sábado, 28 de março de 2015

Dilemas da vida

Os dilemas estão sempre batendo à nossa porta e geralmente todos os dias. Buscar explicações para os fatos ocorridos à nossa frente passa a ser o grande mistério que tentamos desvendar. Um desses grandes mistérios podemos chamar de “Vida”.

Ela, por si só, é o maior de todos os desafios que nós, seres humanos, assumimos perante o grande mestre da criação. A vida é um desafio que nos leva a um grande amadurecimento, abrindo novos campos do conhecimento, como mola propulsora da evolução perene e sublime, pleiteada por todos nós.

Quando você estiver utilizando seus momentos de divagação e meditação e puder entender o que significa tudo isso, passará a compreender que o "material" à nossa volta é efêmero. O maior sentido para a vida é plantar e colher.

Que a sabedoria da vida nos ensine a doar mais e que o crescimento espiritual de nossas mentes torne nossa vida uma grande conquista.

sexta-feira, 27 de março de 2015

A semente que não queria crescer

Há muito tempo, não lembro exatamente quando, passou um semeador pelas minhas terras e foi deixando cair suas sementes. Carinhosamente, conversava com elas e para cada uma tinha uma palavra:
– Seja uma boa árvore para que as aves do céu venham pousar em você.
– Dê bom trigo, que o moleiro transformará em farinha para depois ser um lindo pão familiar.
– Cresça bem, para logo começar a girar junto com o sol.
– Dê bom azeite, para que as pessoas possam temperar seus alimentos.
E lá ia ele, todos os dias, ver crescer o campo e contemplava satisfeito como de cada plantinha brotavam caules e folhas. No entanto, em meio a todas aquelas plantas, sentia falta de uma semente que ainda não saíra à luz. Todos os dias ficava esperando ansiosamente que ela aparecesse.
Dentro da terra, ouvia-se o murmúrio da semente:
– Sei que chegou a hora de crescer, de sair da terra e de lançar minhas raízes com força, mas, se sair e não chover o suficiente, morrerei de sede; se fizer muito frio, ficarei congelada; ao contrário, fizer sol demais, murcharei. Pode ser que alguém pise em mim e me esmague…Eu gostaria de ver o azul do dia, ser uma árvore forte e dormir à luz das estrelas, mas se brotar e as coisas não correrem bem, tudo estará acabado.
Aquela semente nunca se atrevia a crescer, até que um dia, em meio às suas dúvidas e medos, lembrou-se do que lhe dissera o semeador quando a colocou na terra:
– Cresça porque precisamos de você. A seu lado passará muita gente que se sentará para descansar. Os passarinhos farão ninhos nos seus galhos etc…
Depois de lembrar todas essas coisas, a semente compreendeu que alguém esperava por ela e que não podia continuar por mais tempo ali, embaixo da terra. Começou, então, a crescer, crescer… e quando saiu à luz encontrou o sorriso do semeador, em seguida, viu um caminho que passava bem perto dali, e desejou com todas as suas forças crescer mais.
Vieram as neves e as borrascas de inverno, mas a plantinha lutava com todas as forças para não ser levada pelo vento nem quebrada pelo peso da neve. E, quando a ventania quase a enterrava novamente, lutava para permanecer em pé. E se a enxurrada de chuva chegava até o seu tronco, aquela arvorezinha segurava-se com força em suas raízes, de modo que não havia o que a arrancasse do chão. E sempre, todas as tardes, encontrava o olhar do semeador que reparava nela e sorria.
Assim cresceu a planta, ano após ano, olhando como as pessoas se aproximavam pelo caminho e, ao chegarem ao seu lado, paravam, olhavam o horizonte e seguiam em frente. Um dia, descobriu entre seus galhos um esquilo que brincava pulando e que fazia toca em um buraco de seus galhos.
E sempre, todas as tardes, o olhar sorridente do semeador levantava os olhos do chão até o céu para ver o seu galho mais alto.
Cresceu e cresceu a planta. De longe podia-se vê-la como uma árvore, que se sobressaía. Chamavam-na “A árvore do caminho” e, embora houvesse muitas outras, nenhuma era tão alta e forte.
Tempos depois, a planta descobriu que uma águia fizera um ninho entre os seus galhos mais altos porque dali quase se podia tocar o céu e olhar melhor entre as estrelas. E, todas as tardes, era visitada pelo semeador, que a olhava sorridente e esperava mais alguma coisa dela.
Cada vez ficava mais forte, grossa e reta, e sua casca enrugada pelos rigores do inverno continuava ali, dando testemunho a todos os que passavam e que agora a chamavam de “A velha árvore do caminho” .
Certa vez descobriu, quando o inverno já se aproximava, que o semeador sentia muito frio. E aquela árvore soltou de si um galho para que ele pudesse fazer lenha e se esquentar todos os dias. Quando o semeador a visitava ela dava o melhor de si, e de seu tronco brotavam lágrimas de resina.
Um dia aquele semeador não foi visitar a árvore. Ela então compreendeu que chegara a hora. Naquela noite houve uma enorme tempestade. Um raio percorreu a árvore de cima a baixo, não sobrou nada além do tronco, que agora as pessoas chamam de “Tronco da velha árvore” .
E dizem que todas as tardes Deus dá um passeio pelo céu e pára à sombra de uma grande árvore, olha e sorri. 

