E, vindo o tribuno, disse-lhe: Dize-me, és tu romano? E ele disse: Sim.

28 E respondeu o tribuno: Eu com grande soma de dinheiro alcancei este direito de cidadão. Paulo disse: Mas eu o sou de nascimento.

29 E logo dele se apartaram os que o haviam de examinar; e até o tribuno teve temor, quando soube que era romano, visto que o tinha ligado.

30 E no dia seguinte, querendo saber ao certo a causa por que era acusado pelos judeus, soltou-o das prisões, e mandou vir os principais dos sacerdotes, e todo o seu conselho; e, trazendo Paulo, o apresentou diante deles.

A LIÇÃO DO SORVETE


No restaurante, o garotinho pediu se poderia dar graças. Quando todos juntaram as mãos e baixaram a cabeça, ele disse, em alta voz: Deus é bom! Obrigado pela comida. Eu até agradeceria mais se o pai comprasse um sorvete como sobremesa! Amém. Junto com as risadas de várias pessoas, veio a crítica de uma velhinha sentada em outra mesa: É isso que está errado com nossas igrejas! Elas nem mesmo ensinam às crianças como orar! Onde já se viu, pedir um sorvete para Deus! Ouvindo isso, o garotinho caiu em prantos: O que fiz de errado? Deus está bravo comigo? Uma outra senhora interveio: Você fez uma grande oração. E apontando discretamente para a senhora que iniciou a confusão, acrescentou, com voz sussurrada: Que pena que ela nunca pede um sorvete para Deus. Um pouco de sorvete, às vezes, faz bem para alma. E é claro que chegou a hora do sorvete. Aqui está o sorvete que você pediu. Foi então que o garotinho pegou seu sundae, caminhou em direção da senhora que havia iniciado o problema, colocou o sorvete em frente dela e disse: É para você. Um pouco de sorvete, às vezes, faz bem para alma, e a minha alma já está boa.
AUTOR DESCONHECIDO

O balde de água


Certo dia, um súdito veio ao encontro de sua majestade com uma grande dúvida e buscando uma resposta para seu questionamento:
- Meu rei venho lhe pedir um conselho devido o seu grande conhecimento e sabedoria, como poderei servir a Deus de forma correta e agradável aos Seus olhos, vivendo neste mundo repleto de pessoas cheias de pecados?
O rei parou, ficando alguns minutos em silêncio e em seguida olhando atentamente o seu súdito lhe entrega um grande balde e responde:
- Quero que você vá até a fonte que fica no centro da cidade, e traga-me água suficiente para encher este balde! Saindo assim, o súdito em várias idas e vindas conseguiu encher aquele grande balde até transbordar. Após verificar que a tarefa foi cumprida, disse-lhe o rei:
- Agora você irá dar a volta completa em torno da cidade, passando pelas principais ruas, carregando este balde, mas não poderá derramar se quer uma única gota d´água, pois mandarei soldados acompanha-lo, e caso você não cumpra as minhas ordens, eles cortarão a sua cabeça! Assustado o súdito ergue o balde e cuidadosamente inicia aquela ordem que parecia impossível de cumprir, mas passo a passo segue o percurso, com toda a atenção, cuidado e escoltado por guardas. Após o final da tarde, ele retorna ao palácio, cumprindo assim a sua missão.
- Aqui esta meu senhor, nenhuma parte foi derramada, e agora, em que isso vai me ajudar?
Mais uma vez com toda a sua serenidade, o rei pede que se sente ao seu lado e o indaga:
- O que estava acontecendo nas ruas da cidade hoje? O que você viu que poderia me descrever?
Sem hesitar, responde o súdito:
- Meu senhor, fui designado a fazer uma tarefa quase impossível, com a ordem de não poder derramar ser quer uma gota d´água, com guardas me seguindo, arriscado cortar meu pescoço, bastante concentrado e o senhor gostaria que eu observasse o que estava se passando ao meu redor? Perdoe-me meu senhor, mas em momento algum olhei em minha volta! Então o sábio rei demonstrando sua simpatia, com um sorrido, explica: - Aprendeste a lição, para seguirmos a Deus de forma correta, nos Seus caminhos e agradável aos Seus olhos, devemos cada um levar seu balde cuidadosamente, sem observar as situações adversas ao nosso redor. Devemos olhar para Jesus, e não para os pecados dos homens!

AUTOR DESCONHECIDO

segunda-feira, 21 de março de 2011

PAULO JUSTIFICA SUA MISSÃO


Atos 22 (1-21)

1 Homens, irmãos e pais, ouvi agora a minha defesa perante vós

2 (E, quando ouviram falar-lhes em língua hebraica, maior silêncio guardaram). E disse:

3 Quanto a mim, sou judeu, nascido em Tarso da Cilícia, e nesta cidade criado aos pés de Gamaliel, instruído conforme a verdade da lei de nossos pais, zeloso de Deus, como todos vós hoje sois.

