segunda-feira, 3 de agosto de 2015

O circo

                                                  



Quando eu era adolescente, meu pai e eu estávamos na fila para comprar ingressos para o circo.
Finalmente, havia apenas uma família entre nós e o guichê.
Essa família me causou uma profunda impressão.
Havia oito crianças, provavelmente todas com menos de 12 anos. Podia-se dizer que elas não tinham muito dinheiro. Suas roupas eram baratas, porém limpas. As crianças eram bem comportadas, todas em pé na fila duas a duas de mãos dadas, atrás de seus pais.
Falavam animadamente sobre os palhaços, os elefantes e outras coisas que veriam naquela noite.
Podia-se perceber que nunca tinham ido ao circo.
O programa prometia ser um grande acontecimento em suas vidas jovens.
O pai e a mãe iam à frente do grupo, tão orgulhosos quanto poderiam estar. A mãe segurava o braço do marido e olhava para ele, como se dissesse, “Você é meu cavaleiro com uma armadura brilhante”. O pai sorria cheio de orgulho e olhava para ela, como se respondesse, “Você tem razão.”
A vendedora de ingressos perguntou ao pai quantos ele queria. Ele respondeu, “Por favor, quero oito de crianças e dois de adultos para levar a minha família ao circo”.
A vendedora disse o preço. A mãe ficou cabisbaixa e largou a mão do marido, que ficou com os lábios trêmulos.
Ele perguntou novamente: “Quanto foi que a senhora disse?” A vendedora disse novamente o preço. O homem não tinha dinheiro suficiente.
Como poderia dizer a seus oito filhos que não tinha dinheiro suficiente para levá-los ao circo?
Vendo o que acontecia, meu pai colocou a mão em seu bolso, pegou uma nota de vinte dólares e a deixou cair no chão.
Meu pai se abaixou, pegou a nota, tocou no ombro do homem e disse “Senhor, com licença, isto caiu do seu bolso.”
O homem entendeu o que estava acontecendo. Não estava pedindo esmolas, mas certamente apreciou a ajuda em uma situação terrivelmente constrangedora.
Ele olhou bem nos olhos do meu pai, pegou a sua mão nas suas, apertou com força a nota de vinte dólares e, com os lábios trêmulos e uma lágrima rolando em seu rosto, respondeu “Obrigado, senhor. Isso significa muito para mim e para a minha família.”
Meu pai e eu voltamos para o nosso carro e nos dirigimos para casa. Não fomos ao circo naquela noite, mas valeu a pena.

domingo, 2 de agosto de 2015

A mente humana

                                                


A mente humana grava e executa tudo que lhe é enviado, seja através de palavras, pensamentos ou atos, seus ou de terceiros, sejam positivos ou negativos, basta que você os aceite. Essa ação sempre acontecerá, independente se traga ou não resultados positivos para você.
Um cientista de Phoenix Arizona queria provar essa teoria. Precisava de um voluntário que chegasse às últimas conseqüências.
Conseguiu um em uma penitenciaria. Era um condenado à morte que seria executado na penitenciária de St Louis no estado de Missouri onde existe pena de morte executada emcadeira elétrica.
Propôs a ele o seguinte: ele participaria de uma experiência científica, na qual seria feito um pequeno corte em seu pulso, o suficiente para gotejar o seu sangue até a ultima gota final. Ele teria uma chance de sobreviver, caso o sangue coagulasse. Se isso acontecesse, ele seria libertado, caso contrário, ele iria falecer pela perda do sangue, porém, teria uma morte sem sofrimento e sem dor.
O condenado aceitou, pois era preferível do que morrer na cadeira elétrica e ainda teria uma chance de sobreviver.
O condenado foi colocado em uma cama alta, dessas de hospitais e amarram o seu corpo para que não se movesse. Fizeram um pequeno corte em seu pulso.
Abaixo do pulso, foi colocado uma pequena vasilha de alumínio. Foi dito a ele que ouviria o gotejar de seu sangue na vasilha. O corte foi superficial e não atingiu nenhuma artéria ou veia, mas foi o suficiente para ele sentisse que seu pulso fora cortado.
Sem que ele soubesse, debaixo da cama tinha um frasco de soro com uma pequena válvula. Ao cortarem o pulso, abriram a válvula do frasco para que ele acreditasse que era o sangue dele que está caindo na vasilha de alumínio. Na verdade, era o soro do frasco que gotejava.
De 10 em 10 minutos, o cientista, sem que o condenado visse, fechava um pouco a válvula do frasco e o gotejamento diminuía. O condenado acreditava que era seu sangue que está diminuindo.
Com o passar do tempo, foi perdendo a cor e ficando cada vez mais pálido. Quando o cientista fechou por completo a válvula, o condenado teve uma parada cardíaca e faleceu, sem ter perdido sequer uma gota de sangue.
O cientista conseguiu provar que a mente humana cumpre, ao pé da letra, tudo que lhe enviado e aceito pelo seu hospedeiro, seja positivo ou negativo e que sua ação envolve todo o organismo, quer seja na parte orgânica ou psíquica.
Essa história é um alerta para filtramos o que enviamos para nossa mente, pois ela não distingue o real da fantasia, o certo do errado, simplesmente grava e cumpre o que lhe é enviado.
“Quem pensa em fracassar, já fracassou mesmo antes de tentar”.
Somos o que pensamos e acreditamos ser.

