terça-feira, 31 de março de 2009

CINCO BOLAS


Imaginem a vida como um jogo, no qual vocês fazem malabarismo com cinco bolas que lançam ao ar.

Essas bolas são: o trabalho, a família, a saúde, os amigos e o espírito.
O trabalho é uma bola de borracha. Se cair, bate no chão E pula para cima. Mas as quatro outras são de vidro. Se caírem no chão, quebrarão e ficarão permanentemente danificadas.

Entendam isso e busquem o equilíbrio na vida.
Como?
* Não diminuam seu próprio valor, comparando-se com outras pessoas. Somos todos diferentes. Cada um de nós é um ser especial.

* Não fixem seus objetivos com base no que os outros acham importante. Só vocês estão em condições de Escolher o que é melhor para vocês próprios.

* Dêem valor e respeitem as coisas mais queridas aos seus corações. Apeguem-se a elas Como a própria vida. Sem elas a vida carece de sentido.

* Não temam admitir que não são perfeitos.
Não temam Enfrentar riscos.
É correndo riscos que aprendemos a ser valentes.

* Não excluam o amor de suas vidas dizendo que não se pode encontrá-lo.
A melhor forma de receber amor é dá-lo. A forma mais rápida de ficar sem amor é apegar-se Demasiado a si próprio. A melhor forma de manter o amor é
dar-lhe asas.

* Não corram tanto pela vida a ponto de esquecerem onde estiveram e para onde vão.
* Não tenham medo de aprender. O conhecimento é leve. É um tesouro que se carrega facilmente.
* Não usem imprudentemente o tempo ou as palavras. Não se podem recuperar. A vida não é uma corrida, mas sim uma viagem que deve ser desfrutada a cada passo.
Lembrem-se: Ontem é historia. Amanhã é mistério e Hoje é uma dádiva. Por isso se chama presente*.

(Brian Dyson)

DEVEMOS APRENDER COM OS ERROS

Devemos aprender com os erros e não comete-los de novo
Um sábio mestre conduz seu aprendiz pela floresta.
Embora mais velho, caminha com agilidade, enquanto seu
aprendiz escorrega e cai a todo instante.
O aprendiz blasfema, levanta-se, cospe no chão traiçoeiro,
e continua a acompanhar seu mestre.
Depois de longa caminhada, chegam a um lugar sagrado.
Sem parar, o sábio mestre dá meia volta
e começa a viagem de volta.
Você não me ensinou nada hoje diz o aprendiz,
levando mais um tombo.
Ensinei sim, mas você parece que não aprende
responde o mestre. Estou tentando lhe ensinar
como se lida com os erros da vida.
E como lidar com eles?
Como deveria lidar com seus tombos responde o mestre.
Em vez de ficar amaldiçoando o lugar onde caiu,
devia procurar aquilo que te fez escorregar.
MORAL DA HISTÓRIA:
Devemos procurar a raiz de nossos erros
e nos levantarmos com sabedoria e força.
AUTOR DESCONHECIDO

A sabedoria do tempo


O homem é o único animal que sabe que nasceu e que um dia vai morrer. Sabe que começou a viver, sabe também que terá um fim.
Somente os humanos podem organizar suas vidas e planejar o tempo para viver, amar, crescer, criar, conhecer e morrer.

1 - Tempo para viver
Viver a vida em toda a sua intensidade. Nunca enterrar o talento da vida. Quanto mais você vive a vida fazendo o bem, tanto mais você percebe que ela é bela. Parar, descansar e sentir a grandeza da vida. Há pessoas que nunca encontram tempo para viver, sonhar e cantar. Vivem mergulhadas em negócios, trabalhando e trabalhando. Na verdade, se esperam terminar o trabalho para começar a viver, então nunca viverão, porque nunca terminam o trabalho. Apodere-se do tempo, caso contrário ele se apodera de você e o torna frustrado.

Entre os mandamentos dados pelo Criador, existe o mandamento
do descanso, "guardar os domingos e festas de guarda".
Há certamente muita sabedoria neste preceito divino.

2 - Tempo para amar:
Achar tempo para cativar, para atrair, para contemplar e para amar.
Achar tempo para aproximar-se mais...chegar mais perto. Tudo isto exige tempo, porém, sem o amor desfalece e murcha, Achar tempo para estar juntos nas refeições, nos passeios, nas caminhadas, nas alegrias e nas tristezas, partilhando, rindo chorando e acolhendo.
Amar não consiste em fazer grandes declarações. É principalmente e acima de tudo, um jeito de estar juntos, um jeito de viver juntos: alegrar-se juntos e chorar juntos. Amar de verdade, então, requer tempo, muito tempo para você contemplar quem está a seu lado, na sua frente.

Por vezes você julga que algumas pessoas são chatas e até antipáticas, porque você não as contemplou e não lhes deu a oportunidade de revelarem sua riqueza interior.
Deixe que elas se abram e você perceberá que elas são maravilhosas, admiráveis e belas. Tenha em mente que a mesma força criadora que te deu a vida, é a mesma fonte que deu vida a ela também. Tudo isto é demorado, mas é sabedoria do tempo.

3 - Tempo para crescer:
O homem só cresce com o tempo. A paciência é uma virtude, e ser
paciente é possuir a chave da alegria. Experimentar ser criança, ser adolescente, ser jovem, ser adulto e idoso, sem querer antecipar as
fases da vida. Não querer ser adulto sem ter saboreado o ser jovem. Cada idade chegará a seu tempo.
Não se abre uma flor com os dedos, ela tem sem tempo certo para
desabrochar.