4 E persegui este caminho até à morte, prendendo, e pondo em prisões, tanto homens como mulheres,

5 Como também o sumo sacerdote me é testemunha, e todo o conselho dos anciãos. E, recebendo destes cartas para os irmãos, fui a Damasco, para trazer maniatados para Jerusalém aqueles que ali estivessem, a fim de que fossem castigados.

6 Ora, aconteceu que, indo eu já de caminho, e chegando perto de Damasco, quase ao meio-dia, de repente me rodeou uma grande luz do céu.

7 E caí por terra, e ouvi uma voz que me dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?

8 E eu respondi: Quem és, Senhor? E disse-me: Eu sou Jesus Nazareno, a quem tu persegues.

9 E os que estavam comigo viram, em verdade, a luz, e se atemorizaram muito, mas não ouviram a voz daquele que falava comigo.

10 Então disse eu: Senhor, que farei? E o Senhor disse-me: Levanta-te, e vai a Damasco, e ali se te dirá tudo o que te é ordenado fazer.

11 E, como eu não via, por causa do esplendor daquela luz, fui levado pela mão dos que estavam comigo, e cheguei a Damasco.

12 E um certo Ananias, homem piedoso conforme a lei, que tinha bom testemunho de todos os judeus que ali moravam,

13 Vindo ter comigo, e apresentando-se, disse-me: Saulo, irmão, recobra a vista. E naquela mesma hora o vi.

14 E ele disse: O Deus de nossos pais de antemão te designou para que conheças a sua vontade, e vejas aquele Justo e ouças a voz da sua boca.

15 Porque hás de ser sua testemunha para com todos os homens do que tens visto e ouvido.

16 E agora por que te deténs? Levanta-te, e batiza-te, e lava os teus pecados, invocando o nome do Senhor.

17 E aconteceu que, tornando eu para Jerusalém, quando orava no templo, fui arrebatado para fora de mim.

18 E vi aquele que me dizia: Dá-te pressa e sai apressadamente de Jerusalém; porque não receberão o teu testemunho acerca de mim.

19 E eu disse: Senhor, eles bem sabem que eu lançava na prisão e açoitava nas sinagogas os que criam em ti.

20 E quando o sangue de Estêvão, tua testemunha, se derramava, também eu estava presente, e consentia na sua morte, e guardava as capas dos que o matavam.

21 E disse-me: Vai, porque hei de enviar-te aos gentios de longe.

Páginas rasgadas


Houve um dia em que deixei de ir a um enterro de alguém a quem nunca mais veria e eu sempre saberei o quanto ela era especial pra mim.
Houve um dia em que resolvi me vingar de um amigo querido por algum erro; em outro um dia gritei minha mãe, gritei meu pai, censurei os meus avós no meu coração, no meu pensamento. Houve um instante em que cogitei minha própria morte, mesmo tendo certeza QUE ESTA NÃO ERA MINHA VONTADE.
Também escondi meus erros por capricho e orgulho, no mesmo instante em que falava sobre coragem e sinceridade.
Achando-me hipócrita, em algum outro dia resolvi ser eu mesmo totalmente e em nenhum instante consegui me ver ou me notar. Talvez, nem eu mesmo soubesse como ser eu mesmo ou o que eu estava me propondo ser.
Já dei muitas desculpas. E em algumas delas muito de invenção e mentira.
Houve um dia em que não atendi ao convite de um casamento, e o próprio noivo veio atrás da minha presença. Contudo nem isto me motivou, e ele certamente se entristeceu. Ficou a mancha de não ter compartilhado com ele um momento tão único e importante.
Recordo ainda que não aproveitei quando pude abraçar algumas pessoas quando vieram se alegrar comigo, vieram me cumprimentar ou parabenizar por uma vitória.
Sei que também fui egoísta quando não correspondi alguns sorrisos. Minha cara ficou um tijolo seco e sombrio. Houve um dia em que o sol brilhou e eu não dei a ele o valor de uma vela. Preferi a escuridão. Dias em que me senti mísero... E não foi há muito tempo, foi há pouco, mesmo quando decidi que não rasgaria mais página alguma da minha vida.
E passei as mãos sobre o rosto, não olhei pra cima, não procurei reagir, quando o único impedimento era minha própria vontade. Existiu sempre a possibilidade de escolher. A escolha não vem dela mesmo, vem de dentro de cada um.
Houve um dia em que lamentei não ter corrido ao lado dos meus amigos que me chamaram pra correr um caminho, percorrer uma trilha.
Dias em que a música retumbava altissonantemente e eu não quis dançar.
Dias em que a paixão olhou pra mim, me cercou e eu não me deixei aquecer.
Há tantas páginas rasgadas. Momentos que poderiam ter sido inesquecíveis, momentos que continuam desconhecidos, por medo, timidez, costume até. Rasgadas as páginas, foi rasgado também meu livro. O livro da minha existência.
Eu poderia ter ficado calado e ter permanecido ao lado de vários amigos até o dia de hoje. Eu poderia ter compreendido o cansaço e a debilidade dos meus avós. Compreendido o zelo do meu pai, a expectativa, a esperança da minha mãe. Eu poderia ter acreditado em Deus, no milagre, no amor.
Eu poderia ter visto tantas vezes o nascer e o pôr do sol e ser queimado pelo seu calor. Eu poderia ter dado a mim tantas chances de escrever nas páginas do livro, de colocar imagens novas, de colocar meus sentimentos, experimentar-me, experimentar o viver, o sim, o não, a glória, o fracasso, o desconhecido, o temido, o conhecido.
Assim, tendo as páginas rasgadas, nem posso dizer que me conheço. Nem posso dizer que existo. E são essas páginas que me cobram o empenho dos meus dedos e do meu coração em escrevê-las, porque são a seiva que alimentariam minhas raízes. Por isto sinto que estou definhando.
Eu tenho que ir atrás destas páginas, ir atrás das letras que apaguei, das palavras que de propósito esqueci e omiti. Ir atrás das personagens que minha brutalidade afligiu. Ir atrás das lições que estão pra ser aprendidas. Cuidar melhor do meu livro, de cada página, reconhecendo o que as mancha e corrompe.
Na capa, meu rosto. Páginas escritas, páginas vividas! Páginas que enfrentei, cultivei, pensei, chorei, lamentei, alegraram e trouxeram surpresas.