sábado, 1 de agosto de 2015

A surpresa

                                               

A surpresa não é a notícia ruim, tampouco o fim do relacionamento já desgastado.
A surpresa é o fato de você receber tudo como se fosse novidade,
como inesperado…
Mesmo as notícias de morte, que acreditamos ser “do nada”, não são surpresas, porque a única coisa certa na vida, é a morte, só não sabemos a data, por isso, não se espante com nada.
Isso não quer dizer que você deve ficar insensível. Nada disso, chore seus mortos, descabele-se pelos amores findos, coma as unhas de raiva pelo desemprego, chute pedras na rua (pequenas é claro), pelo não que ouviu, e remoa o seu fígado pelo orgulho ferido.
Mas, por favor, tenha atitude coerente com os vencedores:
– olhe para frente, onde está o futuro que você almeja.
Ao olhar para trás, você dará mais importância para o “problema”,
e com certeza, não enxergará as soluções.

Hoje, exatamente hoje, o sol saiu por sua causa, por acreditar que seus raios benditos podem mostrar, que todos podem, de alguma maneira servir a todos, e se fazendo pequeno, crescer de tal maneira,
que você deixe de ser apenas esta pessoa especial que você é, e passe a ser IMPRESCINDÍVEL.

O tempo de chorar, já passou,
o tempo de viver, recomeçou.
Sorria e olhe para frente,
é tempo de vencer,
tempo de você!
 (Paulo Roberto Gaefke)

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Dicas para se conhecer um grande homem

                                             

  O Grande Homem:
Mantém o seu modo de pensar independentemente da opinião pública. É tranqüilo, calmo, paciente.
Não grita nem se desespera.
Pensa com clareza, fala com inteligência, vive com simplicidade.
É do futuro, e não do passado.
Sempre tem tempo.
Não despreza ser humano algum.
Causa a impressão dos vastos silêncios da natureza testemunhados pelo céu.
Não é vaidoso.
Como não anda à cata de aplausos, jamais se ofende.
Possui sempre mais do que julga merecer.
Está sempre disposto a aprender, mesmo das crianças.
Despreza a opinião própria tão logo verifique o seu erro.
Traz dentro de si as antenas da verdade, que não lhe permite deixar-se inchar pelo louvor ou deprimir pela censura.
Não obstante essa equanimidade, não é frio: Ama, sofre, compreende, sorri.
O que você possui – dinheiro ou posição – nada significa para ele.
Só lhe importa o que você é.
Não respeita usos estabelecidos e venerados por espíritos mesquinhos.
Respeita somente a verdade.
Tem mente de homem e coração de menino.
Conhece-se a si mesmo tal qual é, e conhece a Deus.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Decida-se

                                       
 