quinta-feira, 26 de março de 2015

A chama da Alma

Havia um sábio Rei que apesar de ser muito rico, tinha a fama de ser um grande doador, desapegado de sua riqueza.
De uma forma bastante estranha, quanto mais ele doava ao seu povo, auxiliando-o, mais os cofres do seu fabuloso palácio se enchiam.
Um dia, um súdito que estava passando por muitas dificuldades, procurou o rei. Ele queria descobrir qual era o segredo daquele poderoso e rico monarca.
O súdito muito religioso não conseguia entender como é que o rei, que não estudava as sagradas escrituras, nem levava uma vida de penitência e renúncia, ao contrário, vivia rodeado de luxo e riquezas, e não se contaminava com tantas coisas materiais…
Afinal, ele, súdito, havia renunciado a todos os bens da terra, vivia meditando e estudando e, contudo, se reconhecia com muitas dificuldades na alma. Sentia-se em tormenta. E o Rei era virtuoso e amado por todos…
Ao chegar em frente ao rei, perguntou-lhe qual era o segredo de viver daquela forma, e o rei lhe respondeu:
– Acenda uma lamparina e passe por todas as dependências do palácio e você descobrirá qual é o meu segredo.
– Porém, há uma condição: se você deixar que a chama da lamparina se apague, cairá morto no mesmo instante.
O súdito pegou uma lamparina, acendeu e começou a visitar todas as salas do palácio. Duas horas depois voltou à presença do Rei, que lhe perguntou:
– Você conseguiu ver todas as minhas riquezas do palácio?
O súdito, que ainda estava tremendo da experiência porque temia perder a vida, se a chama apagasse, respondeu:
– Majestade, eu não vi absolutamente nada. Estava tão preocupado em manter acesa a chama da lamparina que só fui passando pelas salas, e não notei nada.
Com o olhar cheio de misericórdia, o rei contou o seu segredo.
– Pois é assim que eu vivo. Tenho toda minha atenção voltada para manter acesa a chama da minha alma, que, embora tenha tantas riquezas, elas não me afetam.
– Tenho a consciência de que sou. Eu que preciso iluminar meu mundo com minha presença e não o contrário.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Mudar de ideia…

Imagine-se viajando numa lancha com o piloto automático ajustado para o Leste. Se você decidir dar a volta e seguir para o Oeste, haverá duas formas possíveis de mudar a direção do barco:
Primeiro é mudar a programação do piloto automático.
A segunda forma é agarrar a roda do leme e forçá-la, fisicamente.
Com força de vontade você poderia até vencer o piloto automático, mas sentiria constantemente uma resistência. Seus braços acabariam se cansando do esforço, você soltaria a roda do leme e a lancha, instantaneamente, voltaria para o leste da forma em que estava programada.
É isso que acontece quando você tenta mudar sua vida apenas com força de vontade. Você diz: “Vou comer menos… Fazer mais exercícios… Deixar de me atrasar, vou ser mais organizado”. A força de vontade pode produzir mudanças em curto prazo, mas cria uma pressão interna constante, porque você lidou com a causa básica.
A mudança não é natural, então você acaba por desistir, sai da dieta, deixa de se exercitar, continua chegando atrasado, a ser mais desorganizado. Você rapidamente retorna aos padrões anteriores.

Seu primeiro passo em direção ao crescimento é começar a mudar sua forma de pensar. Toda mudança deve sempre ocorrer primeiro em sua mente. Sua forma de pensar determina sua forma de sentir, e o que você sente influencia sua forma de agir.

terça-feira, 24 de março de 2015

Vazios que só Deus preenche…



122 pares de sapatos e ela não encontrava um que servisse para aquela festa. 20 ternos e ele estava achando todos um lixo. Geladeira cheia e o menino batia a porta por não encontrar uma coisa gostosa. Calmante forte, com tarja preta e receita, mas eles não conseguiam dormir. Casa de luxo na praia, mas estava fechada a mais de meses.
Celular, DVD, Notebook, Câmera digital os mais modernos e muita, muita insatisfação.