Os melhores frutos são aqueles que caem por si mesmos, quando estão maduros. Da mesma forma o homem, o seu crescimento, a sua maturidade e o seu caráter, requerem um ritmo, é tudo uma questão de tempo e paciência, e não de técnicas. Levar em conta tudo isto é sabedoria do tempo.

4 - Tempo para criar:
Aquele que não amadurece, não tem imaginação. Não sentiu o seu sangue circulando nas veias, não sentiu o pulsar do seu coração e não tem sentimento, como poderá criar? - não amadureceu, não houve a devida gestação. Disse Pascal "Escrevi um livro grande, porque não tive tempo de escrever um pequeno" O homem em essência é um artista, porquanto o homem só atinge a sua plenitude quando a vida lhes é experimentada, provada, vivida e amadurecida. Isto não se faz da noite para o dia, exige tempo, porque a inspiração vem da sabedoria por excelência.

5 - Tempo para conhecer:
Conhecer e não aprender somente. Conhecer uma pessoa é nascer com ela, é partilhar de igual um novo começo, o que está em voga é o conhecimento que mergulha no tempo. Existe diferença entre conhecer e aprender é preciso muito tempo para alguém conhecer-se a si próprio, de igual forma, é necessário muito tempo para alguém conhecer outra pessoa, mas muito mais tempo se exige para que o homem conheça seu Deus, seu Criador.

O Criador não se revela na pressa, na correria. Ele é uma realidade que se experimenta, que se saboreia no diálogo personalizado, na oração constante e silenciosa. Não se recebe e não se experimenta o Criador de uma só vez e para sempre. Ele é novo a cada instante, a cada dia. Se estamos vazios, perturbados, mal-humorados, agressivos e neuróticos não encontraremos tempo para desfrutar do seu conhecimento, da sua sabedoria. Temos que achar tempo para a nossa riqueza contemplativa, e isto é sabedoria admirável.

6 - Tempo para morrer:
Todo ser humano sabe que vai morrer. Somente não sabe quando e de que maneira.
Para aquele que crê, a aproximação da morte exige uma preparação especial e determinados atos praticados em plena consciência.
Deve e pode encerrar seu curso terrestre com dignidade e serenidade. Deve ter a oportunidade de escrever com letras de ouro a última pagina do livro da sua vida. Talvez tenha que pedir perdão aos que magoou com atitudes mesquinhas ou então quem sabe, gostaria de deixar alguma mensagem especial para seus parentes, para seus amigos, para a sociedade.

Sabedor destes princípios, o homem deveria se preparar para a morte bem cedo, desde os primeiros anos de vida. Seria bom ensinar às crianças e aos jovens a encarar a realidade da morte com serenidade e inteligência, certamente esta pedagogia peculiar ajudaria adotar conduta de vida diferente. Ajudaria morrer ao orgulho, à vaidade de aparecer e à ganância do possuir.

Ajudaria assumir um compromisso de partilha, de perdão e de amor. Principalmente ajudaria escrever toda a história de sua vida com letras de ouro. A morte significaria então, a coroação, o desfecho de uma vida de doação.

Tudo isto exige aplicação e seriedade, mas é SABEDORIA DO TEMPO.
AUTOR DESCONHECIDO


A Riqueza é dom de Deus


Acreditar que a pobreza é da vontade de Deus ou é dom de Deus é um equívoco comum entre as pessoas (alguns fazem voto de pobreza); Jesus se fez pobre para que fôssemos engrandecidos em sua pobreza, para erguer o pobre da lama em que ele se encontra.

Deus quer ser glorificado na prosperidade, nas vitórias, na transformação da vida daqueles que nele crêem, daqueles que não aceitam a pobreza, a derrota e buscam em Deus, através da fé, uma maneira de mudar a situação em que se encontram.

Como alguém pode glorificar a Deus com uma vida de fracasso, de miséria, destruída? É hora de acordar...

mudar a nossa maneira e pensar e agir...

de nos revoltar contra a situação de miséria, dificuldade, problemas, que muitos enfrentamos.

Depende de nós, pois Deus quer nos abençoar, quer e pode nos fazer mais que vencedores, "Em Cristo somos mais que vencedores" está escrito. É hora de deixar de lado o "Se Deus quiser" e ir à luta dizendo e crendo "Vou conseguir em nome de Jesus!"

A riqueza e a abundância é dom de Deus, e Ele retribui a quem dá com generosidade e sinceramente de coração, a quem se entrega voluntariamente e com prontidão a sua obra ou coloca a sua vida nas mãos de Deus.

Deus supre, multiplica de forma equilibrada, pois dá àquele a quem sobrou a oportunidade de dividir o que tem com aquele a quem faltou, e de retribuir a abundância que conseguiu investindo na obra de Deus...

Assim se tornando cada vez mais abençoado.

