sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Mundo de Sorrisos

Aproximadamente 10 anos atrás, quando eu era um estudante
universitário, arranjei um trabalho em uma loja de souvenirs
no museu da universidade.

Um dia, enquanto trabalhava no caixa da loja, um casal
entrou empurrando uma menina em uma cadeira de rodas.

Quando olhei a garotinha mais de perto, pude observar
que ela não tinha nem braços e nem pernas.
Era apenas cabeça, pescoço e tronco. E ela usava um
caprichado vestidinho azul com bolinhas vermelhas.

Continuei com meu trabalho enquanto o casal circulava
pela loja até que vieram até o caixa.
Levantei a cabeça em direção à menina e lhe dei uma
piscadinha.
Quando devolvi o troco aos avós da garota pude perceber
que ela me sorria.
O sorriso mais atraente e bonito que eu já tinha visto.

De repente todo o problema da menina tinha desaparecido.
Tudo o que eu via era uma bonita menina cujo sorriso me
derreteu e, imediatamente, me deu um sentido
completamente novo para a vida.
Ela me tirou daquele mundinho pobre e infeliz de um
estudante egoísta e me levou para o mundo dela:
um mundo de sorrisos, amor e calor.

Isto aconteceu há quase dez anos.
Hoje sou um bem sucedido homem de negócios e sempre
que fico meio pra baixo, pensando nas dificuldades,
me lembro daquela menininha e a notável lição de
vida que ela me ensinou, e me deixo transportar
àquele mundo de sorrisos.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Solidão

  Nessa semana eu atendi o seu Pedro e a Maria.
Me assustaram, cada qual em seu horário, chegaram com a mesma reclamação:
Oi doutor, não agüento mais essa solidão, coisa que aperta o peito, que dá vontade de sair correndo pela rua ao mesmo tempo que ficar na cama, que faz olhar antigas fotos, cartas de gente que nem se sabe mais, ai doutor isso dói bem aqui, em um lugar que nem sei apontar".
Procurei nos compêndios médicos, nos tratados de psiquiatria, na internet, e nada, nem uma palavra, mesmo que sozinha, sobre essa doença chamada Solidão...  Não existe essa doença então.
Coisa boba que nem deve doer tanto assim, com certeza
melhora com uma aspirina.
Posso ficar sossegado, sentado no sofá, vendo a noite
que brilha através da janela.
Mas aí começa o meu problema, o incômodo,vira para cá
e vira para lá, a música que toca não satisfaz, o quadro
da parede não está tão bonito, eu olhando pela janela da cidade.
Cresci nessa cidade, da casa dos meus pais eu via um
longe verde sem ter fim; de noite, da mesma janela, sem nenhuma esfumaçada dificuldade via-se a estrela predileta, aquela do pedido.
Hoje vejo outros pontos luminosos através do vidro, tantas janelas iluminadas por lâmpadas, pelo brilho da televisão; o que  guardam esses pontos que só se encontram no meu olhar... pronto, peguei a doença... que só se encontram na minha solidão.
Guardam beijos, guardam brigas que já foram beijos, filhos sendo feitos. Onde moram nessas estrelas amarradas nos  prédios a Maria e o Pedro?
Guardam gente torcendo para o romance na novela dar certo,
enquanto a caixa de sapatos escondida no alto do armário guarda a história de um outro romance, papel de bombom.
Guardam gente apostando nos vitoriosos que vivem no limite,
quando o limite às vezes está tão próximo...
Façam para ver, noite dessas, fiquem na frente do vidro,
com pouca luz e olhem: podemos nos ver, mas junto com a imagem do nosso rosto, cansado, sereno, rosto que for,  existe outra imagem, a dos outros lá fora, esses outros que ainda são apenas pontos luminosos na  cidade que cresceu rápido demais...
Toco o quem ainda não sei, toco os outros da novidade,
quem sabe também alguém me olha exatamente agora
Estrela minha, eu desejo... como uma estrela ainda por ser descoberta em súbito  encontro, em um inusitado "bom dia ",

por vezes basta um pouco para esquentar uma luz esquecida,
de cor tão viva que se faça calor espalhando brisa...

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

A grandeza do mar

Você sabe por quê o mar é tão grande?

Tão imenso ?
Tão poderoso ?
É porque teve a humildade de colocar-se alguns centímetros abaixo de todos os rios.
Sabendo receber, tornou-se grande.
Se quisesse ser o primeiro; centímetros acima de todos os rios, não seria mar, mas sim uma ilha. Toda sua água iria para os outros e estaria isolado.

A perda faz parte.
A queda faz parte.
A morte faz parte.

É impossível vivermos satisfatoriamente. Precisamos aprender a perder, a cair, a errar e a morrer.

Impossível ganhar sem saber perder.
Impossível andar sem saber cair.
Impossível acertar sem saber errar.
Impossível viver sem saber viver.