Conselho final: não rasgue as páginas de sua vida, não deixe de viver o que a vida pode lhe proporcionar e se já não tem lhe exigido. Tenha coragem e se conheça de verdade. Conheça o que é viver, o que é atravessar os montes, suportar os desertos, o que é crer e ter esperança.

domingo, 20 de março de 2011

PRISÃO DE PAULO


ATOS 21 (27-40)

27 E quando os sete dias estavam quase a terminar, os judeus da Ásia, vendo-o no templo, alvoroçaram todo o povo e lançaram mão dele,

28 Clamando: Homens israelitas, acudi; este é o homem que por todas as partes ensina a todos contra o povo e contra a lei, e contra este lugar; e, demais disto, introduziu também no templo os gregos, e profanou este santo lugar.

29 Porque tinham visto com ele na cidade a Trófimo de Éfeso, o qual pensavam que Paulo introduzira no templo.

30 E alvoroçou-se toda a cidade, e houve grande concurso de povo; e, pegando Paulo, o arrastaram para fora do templo, e logo as portas se fecharam.

31 E, procurando eles matá-lo, chegou ao tribuno da coorte o aviso de que Jerusalém estava toda em confusão;

32 O qual, tomando logo consigo soldados e centuriões, correu para eles. E, quando viram o tribuno e os soldados, cessaram de ferir a Paulo.

33 Então, aproximando-se o tribuno, o prendeu e o mandou atar com duas cadeias, e lhe perguntou quem era e o que tinha feito.

34 E na multidão uns clamavam de uma maneira, outros de outra; mas, como nada podia saber ao certo, por causa do alvoroço, mandou conduzi-lo para a fortaleza.

35 E sucedeu que, chegando às escadas, os soldados tiveram de lhe pegar por causa da violência da multidão.

36 Porque a multidão do povo o seguia, clamando: Mata-o!

37 E, quando iam a introduzir Paulo na fortaleza, disse Paulo ao tribuno: É-me permitido dizer-te alguma coisa? E ele disse: Sabes o grego?

38 Não és tu porventura aquele egípcio que antes destes dias fez uma sedição e levou ao deserto quatro mil salteadores?

39 Mas Paulo lhe disse: Na verdade que sou um homem judeu, cidadão de Tarso, cidade não pouco célebre na Cilícia; rogo-te, porém, que me permitas falar ao povo.

40 E, havendo-lho permitido, Paulo, pondo-se em pé nas escadas, fez sinal com a mão ao povo; e, feito grande silêncio, falou-lhes em língua hebraica, dizendo:

Pegue as rédeas da sua vida!


Nada mais inquietante do que não saber onde ir. Quando olhamos as estradas e caminhos que se apresentam diante de nós e nos faltam as forças para seguir por esse ou aquele, falta coragem, motivação e nossa maior vontade é nos abandonar.
Pior, muito pior, é conhecer as respostas e, ainda assim, sentir o desânimo da caminhada nessa estrada que parece nunca ter fim. O conhecimento, todas as teorias que vamos acumulando em nós, não nos servirão de nada se não os colocarmos em prática.
É como ter livros de receitas guardados em gavetas. Tudo parece delicioso, mas se nos faltam os ingredientes e a coragem para juntá-los, continuarão fechados.
Prático, muito prático é ter alguém que faça por nós. Mas a vida, os amigos e a família não são cadeiras de rodas, não são meios de locomoção, eles são nossa força e nossa alegria. Porém, precisamos aprender a andar por nós.
É necessário pegar as rédeas da própria vida, ter o controle, a direção. Há coisas que ninguém pode fazer por nós e viver está entre elas. E viver no sentido real, sentir na pele e na alma os acontecimentos que movimentam o mundo, os doloridos e os que nos encantam.
Fechados em casa, sem espaço, limitados pelas paredes e pelos sofrimentos, vamos nos afundando num poço sem fundo, do qual será muito difícil nos levantar. É preciso reunir a coragem e a força, misturar a alegria de viver com o sonho de se chegar a algum lugar, dar passos e abrir os braços à vida.
Aprendemos com os outros, mas não podemos contar que farão as coisas por nós. Suas vidas nos servem de exemplo, mas não nos fazem viver suas experiências. Estas são, com tudo o que elas trazem ou podam, nossa quota.
Se a vida tiver que te transformar, que seja então em alguém melhor.
Não há melhor momento que o de agora para se pegar as rédeas da vida e dirigi-la. O ontem passou e o amanhã está adiante... ame-se o bastante para construir seu abrigo. Creia, muitos são os que precisam da sua sombra e bem-aventurado é o homem que, assinando sua obra dá de si, a si e aos outros.
E do Alto Deus vê e agradece, sorrindo pra você.
 