Zita Adriana

segunda-feira, 30 de março de 2009

ISABELLA:NOSSO ANJINHO DA GUARDA


Hoje você é uma estrelinha que brilha no céu, você é um anjinho que esta ao lado de jesus,nunca vamos te esquecer,você vai estar sempre aqui dentro do meu coração.O mundo inteiro te ama muito.
Você deixou uma saudade imensa dentro de nosso corações, principalmente no coração de sua mãe que te ama muito.fico muito triste de ter conhecido você só depois que você foi morar com Deus.
Deus deve estar muito feliz por ter um anjo tão lindo como você pertinho Dele.você é linda demais.
você é e sempre será a nossa estrelinha que brilha lá no céu juntinho de Jesus. Isabella, te amamos
Regina

HOMENAGEM A ISABELLA NARDONI

Voltas que a vida dá

Meu amigo Ricardo de Melo, homem prudente e habilidoso, conseguiu à custa de enorme economia juntar fortuna regular.
Esforçara-se durante muito tempo no trabalho árduo e a riqueza, coroando-lhe os esforços, o ajudara a estabelecer-se com rendosa indústria manufatureira.
Entretanto, apesar de estar financeiramente bem, Ricardo não modificou sua maneira de ser.
Habituara-se à poupança e ao controle excessivo dos mil réis sem dar-se conta de que já podia usufruir de maior conforto e menos preocupação com a manutenção de sua família.

E assim, ele vigiava o horário dos empregados, na fábrica, calculando o custo dos minutos perdidos nos atrasos comuns durante o serviço. Em casa, não permitia o menor deslize no orçamento magro, jamais propiciando aos familiares o conforto e as vezes as coisas mais necessárias. Quando a esposa, aborrecida, aludia à sua vantajosa situação financeira, ele dizia:
- Você que pensa! Eu é que sei dos compromissos e responsabilidades! Não. Não posso gastar de maneira alguma.
E a mulher tristemente remendava ao máximo as roupas da família e fazia tremenda ginástica para não sair do magro orçamento doméstico.

Desta forma, os bens de Ricardo duplicavam sempre, sem que ele mudasse o padrão de vida a que desde jovem se habituara. Ao contrário, com o correr dos anos, foi ficando pior. Não tirava férias para melhor poder vigiar o negócio, era sempre o primeiro a chegar e o último a sair. Não tinha por isso tempo para dedicar-se ao aconchego familiar. Mal parava em casa. Desenvolvia enorme atividade no sentido de exercer o controle de tudo e assim neurastenia tornou-se inevitável, e com ela o desequilíbrio orgânico.
Mas, era inútil a insistência da família. Ricardo não descansava.
Certa madrugada, foi chamado às pressas. Irrompera violento incêndio em sua fábrica. Ninguém descobriu a causa do sinistro, entretanto, toda a indústria foi destruída. Sobrou, diante dos olhos esbugalhados e febris de Ricardo um amontoado de ruínas fumegantes. Nada pôde ser salvo, nem uma peça. E, como por medida econômica Ricardo não fizera o devido seguro contra incêndio, ficou positivamente na miséria.

Em virtude do choque emocional, foi acometido de séria enfermidade, guardando leito por algum tempo. Quando melhorou, ficou com o braço direito imobilizado e inútil.
Incapaz de recomeçar a vida por questões psíquicas, além do defeito físico, Ricardo, sem recursos outros para viver, ficou na dependência dos filhos que viviam de modesto salário.
Todavia, habituastes ao pensamento de que o pai gastava pouco e porque ele nunca lhes dera dinheiro para as menores coisas, obrigando-os ao trabalho se precisassem de algo, não se sentiam na obrigação de serem pródigos para com ele.
Mas, ainda assim, enquanto os dois rapazes eram solteiros e residiam com os pais, as coisas se arranjaram regularmente, mas depois que se casaram e saíram de casa formando o seu próprio lar, a situação tornou-se calamitosa.

Ricardo e a esposa, recebiam pequena mesada que mal dava para a modesta refeição e com seu precário estado de saúde Ricardo precisava de medicamentos cada vez mais caros.
Seu corpo envelhecido requisitava maior necessidade de agasalho.
E, se alguma vez engolindo a revolta interior ele se dirigia aos filhos solicitando aumento da magra pensão, ouvia invariavelmente:
- Por agora é só o que posso dar. Tenho família a sustentar.
O senhor não sabe minhas responsabilidades e os meus compromissos!
Quando lhe morreu a companheira, nenhum dos dois abriu-lhe as portas do lar. Alegando necessidade de tratamento especializado e para melhor atendimento médico, internaram-no em um asilo de velhos.

Foi amargurado e triste que Ricardo retornou ao plano espiritual, depois de algum tempo de perturbação. Trazia um amontoado de queixas contra os familiares o que muito prejudicou seu pronto equilíbrio.
Foi por isso visitado por amoroso instrutor, desejoso de ajudá-lo.
Diante do carinho e da atenção que foi objeto, Ricardo não conteve as lágrimas e com voz triste tornou:
- Ai! meu amigo. Como é bom encontrar almas generosas no caminho! Infelizmente eu não tive essa sorte. Deus me deu por família criaturas sem coração que jamais se compadeceram da minha dor.

O mentor amigo, colocando, calmo, a mão sobre o braço do enfermo perguntou:
- Mas... que fizeste para sanar o mal?
- O que podia fazer? Velho, cansado, só e doente?
- A essa altura pouco, realmente. Entretanto, tiveste inúmeras oportunidades, como pai, de construir o amor e a generosidade no coração dos teus filhos. A criança é uma plantinha tenra que cresce em torno da estaca que lhe serve de apoio, se esta for firme e justa, ela crescerá perfeita, na devida posição. Porém, se esta for mal colocada, frouxa e indiferente, a planta proliferará irregularmente, será fraca e mirrada.