Se aprenderes a perder, a cair, a errar, ninguém mais o controlará.
Porque o máximo que poderá acontecer a você é cair, errar e perder.
E isto você já sabe.
Bem aventurado aquele que já consegue receber com a mesma naturalidade, o ganho e a perda...
o acerto e o erro...
o triunfo e a queda....
a vida e a morte.

* Cada fracasso ensina ao homem... Aquilo que ele precisa aprender *

"Certa vez li um texto que falava como gostaríamos de passar a borracha no passado e fazer tudo diferente. Porém se fizéssemos isso, ao tentar refazer as coisas, cometeríamos os mesmos erros; pois o que nos impede de errar de novo foi o aprendizado que tivemos quando tropeçamos. Sem o aprendizado do passado é impossível mudar o futuro.

Em Cristo, com amor.


Lena

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Cobrança constante

O mundo em que vivemos é uma máquina complexa, cheia de energias e de mistérios. Estas energias que nos envolvem criam parâmetros que nos confundem. Somos cobrados diariamente sobre atos e atitudes.

Com isto, criamos dentro de nós uma cobrança constante, dividida entre o certo e o errado, entre o certo e o duvidoso, entre o que é bom e o que é ruim.

sta cobrança interna muitas vezes gera um estresse desnecessário.

Para aliviar as suas dores mentais, não seja tão exigente com você. Deixe que a vida lhe sorria e que lhe dê a energia necessária para construir aquilo que você mais quer: ser feliz.

A cobrança em demasia rouba-nos tempo precioso e desestabiliza nossa harmonia interna.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Nunca deixar ir

Alguns anos atrás, em um dia quente de verão, um pequeno menino decidiu ir nadar no lago que havia atrás de sua casa.

Na pressa de mergulhar na água fresca, foi correndo e deixando para trás os sapatos, as meias e a camisa. Voou para a água, não percebendo que enquanto nadava para o meio do lago, um jacaré estava deixando a margem e entrando na água.

Sua mãe, em casa, olhava pela janela enquanto os dois estavam cada vez mais perto um do outro. Com medo absoluto, correu para o lago, gritando para seu filho tão alto quanto poderia. Ouvindo sua voz, o pequeno se alarmou, fez um giro e começou a nadar de volta para sua mãe. Era tarde. Assim que a alcançou, o jacaré também o alcançou. Da doca, a mãe agarrou seu menino pelos braços enquanto o jacaré arrebatou seus pés.

Começou um cabo-de-guerra incrível entre os dois. O jacaré era muito mais forte do que a mãe, mas a mãe era por demais apaixonada para deixa-lo ir.

Um fazendeiro que passava por perto, ouviu os gritos, pegou uma arma e disparou no jacaré.

De forma impressionante, após semanas e semanas no hospital, o pequeno menino sobreviveu. Seus pés extremamente machucados pelo ataque do animal, e, em seus braços, os riscos profundos onde as unhas de sua mãe estiveram cravadas no esforço sobre o filho que ela amava.

Um repórter de jornal que entrevistou o menino após o trauma, perguntou-lhe se podia mostrar suas cicatrizes. O menino levantou seus pés. E então, com óbvio orgulho, disse ao repórter,
- Mas olhe em meus braços. Eu tenho grandes cicatrizes em meus braços, também. Eu as tenho porque minha mãe não deixou eu ir.

Você e eu podemos nos identificar com esse pequeno menino. Nós também temos estas cicatrizes.

Não, não a de um jacaré, ou qualquer coisa assim tão dramático. Mas as cicatrizes de um passado doloroso, algumas daquelas cicatrizes são feias e causam-nos profundo pesar. Mas, algumas feridas, meu amigo, são porque Deus se recusou a nos deixar ir. E enquanto você se esforçava, Ele estava lhe segurando.

domingo, 23 de novembro de 2014

Imitando o mestre

Um discípulo que amava e admirava o mestre, resolveu observá-lo em todos os detalhes, acreditando que ao fazer o que ele fazia, iria também adquirir a sua sabedoria.

O mestre só usava roupas brancas, e o discípulo passou a vestir-se da mesma maneira.

O mestre era vegetariano, e o discípulo deixou de comer qualquer tipo de carne, substituindo sua alimentação por ervas. O mestre era um homem austero, e o discípulo resolveu dedicar-se ao sacrifício, passando a dormir numa cama de palha.

Passado algum tempo, o mestre notou a mudança de comportamento de seu discípulo, e foi ver o que estava acontecendo.

- Estou subindo os degraus da iniciação - foi à resposta

- O branco de minha roupa mostra a simplicidade da busca, alimentação vegetariana purifica o meu corpo, e a falta de conforto faz com que eu pense apenas nas coisas espirituais.

Sorrindo, o mestre o levou até um campo onde um cavalo pastava.