Letícia Thompson

sábado, 19 de março de 2011

UMA IGREJA REALISTA


Atos 21 (15-26)
15 E depois daqueles dias, havendo feito os nossos preparativos, subimos a Jerusalém.

16 E foram também conosco alguns discípulos de Cesaréia, levando consigo um certo Mnasom, cíprio, discípulo antigo, com quem havíamos de hospedar-nos.

17 E, logo que chegamos a Jerusalém, os irmãos nos receberam de muito boa vontade.

18 E no dia seguinte, Paulo entrou conosco em casa de Tiago, e todos os anciãos vieram ali.

19 E, havendo-os saudado, contou-lhes por miúdo o que por seu ministério Deus fizera entre os gentios.

20 E, ouvindo-o eles, glorificaram ao Senhor, e disseram-lhe: Bem vês, irmão, quantos milhares de judeus há que crêem, e todos são zeladores da lei.

21 E já acerca de ti foram informados de que ensinas todos os judeus que estão entre os gentios a apartarem-se de Moisés, dizendo que não devem circuncidar seus filhos, nem andar segundo o costume da lei.

22 Que faremos pois? em todo o caso é necessário que a multidão se ajunte; porque terão ouvido que já és vindo.

23 Faze, pois, isto que te dizemos: Temos quatro homens que fizeram voto.

24 Toma estes contigo, e santifica-te com eles, e faze por eles os gastos para que rapem a cabeça, e todos ficarão sabendo que nada há daquilo de que foram informados acerca de ti, mas que também tu mesmo andas guardando a lei.

25 Todavia, quanto aos que crêem dos gentios, já nós havemos escrito, e achado por bem, que nada disto observem; mas que só se guardem do que se sacrifica aos ídolos, e do sangue, e do sufocado e da prostituição.

26 Então Paulo, tomando consigo aqueles homens, entrou no dia seguinte no templo, já santificado com eles, anunciando serem já cumpridos os dias da purificação; e ficou ali até se oferecer por cada um deles a oferta.

É preciso de um pouco de tudo para se fazer um mundo


Não sei se é possível dizer o instante exato onde nasce a sementinha dos sonhos que plantamos em nós. Sei apenas que um dia há aquele estalo mágico que nos faz acordar e projetar para os dias e anos que chegam aquilo que nasceu em nós e nosso coração recebeu aberto, como se toda a felicidade do mundo estivesse concentrada ali.
As horas que gastamos depois, nos planos que fazemos, nos incontáveis momentos onde colocamos o sono do lado da cabeceira para melhor viver os projetos, são uma parte do preço que pagamos e do qual cobraremos depois.
Ah!... mas esses sonhos, projetos, planos são sempre infalíveis na nossa cabeça, não contamos com os contras, com a possibilidade, mesmo que remota, de algo não dar certo, daquilo não se realizar. É a idéia do positivismo que exige isso de nós e não posso dizer que essa atitude não seja já um meio caminho andado. Mas só um meio... o restante, fica por conta do trabalho, da ação.
E por quê? Por que certas coisas que planejamos nunca chegam ao fim, nunca se concretizam? Por que um dia o mais leve sopro pode destruir em um minuto aquilo que levamos horas e horas para sonhar e que até pagamos o preço? Por que a felicidade não pode ser continuada, prolongada o bastante para que nosso coração se sinta saciado?
Deixa eu dizer o que aprendi:
primeiro, nossos desejos são nossos desejos e nossos sonhos, nossos sonhos. Vemos diante de nós uma linha sem curvas, sem levar em conta as várias pequeninas peças que fazem uma poderosa máquina funcionar. Nossos planos envolvem, claro, infalivelmente, outras pessoas, elas mesmas com seus próprios desejos e anseios. Precisamos aprender a flexibilidade de ter que ceder aqui para receber ali, de avançar lentamente o caminho ao qual nos fixamos.
Segundo, quando algo que planejamos não dá certo, é porque Deus nos tem sob sua proteção e prepara algo melhor para nós. Somos, creiam, pessoas especiais que desejam um pedacinho do céu e que Deus quer dar todo o universo. Os planos dEle sim, são perfeitos, pois Ele vê e sente o coração de todos os homens, Ele sabe dizer o que há por detrás do muro onde se encerra nossa visão.
Quando muitas pessoas pensam que Deus as abandonou, Ele está, invariavelmente,  cuidando com dobrado carinho e atenção delas.
Poucos, em toda a história da humanidade, perderam tanto quanto Jó. E poucos, em toda a história da humanidade, choraram como ele, se lamentaram como ele e receberam a vitória como ele.
Não podemos perder a coragem, fé e motivação. Caídos, sim, muitas vezes, mas enterrados, não. Não e não!!!
Quem cair, levante-se e se não encontrar forças, estenda a mão! Não há humilhação em estender o braço. Muito pior que isso é deixá-los contra si mesmo enquanto outros continuam o caminho como se não existíssimos.
Deus promete o sol, não todos os dias, mas ele sempre aparece. Deus nos promete a lua e, mesmo se ela muda de fases, dá aquele encanto mágico a um ponto do céu onde nunca chegaríamos, mesmo em imaginação.
 