Tiveste durante o início da vida ocasião de ensinares os teus a serem generosos e bons e perdeste a oportunidade, valorizando apenas a posse efêmera do dinheiro que infelizmente não te ofereceu felicidade nem segurança; não encontravas tempo para tecer os laços duradouros da estima e da compreensão.
Chamado à responsabilidade, Ricardo baixou a cabeça confuso.
O Mentor prosseguiu:
- Aceita as conseqüências dos teus atos com serenidade e paciência. Se nada plantaste naqueles corações, se nada deste, como querias de lá tirar ou ter direito a alguma coisa? Valoriza a experiência e nunca é demais recordarmos os ensinamentos do Cristo quando nos advertiu: "Não vos afadigues pela posse do ouro, que a traça corrói e a ferrugem consome, mas ajunteis tesouros no céu e sereis felizes".

E, colocando a mão fraternalmente sobre seus ombros curvados terminou perguntando:
- E queres maior riqueza e maior tesouro do que o amor de pai envolvendo e penetrando um coração de filho?

Marcos Vinícius

Vontade de fazer

Eu me lembro de um fato ocorrido com nosso filho, Ian, que na época tinha cinco anos de idade. Estávamos com visitas mas já era a hora dele ir dormir. Quando olhei para o chão do quarto, percebi que teria problemas. Brinquedos espalhados por tudo que era lado.
- Ian, eu disse, você precisa guardar todos esses brinquedos antes de ir pra cama.

- Papai, ele respondeu, estou muito cansado para guardar meus brinquedos.

Minha vontade na hora era força-lo a arrumar o quarto. Ao invés disso, eu entrei no quarto e disse:
- Ian, venha aqui. Vamos brincar de Humpty Dumpty!

Ele subiu em meus joelhos e eu disse,
- Humpty Dumpty sentado no muro. Humpty Dumpty levou um tombo. Humpty Dumpty caiu duro!

E ele, rindo, caía no chão do quarto. Rindo ainda, Ian disse:
- Vamos de novo!.

Bem, depois do terceiro tombo eu disse
- Certo, mas primeiro vá guardar seus brinquedos.

Sem pensar duas vezes, ele levantou-se e em noventa segundos terminou um trabalho que poderia ter levado meia hora. Então ele pulou em meus joelhos e repetiu:
- Papai, vamos brincar de novo!.

- Ian, eu pensei que você estava muito cansado para guardar seus brinquedos.
No que ele respondeu:
- Eu estava, papai, mas agora eu fiquei com vontade de fazer isto!

Com esta história eu aprendi que podemos terminar todo e qualquer trabalho quando nós temos o incentivo certo para criar a "vontade para fazer"!

(Neil Eskelin)

Vou vencer...

Um dia, todos nós, seres humanos, cometemos um erro que nos causa aborrecimentos e as vezes nos leva ao desespero. O certo é que um dia, seja lá quando for, nós vamos errar no julgamento, na ação ou até por omissão e isso é liquído e certo, o que faz a diferença é a maneira como você vai encarar esse erro.

Primeiro é preciso saber que não existe aprendizado sem experiências, e não existem experiêncais que sejam 100% certas, aliás, o próprio nome diz tudo: experimentar, tentar, insistir. Então os erros são as nossas tentativas de acertar, não é mesmo?
Bom, se todo mundo comete erros, então qual a vantagem? A grande vantagem está na capacidade do ser humano de fazer daquele erro um trampolim para a sua vitória. Quando você analisa o seu erro sem se julgar, sem se fazer de vítima da sociedade, quando você fala para você mesmo: "eu vou dar a volta por cima, vou vencer", você começa a construir um mundo novo, portas se abrem, mesmo que
você esteja trancado em um porão imundo.
Quantos ex-presidiários transformaram-se em advogados, engenheiros, arquitetos e outros profissionais respeitados? Quantos empresários que começaram e perderam tudo várias vezes, estão hoje no topo da pirâmide, oferecendo centenas de empregos?
Quantos cientistas criaram remédios para aquelas doenças que todo mundo dizia que não havia cura? Quantas vezes você já fez coisas que nem você mesmo acreditava ser capaz?
Essa é a sua oportunidade, amarre o passado em um saco e feche a boca para enterrar o que não te serve, use a experiência do erro para recuperar o tempo perdido, quando tudo estiver contra você, quando todos se afastarem, ainda assim, Deus estará contigo e enviará centenas de anjos para segurar na sua mão, não para fazer o seu serviço, mas para te mostrar como ele pode ser feito com mais
facilidade, qual o caminho mais seguro, qual a direção a seguir.
Vai, trabalha, confia e segue adiante, teu futuro é a luz!
Paulo Roberto Gaefke

A Crueldade Será Castigada

O justo atenta para a vida dos seus animais, mas o coração dos perversos é cruel. Prov. 12:10.

Quando eu tinha 9 anos de idade, nossa família morava na Ilha da Madeira. As ruas de Funchal, a capital, eram pavimentadas com paralelepípedos (ainda o são), e grande parte do transporte nas ilhas era feito em trenós arrastados sobre aquelas pedras. Os trenós tinham longos patins de aço e eram puxados por cavalos ou mulas. Os condutores desses trenós reduziam a fricção sobre os patins, engraxando-os periodicamente com sebo bovino envolto em sacos de aniagem.

Um dia, enquanto eu caminhava pelas ruas da cidade, vi uma multidão que observava um homem com uma parelha de cavalos e um daqueles trenós, tentando mover um grande barracão colocado na calçada de cimento. Também parei para olhar. O condutor havia amarrado longas e grossas cordas dos cabrestos para o trenó, e batia sem piedade nos cavalos. Meu coração se condoeu das pobres criaturas. Por mais força que fizessem, não conseguiam mexer a carga.