- Você passou este tempo olhando apenas para fora, quando isso é o que menos importa - disse. Está vendo aquele animal ali? Ele tem a pele branca, come apenas ervas, e dorme num celeiro com palha no chão. Você acha que ele tem cara de santo, ou chegará algum dia a ser um verdadeiro mestre?

sábado, 22 de novembro de 2014

Voar

Passamos uma vida presos, qual pássaros em gaiolas!
Medo de amar, de olhar a vida de frente...
E, naquele pequeno espaço, cantamos nossas dores e sonhos!

Muitas vezes, as portas de nossas gaiolas se abrem...
Mas permanecemos ali, acostumados, encolhidos às nossas
vontades e sonhos!

Não tenhamos dúvidas. Na primeira oportunidade, alcemos o vôo dos falcões: calmo, confiante, determinado!

Amemos sem medo, brinquemos um pouco com a vida!
Não tenhamos medo dos rochedos e, sobre eles, estendamos nossas asas corajosas de falcão! Soltemo-nos ao vento e deixemo-nos levar ao sonho!

Como o condor, tentemos enxergar as pequeninas coisas à nossa volta e saibamos apreciá-las, dando um sentido novo às nossas vidas! Não sejamos passarinhos de gaiola, mas falcões e condores do céu!

A cada dia existe uma renovação constante, e nunca um dia será como o outro... Não há dores eternas, lágrimas eternas, perdas eternas! Há sorrisos, dias de sol, o abraço dos amigos e filhos e tantos sonhos lindos!

Um amor nos espera, para conosco voar, voar...
Porque a vida é um recomeçar diário de um vôo!
E gaiolas não foram feitas para pássaros...

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Você tem o controle de si mesmo

Você tem a liberdade de decidir que atitudes tomar.
Não existe ninguém, nenhuma lei, muro, prisão nem circunstância que possa impedi-lo de exercer controle sobre sua própria mente.

As circunstâncias não podem controlá-lo. Você tem o controle sobre si mesmo. O mundo ao seu redor pode ser bom ou ruim, mas a decisão está em suas mãos. Você pode ter nascido em um palácio e acabar por não fazer nada da sua vida. Ou você pode ter crescido em um gueto e tornar-se uma pessoa de grandes realizações.

Você pode ser paciente em meio a frustrações. Você pode manter o foco no meio da confusão. Você pode ser disciplinado em meio à libertinagem. Você pode ser positivo em face ao desespero e amoroso em face à amargura.

A pessoa que você é por dentro não depende das coisas que acontecem do lado de fora. Uma vida de sucesso é conseqüência da nossa firmeza de propósitos e nossa habilidade em usar os caprichos das circunstâncias em vez de sermos consumidos por eles.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Novos rumos

             
Você entra em uma loja de conveniência para comprar um presente de natal, de repente passa à frente de um monitor de segurança e, de relance, aparece sua imagem na tela de televisão. Aí você pensa: "Ei, que estranho... Aquela pessoa está usando uma camisa da mesma cor que eu estou usando. Não, não é somente a mesma cor, aquela camisa é exatamente igual à minha. Espere um momento, aquele ali sou eu!"

É um sentimento estranho quando você vê a si mesmo. O mesmo ocorre quando escutamos uma gravação de nossa voz. Você acha a voz feia, diferente, estranha, definitivamente demora a acreditar que é você mesmo. Isto é uma experiência curiosa que demonstra que você trilha um caminho diferente do caminho que outros vêem para você.

O que é importante guardar em mente é: freqüentemente dê uma parada e veja você mesmo com os olhos de como os outros o vêem. Olhe com o máximo de objetividade suas suposições, rotinas, hábitos e modos. Com isto você poderá obter uma perspectiva valiosa. Pare alguns instantes e converse com pessoas mais próximas de você que o conhecem bem, pergunte sem medo de se ofender, como elas o vêem.

Imagine como você poderá melhorar seu relacionamento com os outros se você se ver como eles o vêem.

domingo, 16 de novembro de 2014

Você nasceu para brilhar

Em busca de si mesmo, encontrei uma pessoa muito especial e verdadeiramente apaixonada pela vida, capaz de enxergar as coisas boas do mundo.
Que procura ser feliz, pois para muitos, viver já é o suficiente. Tem a certeza do encontro com a paz nas coisas mais simples e entende que a oferta é gratuita, basta a compreensão da sua existência.

Em meus pensamentos encontrei uma pessoa comprometida com a realidade, porque viver é fácil, difícil é a questão da tolerância e da sobrevivência.

Acredita que há uma infinidade de razões para estar alegre e satisfeita, uma delas é poder fazer pessoas felizes.

Encontrei uma pessoa otimista, perseverante, que acredita na conquista. Entende que nada vem do acaso e tudo na vida tem o seu verdadeiro significado.

Um alguém que busca em seu momento de reflexão as forças para continuar caminhando e considera esse, o maior encontro com a sabedoria.

Pare, reflita e aprenda com as coisas boas que tens praticado. Descubra em você essa pessoa fantástica.

Busque sempre a realização dos sonhos e tenha a recompensa da satisfação de estar trilhando o sucesso.

Assim como uma estrela, você nasceu para brilhar.