Letícia Thompson

sexta-feira, 18 de março de 2011

SEJA FEITA A VONTADE DO SENHOR


Atos 21(1-14)

1 E aconteceu que, separando-nos deles, navegamos e fomos correndo caminho direito, e chegamos a Cós, e no dia seguinte a Rodes, de onde passamos a Pátara.

2 E, achando um navio, que ia para a Fenícia, embarcamos nele, e partimos.

3 E, indo já à vista de Chipre, deixando-a à esquerda, navegamos para a Síria e chegamos a Tiro; porque o navio havia de ser descarregado ali.

4 E, achando discípulos, ficamos ali sete dias; e eles pelo Espírito diziam a Paulo que não subisse a Jerusalém.

5 E, havendo passado ali aqueles dias, saímos, e seguimos nosso caminho, acompanhando-nos todos, com suas mulheres e filhos até fora da cidade; e, postos de joelhos na praia, oramos.

6 E, despedindo-nos uns dos outros, subimos ao navio; e eles voltaram para suas casas.

7 E nós, concluída a navegação de Tiro, viemos a Ptolemaida; e, havendo saudado os irmãos, ficamos com eles um dia.

8 E no dia seguinte, partindo dali Paulo, e nós que com ele estávamos, chegamos a Cesaréia; e, entrando em casa de Filipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos com ele.

9 E tinha este quatro filhas virgens, que profetizavam.

10 E, demorando-nos ali por muitos dias, chegou da Judéia um profeta, por nome Ágabo;

11 E, vindo ter conosco, tomou a cinta de Paulo, e ligando-se os seus próprios pés e mãos, disse: Isto diz o Espírito Santo: Assim ligarão os judeus em Jerusalém o homem de quem é esta cinta, e o entregarão nas mãos dos gentios.

12 E, ouvindo nós isto, rogamos-lhe, tanto nós como os que eram daquele lugar, que não subisse a Jerusalém.

13 Mas Paulo respondeu: Que fazeis vós, chorando e magoando-me o coração? Porque eu estou pronto não só a ser ligado, mas ainda a morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus.

14 E, como não podíamos convencê-lo, nos aquietamos, dizendo: Faça-se a vontade do Senhor.

quinta-feira, 17 de março de 2011

O TESTEMUNHO DE PAULO


ATOS 20 (17-38)
17 E de Mileto mandou a Éfeso, a chamar os anciãos da igreja.

18 E, logo que chegaram junto dele, disse-lhes: Vós bem sabeis, desde o primeiro dia em que entrei na Ásia, como em todo esse tempo me portei no meio de vós,

19 Servindo ao Senhor com toda a humildade, e com muitas lágrimas e tentações, que pelas ciladas dos judeus me sobrevieram;

20 Como nada, que útil seja, deixei de vos anunciar, e ensinar publicamente e pelas casas,

21 Testificando, tanto aos judeus como aos gregos, a conversão a Deus, e a fé em nosso Senhor Jesus Cristo.

22 E agora, eis que, ligado eu pelo espírito, vou para Jerusalém, não sabendo o que lá me há de acontecer,

23 Senão o que o Espírito Santo de cidade em cidade me revela, dizendo que me esperam prisões e tribulações.

24 Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus.

25 E agora, na verdade, sei que todos vós, por quem passei pregando o reino de Deus, não vereis mais o meu rosto.

26 Portanto, no dia de hoje, vos protesto que estou limpo do sangue de todos.

27 Porque nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus.

28 Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.

29 Porque eu sei isto que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não pouparão ao rebanho;

30 E que de entre vós mesmos se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si.

31 Portanto, vigiai, lembrando-vos de que durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um de vós.

32 Agora, pois, irmãos, encomendo-vos a Deus e à palavra da sua graça; a ele que é poderoso para vos edificar e dar herança entre todos os santificados.

33 De ninguém cobicei a prata, nem o ouro, nem o vestuário.

34 Sim, vós mesmos sabeis que para o que me era necessário a mim, e aos que estão comigo, estas mãos me serviram.

35 Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.