Enquanto o condutor pensava no que faria a seguir, as cordas se afrouxaram momentaneamente. O condutor virou-se e começou a juntar as cordas, aparentemente para açoitar um dos cavalos, o qual ele julgava estar-se negando a trabalhar. Seu movimento assustou os cavalos. Eles deram uma guinada, esticando as cordas. Com a rapidez de um relâmpago, o homem foi jogado para o ar. A imagem daquele homem descendo com a cabeça para baixo está indelevelmente gravada em minha memória. Caiu de cabeça e se machucou muito. Eu estremeci, mas em minha mente infantil fiquei feliz porque o homem havia provado um pouquinho de seu próprio "remédio".

Um cristão nunca deve regozijar-se com o infortúnio alheio, mesmo que este seja o resultado dos erros da própria pessoa (ver Prov. 24:17). Afinal de contas, a vingança pertence a Deus. Mas por outro lado, maltratar os animais está errado e Deus vai pedir contas a quem comete essa maldade. Se um pardal não cai ao chão sem que nosso Pai celestial o observe (S. Mat. 10:29), com certeza Ele está acompanhando a maneira como tratamos as Suas outras criaturas.
Se isso é verdade, não deveríamos tratar bondosamente os nossos semelhantes, que valem mais "do que muitos pardais"? (Ver S. Luc. 12:7.) AUTOR DESCONHECIDO

A BORBOLETA E O CAVALINHO





Esta é a história de duas criaturas de Deus
que viviam numa floresta distante
há muitos anos atrás.
Eram elas: um cavalinho e uma borboleta.
Na verdade, não tinham praticamente nada em
comum, mas em certo momento de suas vidas
se aproximaram e criaram um elo.
A borboleta era livre, voava por todos os cantos
da floresta enfeitando a paisagem.
Já o cavalinho tinha grandes limitações, não era bicho solto
que pudesse viver entregue à natureza.
Nele, certa vez, foi colocado um cabresto por alguém que visitou a floresta
e a partir daí sua liberdade foi cerceada.
A borboleta, no entanto, embora tivesse
a amizade de muitos outros animais
e a liberdade de voar
por toda a floresta,
gostava de fazer companhia ao cavalinho.
Agradava-lhe ficar ao seu lado
e não era por pena,
era por companherismo, afeição, dedicação
e carinho.
Assim, por todos os dias, ia visitá-lo
e lá chegando levava sempre um coice,
depois então um sorriso.
Entre um e outro ela optava por esquecer
o coice e guardar dentro do seu coração
o sorriso.
Sempre o cavalinho insistia com a borboleta
que lhe ajudasse a carregar o seu cabresto
por causa do seu enorme peso.
Ela, muito carinhosamente,
tentava de todas as formas ajudá-lo,
mas isso nem sempre era possível por ser ela
uma criaturinha tão frágil!
Os anos se passaram e
numa manhã de verão a borboleta
não apareceu para visitar
o seu companheiro.
Ele nem percebeu, preocupado que ainda
estava em se livrar do cabresto.
E vieram outras manhãs e mais outras e
milhares de outras, até que chegou o inverno
e o cavalinho sentiu-se só
e finalmente percebeu a ausência da borboleta.
Resolveu então sair de seu canto
e procurar por ela.
Caminhou por toda a floresta a observar
cada cantinho onde ela poderia ter
se escondido e não a encontrou.
Cansado, se deitou embaixo de uma árvore.
Logo em seguida um elefante se aproximou
e lhe perguntou quem era ele
e o que fazia por ali.
─ Eu sou o cavalinho do cabresto
e estou a procura de uma borboleta que sumiu.
─ Ah, é você então o famoso cavalinho?
─ Famoso, eu?
─ É que eu tive uma grande amiga
que me disse que também era sua amiga
e falava muito bem de você.
Mas afinal, qual borboleta
que você esta procurando?
─ É uma borboleta colorida, alegre,
que sobrevoa a floresta todos os dias
visitando todos os animais amigos.
─ Nossa...
Mas era justamente dela
que eu estava falando.
Não ficou sabendo?
Ela morreu e já faz muito tempo...
─ Morreu? Como foi isso?
─ Dizem que ela conhecia, aqui na floresta,
um cavalinho assim como você
e todos os dias quando ela ia visitá-lo,
ele dava-lhe um coice.
Ela sempre voltava com marcas horríveis
e todos perguntavam a ela
quem havia feito aquilo,
mas ela jamais contou a ninguém.
Insistíamos muito para saber
quem era o autor
daquela malvadeza e ela respondia
que só ia falar das visitas boas que tinha feito
naquela manha e era aí que ela falava
com a maior alegria de você.
Nesse momento
o cavalinho já estava derramando
muitas lágrimas de tristeza
e de arrependimento.
─ Não chore, meu amigo, sei quanto você
deve estar sofrendo.
Ela sempre me disse
que você era um grande amigo,
mas entenda...
Foram tantos os coices que ela recebeu
desse outro cavalinho,
que ela acabou perdendo
as asinhas, depois ficou muito doente,
triste e sucumbiu e morreu.
─ E ela não mandou me chamar
nos seus últimos dias?
─ Não, todos os animais da floresta quiseram
lhe avisar, mas ela disse o seguinte:
“Não perturbem meu amigo com coisas
pequenas...
Ele tem um grande problema que eu
nunca pude ajudá-lo a resolver.
Carrega no seu dorso um cabresto,
então será cansativo demais pra ele
vir atá aqui.”
Vejam só...
Você pode até aceitar os coices que lhe deram
quando eles vierem acompanhados
de beijos...
Mas, em algum momento da sua vida,
as feridas que eles vão lhe causar,
não serão mais possíveis de serem cicatrizadas.
Quanto ao cabresto que você tiver de carregar
durante a sua existência,
não culpe ninguém por isso...
Afinal, muitas vezes, foi você mesmo
quem o colocou em seu dorso
ou permitiu que fosse colocado...
Espero que você possa aceitar as coisas
como elas são...
sem pensar que tudo conspira contra você...
Porque parte de nós é entendimento...
a outra parte é aprendizado!!!
Que você possa ter forças para vencer
todos os seus medos...
Que no final possa alcançar
todos os seus objetivos...
Que tudo aquilo que você vê e escuta
possa lhe trazer conhecimento...
Que essa escola possa ser longa e feliz...
Pois parte de nós é o que vivemos...
A outra parte é o que esperamos!!!
Que durante a sua vida
você possa construir sentimentos verdadeiros...
Que você possa aceitar
que só quem soube da sombra...
Pode saber da luz!!!
Para ser feliz não existe poção mágica.
É preciso somente
que tenha a alma limpa
e desprovida de mágoas e rancores...
Quanto mais tempo ficarmos remoendo as dores,
mais tempo levaremos para cicatrizar as feridas...
Estamos aqui de passagem...
Nada trouxemos e nada levaremos!!!
Mas... podemos deixar nossa marca!!!