Estamos nos armando de tudo o que é tipo de tranqueira material para suprir o vazio que nada preenche. Vamos ao supermercado esperando encontrar felicidade nas prateleiras, mas voltamos frustrados, com o carro cheio e a alma vazia.
E nada sacia o homem, quanto mais ele acumula, quanto mais possui, mais vazio vai se tornando. Nunca o homem teve tanto acesso a Deus e nunca ficou tão distante como agora, tantos templos, tantas religiões, tantas definições e ideologias, e mesmo assim, o homem se afasta cada vez mais.
Você quer saber onde está Deus? Olhe para a sua vida, como você trata os seus, olhe para a sua casa, reveja suas atitudes diárias. Os atos falam mais do que as palavras e tudo o que fazemos, são as verdadeiras orações que levamos até Ele.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Uma Nova Maneira de Amar

Mais do que nunca a frase “Qualquer maneira de amor vale a pena” faz sentido. O mundo vive tanto desamor, indiferença e sacanagem, que o afeto será sempre bem-vindo, qualquer que seja a sua forma. Não falo apenas do amor romântico, aquele que acontece entre duas pessoas. Falo do amor que flui o tempo todo, em todas as direções, a qualquer hora.
Isso é o que está faltando. Todos podem ser uma fonte de amor. Sendo amorosos com cada um que encontramos, amorosos em tudo o que faz, só o amor dá segurança. Só o amor tem razão, pelo simples fato de não pretender tê-la.
O amor aproxima as coisas mais distantes, ele vence o tempo o espaço e o amor universal é a única saída. Há muitas famílias que vivem em seus lares como se tivessem numa espécie de redoma, vendo o mundo externo como uma ameaça.
E o resultado disso, é que encontramos pessoas bastante desconfiadas, sem nenhum senso de cooperação social…
Toda renúncia, entrega de si, toda dedicação operosa, todo devotamento para eles parece perda ou atitude inútil.
O interesse individual passou a ser de ordem suprema.

Na busca da autenticidade, muitos conceitos vão sendo questionados. Cada um desenvolve as suas próprias idéias, querendo que o outro se comporte de acordo com elas. Você espera receber aquilo que precisa e esquece que a natureza do amor está exatamente no oposto: no interesse puro de ajudar no crescimento alheio, no desejo de participar na construção de um mundo melhor.
Sem amor para consigo mesmo impossível amar ao próximo. A maturidade deste momento está na busca do respeito de dentro para fora e não a partir de uma ordem que determina o certo e o errado. A base é o respeito por si mesmo, o reconhecimento do ser único.
Hermann Hesse diz:

“Dar sentindo a vida é missão de amor. Quanto mais somos capazes de amar e de nos dedicar a alguém, tanto mais plena de sentindo se torna nossa vida”.

domingo, 22 de março de 2015

Planos

Algumas vezes os melhores planos resultam em… nada.
Algumas vezes a maior confiança em objetivos resulta em… nada.
Algumas vezes as mais incríveis oportunidades resultam em… nada.
Algumas vezes os mais profundos desejos resultam em… nada.
Planos, confiança, oportunidades e desejos ou qualquer outro predicado que você tenha, não são suficientes para empurrar uma bolinha de gude – aquelas pequenas esferas de vidro já esquecidas em algumas regiões do Brasil.
A despeito de todo o seu conhecimento em estratégia e tática, a despeito de toda a sua confiança em si mesmo ou em todos os seres do Olimpo, a despeito de tudo aquilo que a vida ofereça e a despeito de todo o desejo racional, emocional e instintivo do seu corpo, nada vai acontecer se você não fizer uma coisa – uma única coisa simples: agir.