36 E, havendo dito isto, pôs-se de joelhos, e orou com todos eles.

37 E levantou-se um grande pranto entre todos e, lançando-se ao pescoço de Paulo, o beijavam,

38 Entristecendo-se muito, principalmente pela palavra que dissera, que não veriam mais o seu rosto. E acompanharam-no até o navio

Enganar-se


Todo mundo se engana um dia ou outro,
mas ninguém gosta de admitir.
Admitir para os outros, dói.
Mas admitir para si mesmo é ainda pior.
Enganar-se é mentir-se e nem sempre estamos
conscientes de que nosso mundo,
ou o que vivemos, é bem real.
Perdemos um tempo enorme lutando pelas
nossas idéias, nossas crenças,
nosso amor e chega um dia que precisamos
baixar os braços.
A realidade muitas vezes chega de forma brutal e
se joga sobre nós sem piedade.
É nesses momentos que o mundo perde todo o sentido,
que queríamos fechar os olhos e tentar fazer com que nada tivesse acontecido, queríamos dormir e dormir até que pudéssemos acordar para chegar à conclusão que
tudo não passou de um pesadelo.
Pior mesmo é quando se trata de amor.
Acreditamos cegamente no sentimento e defendemos
uma pessoa de todo nosso ser, nos sentimos capazes
de morrer por ela, nos colocamos contra o mundo todo
e depois temos que admitir que nos enganamos.
Essa descoberta nos paralisa, paralisa nossos
sonhos e nossos sentidos.
Bloqueia nosso coração.
Só mesmo depois de muitas lágrimas derramadas
e noite mal dormidas é que conseguimos colocar
nossas idéias em ordem.
E ainda assim tentamos achar desculpas,
razões que justifiquem nossa cegueira,
nosso erro,
nosso engano.
Mas não há justificativas.
Todo mundo erra e isso faz parte do nosso
aprendizado da vida.
Enganar-se, mesmo se doloroso, é humano.
Muitas vezes quando tropeçamos não caímos,
mas damos dois ou três passos à frente.
Na vida é a mesma coisa.
Uma pessoa que fracassa não é um fracassado por inteiro.
É apenas um ser humano com um coração infantil.
E se ele for capaz de ultrapassar essas barreiras e
dar a volta por cima, será um alguém rico
de experiências e que saberá melhor que qualquer
outra pessoa a fazer suas escolhas e ter o
discernimento para saber qual o melhor
caminho a tomar.

Letícia Thompson

quarta-feira, 16 de março de 2011

FIDELIDADE DE PAULO


ATOS 20 (13-16)

13 Nós, porém, subindo ao navio, navegamos até Assós, onde devíamos receber a Paulo, porque assim o ordenara, indo ele por terra.

14 E, logo que se ajuntou conosco em Assós, o recebemos, e fomos a Mitilene.

15 E, navegando dali, chegamos no dia seguinte defronte de Quios, e no outro aportamos a Samos e, ficando em Trogílio, chegamos no dia seguinte a Mileto.

16 Porque já Paulo tinha determinado passar ao largo de Éfeso, para não gastar tempo na Ásia. Apressava-se, pois, para estar, se lhe fosse possível, em Jerusalém no dia de Pentecostes.

De você para você


Muitas e muitas pessoas gastam suas vidas numa impressão eterna de passar pela vida sem viver.

Agrada-se aos pais, irmãos, amigos, namorado(a), marido, esposa. Se as pessoas que amamos estão felizes, está tudo bem. Não! Não é bem assim! Se não estamos bem é que não está tudo bem!

Agradar aos outros, fazer pelos outros, dar de si sem contar, sem esperar de volta o que dizemos que a vida oferece naturalmente faz parte da nobreza do nosso caráter, mas não deve ser sinal da nossa fraqueza.

Há alguém que existe além do outro: nós!

O que Deus nos pede não é uma vida de renúncias, como se não mais existíssimos, não fôssemos importantes, não tivéssemos, nós também necessidades que devem ser preenchidas.

O carinho que damos, é o mesmo que precisamos. A atenção que oferecemos, é a mesma que carecemos.

Amar o outro não é esquecer-se de si, é simplesmente amá-lo. E se esse amor exige de nós a aceitação de coisas que ferem nossa alma, é que algo está errado.

Deus não criou pessoas para servirem e outras para serem servidas. Ele criou todas as pessoas à sua imagem e semelhança, com desejos de dar e receber, como Ele mesmo. Ele nos dá um amor incondicional e nos ofereceu salvação, mas em troca pede que estejamos perto dEle.

Como podemos oferecer a felicidade e paz a alguém se nosso coração está morrendo?

O amor ao outro não deve desgastar-nos, mas completar-nos.

E de você pra você, digo:

Deus não quer migalhas de você, um ser destruído e com a impressão de não ter tirado da vida as melhores coisas.

Deus quer você completo, pois é somente estando bem que poderá fazer o bem.

Eu disse e digo uma vez mais: ame-se!

Ame-se o bastante para pôr-se de pé, para erguer a cabeça, para não aceitar viver uma vida de resignação em função de pessoas que não dão o mínimo valor ao que você é, ao que você pode ser.