 Lógico que você merece ser feliz Um sonho é para ser realizado, e o seu esta cada vez mais maduro. Tenha atitudes positivas: a noite você sonha, de dia realize. Eleve seu pensamento a Deus diariamente e agradeça tudo que conquistar.
Por favor, não se compare com ninguém. Entenda de uma vez por todas que você é único. Lance seu desafio ao Universo e diga: Agora é a minha vez!
Sua determinação é do tamanho da sua necessidade. Uma estrada só se vence quando se dá o primeiro passo e sem olhar para a distância. As boas novas se conquistam com pequenos gestos.
Faça de cada dia, um novo dia de vitória. Esqueça o passado, perdoe! Liberte-se de qualquer amarra que possa te segurar no cais da tristeza. Insista mais um pouco, de mais um passo. Cuide de seus pensamentos e suas palavras. Use tudo com bom senso. Invista na sua paz, diga não quando precisar. Dedique alguns minutos para cuidar de você diariamente. Apaixone-se por tudo o que for fazer. Compre a sua idéia. Vista a camisa. Definitivamente, eu não conheço ninguém mais pronto para prosperar. E ser feliz é a escolha que te cabe nesse momento.
Você merece!
Eu acredito em você!
Paulo Roberto Gaefke

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Quando falar de amor…

                        


Quando falar de amor…
Finja nada conhecer,
para absorver cada frase
que brota em seu coração.
Quando falar sobre a dor,
deixe abertas as janelas da alma
para compreender que amor e dor são
tão parecidos que até os confundimos,
ao vê-los bem pertinho.
Quando falar sobre a paz,
faça-o no rumor da guerra,
para ser ouvido na mais alta voz.
Quando falar sobre sonhos,
acorde, para vivê-los
na melhor lucidez do seu dia.
Quando falar de amizade,
estenda a mão aos inimigos,
para que possa provar a si mesmo
aquilo que gosta de dizer aos outros.
Quando falar de fome,
faça um minuto de jejum,
para lembrar daqueles que jejuam
todos os dias, mesmo sem querer…
Quando falar do frio,
abrace alguém.
Quando falar de calor,
estenda a mão.
Quando estender a mão,
sustenta o braço para que perdure.
Quando falar de felicidade,
acredite nela.
Quando falar de fé,
cerre os olhos para encontrar a razão
daquilo em que crê.
Quando falar de Deus,
faça-o pelo silêncio do seu testemunho.
Quando falar de si mesmo,
aprenda a calar,
para entender o amor,
a dor, a paz, os sonho
s…

terça-feira, 28 de julho de 2015

Volta

                                                                    
                                                          
Quando as pessoas tem pais vivos e queridos e se casam ou vão morar em outra casa, continuam com o mesmo amor, às vezes até maior pelos mesmo, ainda que a distância não permita mais aquele relacionamento afetuoso do dia a dia.
Sabe aqueles cuidados que só mãe e pai tem? Isso mesmo, o colinho da mãe, a opinião sensata do pai, o auxílio mais necessário nos momentos difíceis, tudo isso é mais tranqüilo quando estamos na casa dos pais. Fora a segurança que o ambiente familiar nos traz e acaba envolvendo a nossa alma em paz e certezas. Certezas que desaparecem quando vamos encarar a vida de frente, sozinhos, sem aquelas mãos queridas…
Lógico que o seu amor ainda é grande, mas o dia a dia te obriga a ficar distante, às vezes a própria distância te obriga a sumir por um bom tempo, quantos estão em outros Estados e até países distantes? Essa distância, essa ausência cria um “buraco”, uma falta que muitas vezes nem você percebe, não sabe o que é, e se pega pensando em compensações para o “vazio” que sente…
Assim é a nossa distância do Pai Maior, quando não vamos com regularidade a sua casa (Igreja), o nosso amor parece ser o mesmo, temos muitas saudades, conversamos com Ele (através das orações), mas, assim como o filho distante que fala com os pais pelo telefone e não é a mesma coisa que o abraço físico, assim também é aquele que não busca esse encontro direto com Ele.
Às vezes, para ver os nossos pais, fazemos sacrifícios e gastamos até o que não temos em longas viagens, pelo prazer de reencontrar a nossa família, assim também é a sua Igreja (não importa qual seja), é um sacrifício largar a novela das 7, das 8 e das 10, o cinema da noite, as horas de sono a mais no domingo pela manhã, o passeio do final de semana, mas, com certeza, se não existe alegria maior que o reencontro com nossos pais distantes, imagine o reencontro com Deus?
Ele te espera, de braços abertos, não pelo seu telefone distante, mas pelo encontro em sua casa, frente a frente, coração com coração, fé pela verdadeira fé.
Pense nisso…