Agir – agir sempre – e dar o primeiro passo da jornada é o que garante que as engrenagens do Universo sejam postas para funcionar. Mesmo uma ação pequena tem efeitos devastadores ao longo do tempo. Nada acontece antes de uma ação ser posta para funcionar.
Na Bíblia, o livro mais vendido do planeta, a primeira frase é: No princípio criou Deus os céus e a terra. A frase não fala que no princípio Deus refletiu, ou teve autoconfiança, ou viu uma oportunidade, ou estabeleceu um objetivo, ou esperou a sorte, ou contou com sua equipe de trabalho. Nada disso. A frase usada tinha o verbo criar.
Tudo começa com a ação. Naturalmente, isso não significa que você deva agir cegamente; significa que você deve agir na hora de agir. Muitos de nós construímos castelos perfeitos em nossas mentes, mas não agimos para levantar uma pedra sequer. Imaginamos tudo o que poderíamos fazer, mas não fazemos coisa alguma, sempre buscando ótimas razões para tudo aquilo que não fazemos.
Queremos melhorar nossas relações, desde que a outra pessoa mude, deixando a ação para ela.
Objetivamos tornar a qualidade de nossos produtos superior, desde que os funcionários façam um trabalho melhor, deixando a ação para eles.
Pensamos em melhorar nosso trabalho, desde que a empresa nos pague mais, deixando a ação para a corporação.
Sonhamos com nossa próxima casa, que será construída no futuro, desde que aquele bilhete de loteria seja premiado, deixando a ação para a sorte.

Embora todas essas coisas possam acontecer, provocar mudanças positivas em nossa vida não é problema de outros. É problema nosso.
Lembre-se de que as palavras “desde que” não estão marcadas no calendário. Sua vida está.
Faça o que você puder agora, com aquilo que você já tem. Mesmo que pareça ser muito pouco. Mesmo que seja somente um gesto, uma palavra, um olhar. Nenhuma ação é pequena demais, desde que seja uma ação.
Se existe somente barro, use-o para construir tijolos e os tijolos para construir as paredes do seu sonho. Se nem mesmo barro você tem, use sapé. Mas faça alguma coisa.

Hoje é o dia para você pegar seus melhores ou piores planos, seus prováveis e improváveis projetos e dar um passo, fazendo aquela ligação, visitando aquele cliente, redesenhando seu produto ou empresa, enviando aquele e-mail, dando aquele sorriso e aquele abraço, andando pelo chão-de-fábrica, assistindo uma palestra, indo ao parque com seu filho, enviando um cartão pelo correio (sim, eu disse correio, não pela internet) ou até conversando com você, no espelho de casa.
Nada acontece somente por estar em sua mente. Preencha seus dias com ação que leve o Universo a devolver algum tipo de reação, e certos resultados, talvez até mesmo inesperados, sempre virão.


As suas ações são os melhores intérpretes de seus pensamentos, como disse John Locke. Esta é, realmente, a única diferença entre quem faz e quem somente observa, quem vive e quem gostaria de viver. Madre Teresa de Calcutá não passou 50 anos planejando como ajudar as pessoas pobres. Ela simplesmente ajudava, e o resto aconteceu normalmente. Portanto, faça algo agora!

sábado, 21 de março de 2015

Esvazie os armários de sua vida

Todos os anos, há um momento em que olhamos nossos armários com um olhar crítico.
Olhamos aquelas roupas que não usamos há tanto tempo. Aquelas que tiramos do cabide de vez em quando, vestimos, olhamos no espelho, confirmamos mais uma vez que não gostamos e guardamos de volta no armário.
Aquele sapato que machuca os pés, mas insistimos em mantê-lo guardado.
Há ainda aquele terno caro, mas que o paletó não cai bem, ou o vestido “espetacular” ganho de presente de alguém que amamos, mas que não combina conosco e nunca usamos.
Às vezes tiramos alguma coisa e damos para alguém, mas a maior parte fica lá, guardada sabe-se lá porquê.
Um dia alguém me disse: tudo o que não lhe serve mais e você mantém guardado, só lhe traz energias negativas. Livre-se de tudo o que não usa e verá como lhe fará bem.
Acontece que nosso guarda-roupa não é o único lugar da vida onde guardamos coisas que não nos servem mais.
Você tem um guarda-roupa desses no interior da mente. Dê uma olhada séria no que anda guardando lá. Experimente esvaziar e fazer uma limpeza naquilo que não lhe serve mais.
Jogue fora idéias, crenças, maneiras de viver ou experiências que não lhe acrescentam nada e lhe roubam energia.
Faça uma limpeza nas amizades, aqueles amigos cujos interesses não têm mais nada a ver com os seus.
Aproveite e tire de seu “armário” aquelas pessoas negativas, tóxicas, sem entusiasmo, que tentam lhe arrastar para o fundo dos seus próprios poços de tristezas, ressentimentos, mágoas e sofrimento.
A insegurança dessas pessoas faz com que busquem outras para lhes fazer companhia, e lá vai você junto com elas.
Junte-se a pessoas entusiasmadas que o apóiem em seus sonhos e projetos pessoais e profissionais.
Não espere um momento certo, ou mesmo o final do ano, para fazer essa “faxina interior”.