Ame-se ao ponto de poder olhar-se no espelho e ficar feliz com o que vê. Se isso ainda não acontece, vire a vida de cabeça pra baixo, cuide da sua saúde física, mental e espiritual, cuide da sua aparência... coloque um enorme sorriso no rosto!

Afaste-se do mal, das armadilhas onde você inevitavelmente poderá cair, dos perigos que poderão fazer com que se perca. As velhas mágoas matam muito mais a você do que a quem te magoou, porque é você quem as carrega; aprenda a passar por cima.

Você pode perder muitas coisas na vida, mas perderá tudo, se perder a sua auto-estima, seu amor-próprio.

Nosso corpo é o templo do Espírito Santo de Deus. Que tipo de lar tem você para oferecer Àquele que te formou?

Viva de forma que aqueles que estejam perto de você respirem a paz, percebam a luz e desejem estar eternamente na sua presença. Deus também possui esse desejo...

Letícia Thompson

terça-feira, 15 de março de 2011

EUCARISTIA É VIDA


Atos 20 (7-12)
7 E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte, falava com eles; e prolongou a prática até à meia-noite.

8 E havia muitas luzes no cenáculo onde estavam juntos.

9 E, estando um certo jovem, por nome Êutico, assentado numa janela, caiu do terceiro andar, tomado de um sono profundo que lhe sobreveio durante o extenso discurso de Paulo; e foi levantado morto.

10 Paulo, porém, descendo, inclinou-se sobre ele e, abraçando-o, disse: Não vos perturbeis, que a sua alma nele está.

11 E subindo, e partindo o pão, e comendo, ainda lhes falou largamente até à alvorada; e assim partiu.

12 E levaram vivo o jovem, e ficaram não pouco consolados.

Construção de um vaso


Primeira fase: É assim: Deus escolhe o barro! Dentre 200 tipos de barros conhecidos, somente 8 servem para fazer o jarro!Sabe o que isso significa? Se você foi escolhido por Deus, isso significa que você é um barro bom.
Segunda fase:Fase do curtimento: É aquela época em que parece que Deus fala com todo mundo, menos com você.É uma das fases mais importantes, porque o vaso tem que ficar no curtimento. Quanto mais tempo curtindo, maior liga terá. Um vaso grande passa por um longo curtimento.Esta fase depende do tamanho do vaso que Deus quer fazer de você!
Terceira fase: Fase do Pisamento: É quando o barro é retirado do curtimento, talvez depois de muito tempo, e colocado em um local para ser pisado. Para que todo ar seja retirado. Deus permite que você seja humilhado, pisado para poder tirar todo orgulho, vaidade...Sabe como é? Parece que todos falam mal de você, ninguém lhe entende, julgam suas atitudes, etc.
Quarta Fase: Agora o vaso precisa ser misturado com a palha fina, pedra triturada e o resto de cerâmica. Um vaso sem esses implementos é um vaso fraco e quebra fácil. Deus não quer vaso fraco. Quer vaso forte.Sem o Espírito Santo, humildade, disposição, fé e confiança, o vaso fica fraco.Ele quer vaso para uso diário, não vaso de porcelana que é usado só de vez em quando.
Quinta Fase: Chegou a hora do barro virar. Agora depois de todo este processo, o oleiro leva o barro para ser moldado e virar vaso. Depois de Deus ter nos escolhido, nos ter deixado criando liga, ter tirado o nosso orgulho, depois de nos ter fortalecido, Ele finalmente nos começa a moldar.Então quando estivermos definitivamente prontos, Ele nos enche com Seu Espírito e nos usa de acordo com a Sua vontade. Coloquemo-nos nas mãos do Senhor, e sejamos Vasos de bênçãos!
AUTOR DESCONHECIDO

segunda-feira, 14 de março de 2011

PAULO DEIXA ÉFESO


Atos 20 (1-6)
1 E, depois que cessou o alvoroço, Paulo chamou a si os discípulos e, abraçando-os, saiu para a macedônia.

2 E, havendo andado por aquelas terras, exortando-os com muitas palavras, veio à Grécia.

3 E, passando ali três meses, e sendo-lhe pelos judeus postas ciladas, como tivesse de navegar para a Síria, determinou voltar pela macedônia.

4 E acompanhou-o, até à Ásia, Sópater, de Beréia, e, dos de Tessalônica, Aristarco, e Segundo, e Gaio de Derbe, e Timóteo, e, dos da Ásia, Tíquico e Trófimo.

5 Estes, indo adiante, nos esperaram em Trôade.

6 E, depois dos dias dos pães ázimos, navegamos de Filipos, e em cinco dias fomos ter com eles a Trôade, onde estivemos sete dias.

A velhinha que dava nome às coisas


Ela era uma velhinha que morava sozinha, em uma grande casa. Não tinha amigos porque, ao longo dos anos, ela os vira morrer, um a um.

Seu coração era um poço de saudade e de perdas. Por isso, ela decidira que nunca mais se ligaria afetivamente a ninguém.