(Desconheço a autoria)

domingo, 29 de março de 2009

A sabedoria do mendigo

Serapião era um velho mendigo que perambulava pelas ruas da cidade. Ao seu lado, o fiel escudeiro, um vira lata marrom com manchas brancas, que atendia pelo nome de Malhado. Serapião não pedia dinheiro. Aceitava sempre um pão, uma banana, um pedaço de bolo ou um almoço feito com sobras de comida dos mais abastados.

Quando suas roupas estavam imprestáveis, logo era socorrido por alguma alma caridosa. Mudava a apresentação e era alvo de brincadeiras.

Serapião era conhecido como um homem bom, que perdera a razão, a família, os amigos e até a identidade. Não bebia bebida alcoólica, estava sempre tranqüilo, mesmo quando não havia recebido nem um pouco de comida.
Dizia sempre que Deus lhe daria um pouco na hora certa e, sempre na hora que Deus determinava, alguém lhe estendia uma porção de alimentos.

Serapião agradecia e rogava a Deus pela pessoa que o ajudava. Tudo que ganhava, dava primeiro para o Malhado, que paciente comia e ficava a esperar por mais um pouco. Não tinha onde dormir; onde anoiteciam, lá dormiam. Quando chovia, procuravam abrigo embaixo da ponte do ribeirão Bonito e, ali o mendigo ficava a meditar, com um olhar perdido no horizonte. Aquela figura me deixava sempre pensativo, pois eu não entendia aquela vida vegetativa, sem progresso, sem esperança e sem um futuro promissor que Serapião levava.
Certo dia, com a desculpa de lhe oferecer umas bananas fui bater um papo com o velho Serapião. Iniciei a conversa falando do Malhado, perguntei pela idade dele, o que Serapião não sabia. Dizia não ter idéia, pois se encontraram certo dia quando ambos andavam à toa pelas ruas.
Nossa amizade começou com um pedaço de pão -disse o mendigo. Ele parecia estar faminto e eu lhe ofereci um pouco do meu almoço e ele agradeceu abanando o rabo, e daí não me largou mais. Ele me ajuda muito e eu retribuo essa ajuda sempre que posso. Como vocês se ajudam? Perguntei.

Ele me vigia quando estou dormindo; ninguém pode chegar perto que ele late e ataca. Também quando ele dorme, eu fico vigiando para que outro cachorro não o incomode. Continuando a conversa, perguntei:
Serapião, você tem algum desejo de vida?
Sim, respondeu ele - tenho vontade de comer um cachorro quente, daqueles que a Zezé vende ali na esquina. Só isso? Indaguei. É, no momento é só isso que eu desejo. Pois bem, vou satisfazer agora esse grande desejo. Saí e comprei um cachorro quente para o mendigo. Voltei e lhe entreguei. Ele arregalou os olhos, deu um sorriso, agradeceu a dádiva e em seguida tirou a salsicha, deu para o Malhado, e comeu o pão com os temperos. Não entendi aquele gesto do mendigo, pois imaginava ser a salsicha o melhor pedaço.

Por que você deu para o Malhado logo a salsicha? - Perguntei intrigado. Ele, com a boca cheia, respondeu: Para o melhor amigo, o melhor pedaço. E continuou comendo, alegre e satisfeito.
Despedi-me do Serapião, passei a mão na cabeça do Malhado e saí pensando com meus botões:
Aprendi alguma coisa hoje. Como é bom ter amigos. Pessoas em quem possamos confiar. E saber reconhecer neles o seu real valor, agindo em consonância. Por outro lado, é bom ser amigo de alguém e ter a satisfação de ser reconhecido como tal.

Jamais esquecerei a sabedoria daquele eremita:
"PARA O MELHOR AMIGO, O MELHOR PEDAÇO"
AUTOR DESCONHECIDO

A raiva nos deixa surdo e cego

Era uma vez, uma criança que estudava em um colégio particular, suas notas não eram das melhores, por isso, sua mãe era enérgica nos estudo da filha, e sempre estava atenta para que a situação não fugisse ao controle.