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Renúncia

                                     


Um dia eu precisei renunciar,
desistir, me afastar.
Precisei parar de me enganar.
Um dia eu tive que acordar
de um sonho que eu teimava em sonhar.
Tantas renúncias eu já enfrentei,
mas só de uma eu nunca me recuperei.
Renunciar é um ato de coragem
mas de que vale tanta dignidade
e até mesmo a tal vaidade
se na renúncia mora a infelicidade?
Renunciar é, de certa forma, se despedaçar,
se violentar, se sacrificar,
mas quem dará valor a essa nossa decisão?
Talvez poucos a entenderão
pois é apenas dentro do nosso coração
que reside a nossa compreensão.
Só nós conseguimos avaliar
aquilo que não costumamos exteriorizar.
Renúncia é um caminho que ninguém quer escolher
mas que muitas vezes é obrigado a trilhar,
é um caminho que não se deseja conhecer
e é um caminho do qual não se tem como voltar
pois vai sumindo atrás de nós
após cada passo que conseguimos dar.

domingo, 26 de julho de 2015

Um abraço diz muitas coisas

                                                                                

Abraços são dados de muitas formas e com diferentes significados.
Tem abraços que dizem:
“Fico muito contente com a sua amizade…”

Existem abraços que expressam o orgulho que se sente por alguém especial!…
Também há abraços que dizem:
“Não existe ninguém no mundo igual a você…”

Há abraços doces e ternos que são dados em momentos de tristeza…
Com um abraço também podemos dizer:
“Sinto muito”, quando alguém está passando por um momento difícil…

Há abraços que damos, para dizer:
“Que bom que você veio”, e outros que dizem:
“Sentirei sua falta quando você estiver longe de mim…”

E não faltam esses abraços perfeitos para fazer as pazes…
E os abraços cheios de carinho, que nascem do coração…
Como você vê, existem abraços para diferentes ocasiões;
abraços rápidos e abraços demorados, um para cada razão…

Porém, de todos os abraços, o mais carinhoso é aquele que diz:
“Você está sempre no meu pensamento porque eu te quero muito!”
(E sempre será assim!)

Que tenhamos uma linda semana, com o meu abraço especial!!!

sábado, 25 de julho de 2015

Ei, Sorria…

                                                           

Ei, Sorria…
Mas não se esconda atrás desse sorriso…
Mostre aquilo que você é, sem medo.
Existem pessoas que sonham com o seu sorriso,
assim como eu.
Viva! Tente!
A vida não passa de uma tentativa.
Ame acima de tudo, ame a tudo e a todos.
Não feche os olhos para a sujeira do mundo,
não ignore a fome!
Esqueça a bomba,
mas antes,faça algo para combatê-la,
mesmo que se sinta incapaz.
Procure o que há de bom em tudo e em todos.
Não faça dos defeitos uma distância,
e sim, uma aproximação.
Aceite! A vida, as pessoas,
faça delas a sua razão de viver.
Entenda!
Entenda as pessoas que pensam
diferente de você,
não as reprove…
Olhe a sua volta, quantos amigos…
Você já tornou alguém feliz hoje?
Ou fez alguém sofrer com o seu egoísmo?
Ei! Não corra.
Para que tanta pressa?
Corra apenas para dentro de você.
Sonhe!
Mas não prejudique ninguém e
não transforme seu sonho em fuga.
Acredite! Espere!
Sempre haverá uma saída,
sempre brilhará uma estrela.
Chore! Lute!
Faça aquilo que gosta,
sinta o que há dentro de você.
Ouça…
Escute o que as outras pessoas têm a dizer
é importante.
Suba…
faça dos obstáculos degraus
para aquilo que você acha supremo,
Mas não esqueça daqueles que
não conseguem subir a escada da vida.
Descubra aquilo que há de bom dentro de você.