Comece agora e experimente aquele sentimento gostoso de liberdade. Liberdade de não ter de guardar o que não lhe serve. Liberdade de experimentar o desapego. Liberdade de saber que mudou, mudou para melhor, e que só usa as coisas que verdadeiramente lhe servem e fazem bem.

sexta-feira, 20 de março de 2015

Tuas mãos

“Tu nunca voltarás a ver tuas mãos da mesma maneira…”

 Meu avô, com noventa e tantos anos, sentado debilmente no banco do jardim, não se movia. Estava cabisbaixo, olhando suas mãos. Quando me sentei ao seu lado, nem notou minha presença.
E o tempo passava…
Sem querer incomodá-lo, mas querendo saber como ele estava, lhe perguntei como se sentia.
Levantou sua cabeça, me olhou e sorriu. ‘Estou bem, obrigado por perguntar’, disse com uma forte e clara voz.
Lhe expliquei que não queria incomodá-lo, mas queria ter certeza de que estava bem, já que estava sentado, imóvel, simplesmente, olhando para suas mãos.
Meu avô me perguntou: “Alguma vez já olhastes tuas mãos? Quero dizer, realmente olhou para elas?”
Lentamente soltei minhas mãos das de meu avô, as abri e as contemplei. Virei as palmas para cima e logo para baixo.
Não creio que realmente nunca as havia observado. Queria saber o que meu avô queria dizer-me.
Meu avô sorriu e me disse…
“Pare e pense um momento sobre como tuas mãos tem te servido através dos anos.
Estas mãos, ainda que enrugadas, secas e débeis têm sido as ferramentas que usei toda a minha vida para alcançar, pegar e envolver.
Elas puseram comida em minha boca e roupa em meu corpo. Quando criança, minha mãe me ensinou a juntá-las em oração. Elas amarraram os cadarços dos meus sapatos e me ajudaram a calçar minhas botas. Estiveram sujas, esfoladas, ásperas, entrelaçadas e dobradas…
Foram inábeis quando tentei embalar minha filha recém nascida…
Foram decoradas com uma aliança e mostraram ao mundo que estava casado e que amava alguém muito especial…
Elas tremeram quando enterrei meus pais e esposa, e quando entrei na igreja com minha filha no dia de seu casamento.
Elas têm coberto meu rosto, penteado meu cabelo e lavado e limpado todo meu corpo.
E, até hoje, quando quase nada de mim funciona bem, estas mãos me ajudam a levantar e a sentar e ainda se juntam para orar.
Estas mãos têm as marcas de onde estive e a dureza de minha vida.
Mas, o mais importante, é que são estas mãos que Deus tomará nas Suas quando me levar a Sua presença!”
Desde então, nunca mais vi minhas mãos da mesma maneira.
Mas lembro quando Deus esticou Suas mãos e tomou as de meu avô e o levou à Sua presença.
Na verdade, nossas mãos são uma benção.
Cada vez que uso minhas mãos penso em meu avô, e me pergunto:
“Estou fazendo bom uso de minhas mãos?”
E sempre que minha consciência responde que “estou usando minhas mãos para praticar o bem, para trabalhar honestamente, que as estou usando para dar carinho e amparo a quem necessita”, sinto-me em paz…
E agradeço ao Criador por tamanha bênção, esperando que Ele estenda Suas mãos para que, também eu, um dia, possa nelas repousar!
A vida acontece no presente, sempre.
Há somente o hoje, o agora, e este é o seu momento com Deus!
Agradeça, por tudo o que tens na vida… e também pelas tuas mãos que, bondosas, ajudam a tornar o HOJE, um dia MELHOR!

quinta-feira, 19 de março de 2015

Felicidade

A felicidade está tão perto da gente.
Mas tão perto que não a percebemos.
Está…
No olhar de uma criança,
Num simples abraço,
Numa palavra de carinho,
Na luz do sol,
No vento que anuncia a chuva,
Nas flores, nos pássaros
No céu, na lua e nas estrelas…
A felicidade está em todo lugar.
Mas somos cegos, surdos e mudos
Para poder percebê-la.
Queremos “tocar” a “Dona Felicidade”.
Mas ela, é intocável
Só é sentida
Lá dentro do coração…
Vamos abrir todos os nossos sentidos.
Deixá-los livres para perceberem os mínimos detalhes do dia a dia.
Tente, passe um dia só, percebendo e sentindo seus
“Pedacinhos de Felicidades”.
No final do dia,
você irá descobrir que não precisa muito para ser feliz.

Basta juntar os pequenos momentos para que se tornem grandes.