A menina era fisurada em andar a cavalo, indo constantemente ao sitio da família para dar umas voltas. Sua mãe percebendo tal situação fez um acordo com a filha, na qual, se ela melhorasse seu comportamento e suas notas na escola, levaria-a, em um haras para aprender a galopar melhor.

menina ficou radiante e topou a parada, começou a melhorar o seu comportamento, tanto dentro como fora da escola. Sua mãe ao perceber da melhora da filha ficou contente e ao mesmo tempo desconfiada.

Ao buscar o boletim de sua filha na escola, teve uma desagradável noticia, foi avisada que sua filha estava muito mal nas matérias e suas notas eram todas abaixo de 5 (cinco), deixando-a transtornada, pegando um envelope com o referido documento, sem analisar o conteúdo lhe entregue.

Chegou em casa totalmente fora de si, já foi direto para o quarto da filha, com um tom de voz elevadíssimo, começou a questioná-la sobre a nota na escola, dizendo: “como que você pode fazer isso com seus pais, estamos fazendo um sacrifício danado para que tenha um bom estudo e é assim que nos paga?”, a menina tentava dizer que não estava entendendo nada, e que havia algo errado, mas, a mãe não a escutava, dando-lhe, uma surra daquelas, deixando-a toda marcada.

Passado alguns dias, a menina continuava de castigo, quando seu pai sem pretensão alguma, pegou o envelope que estava na penteadeira do quarto, ao abrir verificou-se tratar de um boletim, e que o mesmo não pertencia a sua filha e sim de uma outra pessoa, imediatamente chamou sua esposa para que olhasse, ao perceber que havia cometido um tremendo engano, desesperou-se e ligou para a escola solicitando informação a respeito das notas da filha, e a noticia recebida foi que as notas eram as melhores possíveis, imediatamente foi até o quarto de sua filha, pediu-lhe perdão pelo que tinha feito com ela.

Nós seres humanos às vezes esquecemos que estamos aqui apenas de passagem e não aproveitamos os momentos que é nos dado, jamais conseguiremos efetuar alguma mudança em qualquer ser humano se agirmos como essa mãe, pois, a energia que vem da raiva bloqueia nossa capacidade de discernimento, cegando nossa inteligência, não tendo assim nenhuma sabedoria.
Mazenildo Feliciano Pereira

A ponte da indiferença

As pessoas hesitam atravessar a ponte da indiferença porque temem o encontro com a própria dor ou condição.
Nos imaginamos sempre jovens, bonitos, saudáveis e completos. Não imaginamos as perdas, a solidão, a velhice, a invisibilidade diante de uma sociedade que prefere fazer-se cega.
O “isso só acontece com os outros” toca mais nosso coração que o “e se fosse comigo? E se fosse eu a ter perdido uma perna, o emprego, o amor ou minha dignidade?”
Se os corações conseguissem criar asas de vez em quando e colocar-se no lugar do outro, eles seriam mais abertos, menos cerrados e mais receptivos. Eles teriam olhos, ouvidos atentos, braços imensamente longos.
Evitamos os caminhos pedregosos, evitamos as situações impossíveis e as lágrimas alheias. Pensamos que não somos responsáveis pelos males da sociedade e por isso mesmo não devemos nos envolver. Nunca nos vemos desse lado da ponte onde carências existem e nem nos passa pela cabeça que o fio que separa um lado do outro seja tão ínfimo, tão frágil, tão delicado.
Colocar-se no lugar do outro dói menos que estar no lugar dele. Mas nem essa linha queremos atravessar!…
Se o fizéssemos haveria menos solidão, mais compreensão, menos suicídios, mais esperança, menos marginalização e uma possibilidade muito maior de um dia, se por acaso estivermos, pelos contrários da vida, do outro lado, uma mão estendida na nossa direção.
AUTOR DESCONHECIDO

A Parábola da Rosa


Um certo homem plantou uma rosa e passou a regá-la constantemente e, antes que ela desabrochasse, ele a examinou. Ele viu o botão que em breve desabrocharia, mas notou espinhos sobre o talo e pensou: "Como pode uma bela flor vir de uma planta rodeada de espinhos tão afiados?"

Entristecido por este pensamento, ele se recusou a regar a rosa, e, antes que estivesse pronta para desabrochar, ela morreu.

Assim é com muitas pessoas. Dentro de cada alma há uma rosa: as qualidades dadas por Deus e plantadas em nós crescendo em meio aos espinhos de nossas faltas. Muitos de nós olhamos para nós mesmos e vemos apenas os espinhos, os defeitos.

Nós nos desesperamos, achando que nada de bom pode vir de nosso interior. Nós nos recusamos a regar o bem dentro de nós, e, consequentemente, isso morre.

Nós nunca percebemos o nosso potencial. Algumas pessoas não vêem a rosa dentro delas mesmas; Alguém mais deve mostrá-la a elas.

Um dos maiores dons que uma pessoa pode possuir ou compartilhar é ser capaz de passar pelos espinhos e encontrar a rosa dentro de outras pessoas. Esta é a característica do amor -- olhar uma pessoa e conhecer suas verdadeiras faltas.

Aceitar aquela pessoa em sua vida, enquanto reconhece a beleza em sua alma e ajuda-a a perceber que ela pode superar suas aparentes imperfeições.