E, para se lembrar que um dia tivera amigos, passara a chamar as coisas pelos nomes dos amigos que haviam morrido.

Sua cama se chamava Belinha. Era grande, sólida e confortável. Mesmo depois que ela se fosse, Belinha continuaria a existir. A poltrona confortável da sala de visitas se chamava Frida.
Haveria de durar muitos anos mais.

A casa se chamava glória. Tinha sido construída há mais de cem anos, mas não aparentava mais que vinte. Era feita de madeira muito forte, vigorosa. E o carro, grande, espaçoso se chamava Beto. "haveria de servir", pensava a velhinha, "para alguém, depois de sua morte."
E assim vivia a velhinha solitária.

Certo dia, quando estava lavando a lama de Beto, um cachorrinho chegou no portão. O portão não tinha nome, porque ela achava que ele logo teria que ser substituído. Suas dobradiças estavam enferrujadas e a madeira apodrecida.

O animalzinho parecia estar com fome e ela tirou um pedaço de presunto da geladeira e o deu ao cão, mandando-o embora. Porém, no dia seguinte, ele voltou. E no outro e no outro. Todos os dias, ele vinha, abanava o rabo e ela o alimentava, mandando-o embora.

Ela dizia que Belinha não comportava um adulto e um cachorro, que Frida não gostava que cães sentassem nela e glória não tolerava pêlo de cachorro. E Beto? Bom, esse fazia os cachorros passarem mal.

Um ano depois, o animal estava grande, bonito. E tudo continuava do mesmo jeito. Até que um dia ele não apareceu.
Ela ficou sentada na escada, esperando. No dia seguinte, também. Nada.

Resolveu telefonar para o canil da cidade e perguntar se eles tinham visto um cachorro marrom. Descobriu que eles tinham dezenas de cachorros marrons. Quando perguntaram se ele estava usando coleira com o nome, ela se deu conta que nunca dera um nome para ele.

Sentou-se e ficou pensando no cachorro marrom que não tinha coleira com um nome. Onde quer que estivesse, ninguém saberia que ele tinha de vir todos os dias até seu portão para que ela lhe desse de comer.

Tomou uma decisão. Dirigiu Beto até o canil e falou para o encarregado que queria procurar o seu cachorro. Quando ele lhe perguntou o nome do cachorro, ela se lembrou dos nomes de todos os amigos queridos aos quais havia sobrevivido. Viu seus rostos sorridentes, lembrou-se de seus nomes e pensou em como fora abençoada por ter conhecido esses amigos.

- Sou uma velha sortuda, pensou.
- O nome do meu cachorro é Sortudo, disse.

E gritou, ao ver os cães no grande quintal:
- Aqui, Sortudo!

Ao som da sua voz, o cachorro marrom veio correndo. Daquele dia em diante, Sortudo morou com a velhinha.
Beto parece que gostou de transportar o cachorro. Frida não se incomodou que ele sentasse nela. Glória não ligou para os pelos do cachorro. E todas as noites Belinha faz questão de se esticar bem para que nela possam se acomodar um cachorro marrom Sortudo...e a velhinha que lhe deu o nome.

Não temamos nos afeiçoar às pessoas. Ninguém consegue viver sem amor, sem amigos, sem ninguém.
Não nos enclausuremos em solidão, nem percamos a oportunidade extraordinária de amar.

Amemos a quem nos rodeia. Também à natureza e os animais, recordando que tudo é obra do excelente Pai que nos criou.

domingo, 13 de março de 2011

O DISCÍPULO NO SEGUIMENTO DO MESTRE


ATOS 19 (31-41)
31 E também alguns dos principais da Ásia, que eram seus amigos, lhe rogaram que não se apresentasse no teatro.

32 Uns, pois, clamavam de uma maneira, outros de outra, porque o ajuntamento era confuso; e os mais deles não sabiam por que causa se tinham ajuntado.

33 Então tiraram Alexandre dentre a multidão, impelindo-o os judeus para diante; e Alexandre, acenando com a mão, queria dar razão disto ao povo.

34 Mas quando conheceram que era judeu, todos unanimemente levantaram a voz, clamando por espaço de quase duas horas: Grande é a Diana dos efésios.

35 Então o escrivão da cidade, tendo apaziguado a multidão, disse: Homens efésios, qual é o homem que não sabe que a cidade dos efésios é a guardadora do templo da grande deusa Diana, e da imagem que desceu de Júpiter?

36 Ora, não podendo isto ser contraditado, convém que vos aplaqueis e nada façais temerariamente;

37 Porque estes homens que aqui trouxestes nem são sacrílegos nem blasfemam da vossa deusa.

38 Mas, se Demétrio e os artífices que estão com ele têm alguma coisa contra alguém, há audiências e há procônsules; que se acusem uns aos outros;

39 E, se alguma outra coisa demandais, averiguar-se-á em legítima assembléia.

40 Na verdade até corremos perigo de que, por hoje, sejamos acusados de sedição, não havendo causa alguma com que possamos justificar este concurso.

41 E, tendo dito isto, despediu a assembléia.