Se nós mostrarmos a essas pessoas a rosa, Elas superarão seus próprios espinhos. Só assim elas poderão desabrochar muitas e muitas vezes.

AUTOR DESCONHECIDO

Abra-se ao Espírito Santo de Deus

Suponhamos que haja alguém doente, e essa doença esteja atrapalhando sua caminhada.

O Senhor, que ama essa pessoa e quer tirá-la dessa situação dolorosa, usa de alguém repleto do Espírito Santo: quem cura não é a pessoa em quem o Espírito se manifesta, mas o próprio Espírito, por meio dela [pessoa].

Alguém desorientado precisa da condução de Deus.

O Senhor ama essa pessoa, quer vir em seu auxílio, então se manifesta em alguém repleto do Divino Amigo, para comunicar a palavra de sabedoria, de discernimento, para resolver a situação de ansiedade.

A eletricidade, por exemplo, se manifesta de diversas maneiras, gerando luz, som, calor, gelo... Mas ela não anda sozinha por aí; são necessários fios condutores.

Se desligarmos a tomada, acabará a energia elétrica.

Acontece o mesmo com o Espírito Santo, que se utiliza de uma rede de pessoas repletas d'Ele, as quais manifestam os dons: ora é uma palavra de sabedoria, ora de profecia; ora é uma cura; ora é um milagre; ora é discernimento; ora é ciência.... de acordo com a vontade do Senhor e a necessidade do povo d'Ele.

Por isso é importante participarmos de um grupo de oração para rezarmos uns pelos outros.

Ele [grupo de oração] é como uma piscina cheia de água, cheia do Espírito Santo, onde nos joagamos de cabeça, para ser mergulhados no amor e nos dons d'Ele.

,Monsenhor Jonas Abib

sábado, 28 de março de 2009

Você é Importante para Mim

Você corre, trabalha, canta, chora, ama. Você sorri, mas nunca me chama.
Você se entristece mas depois se acalma, mas nuca me agradece.
Você caminha, sobe, desce escadas, e nunca se preocupa comigo.
Você tem tudo e não me dá nada.
Você sente amor, ódio, sente tudo, menos minha presença.
Você tem os sentidos perfeitos, mas nunca os usa por mim.
Você estuda e não me entende, ganha e não me ajuda, canta e não me alegra.
Você é tão inteligente e não sabe nada de mim.
Você reclama dos meus tratos, mas não valoriza o que eu faço por você.
Se você está triste, me culpa por isto, mas se está alegre, não me deixa participar de sua felicidade.
Você faz o que os outros ordenam, mas não faz o que eu lhe peço com humildade.
Se você não subiu na vida, descarrega sobre mim toda sua ira, mas se você é importante pisa nos menos favorecidos.
Você quebra tantos galhos, mas não tira um espinho de minha testa.
Você entende todas as transações do mundo, mas não entende minha mensagem.
Você reclama tanto da vida, mas não sabe que a minha é triste por sua causa.
Você baixa os olhos quando um superior lhe fala, mas não levanta esses mesmos quando lhe falo de meu amor.
Você fala às pessoas e não sabe que conheço toda sua vida.
Você enfrenta muitos obstáculos na vida, é forte, mas que pena, embora não admita, sei que você tem medo de mim.
Você defende seu time, seu ator, mas não me defende no meio de seus amigos.
Você corre com seu carro, mas nunca corre para meus braços.
Você não sente vergonha ao se despir perante alguém, mas sente vergonha ao tirar sua máscara diante de mim.
Você costuma “ às vezes ’’ falar do que fiz, mas nunca me deu oportunidade de falar o que você fez.
Você é um corpo no mundo, e eu sou um mundo em seu corpo.
Eu sou alguém que todos os dias bate à sua porta e pergunta: Tem lugar pra mim na sua casa, na sua vida, no seu coração?
Eu estou presente nessas linhas que você, por curiosidade começou a ler.
Eu sou JESUS CRISTO.
Quero simplesmente que você me aceite como amigo, e me confesse como Salvador e Senhor. AUTOR DESCONHECIDO

Deixa Deus Te Ajudar

Naum

Deixa deus te ajudar
Ele tem ouvido a sua oração
Dê uma chance pra jesus
Ele não está na cruz
Está vivo e quer te abençoar
Conta pra ele onde está a tua dor
Pra tudo ele tem a solução
Agora é só uma questão de tempo
Ele está nesse momento
Intercedendo por voce
Deixa deus te ajudar
Entrega pra ele o teu coração
Ore, acredite, tenhas fé
Ele não muda ele é
A solução pra tua vida

O coração humano


O coração humano, não tem a capacidade de dar o amor que você precisa para ser feliz. A limitação, do coração humano, é grande, ele não pode fazer nada por si mesmo, ele dependerá sempre de outro coração, que o ajude, e, que igualmente o ame, para que ele possa também ser feliz.

Nessas condições, o coração humano está sempre sujeito às limitações do outro. Às vezes muito mais frágil e muito mais carente que o nosso próprio coração, aumentando assim cada vez mais o círculo vicioso da infelicidade.

Um carente procura outro carente, um frágil se apóia em outro frágil, na esperança de que cada um dê ao outro a felicidade que ambos não têm.

O resultado disso é a queda. Pois estamos nos apoiando em algo sem sustentação em si mesmo.

Da mesma forma, quando alguém quer fazer de nós, a sua fonte de felicidade, colocando em nossas mãos a sua enorme necessidade de ser feliz. E nós, eu e você, que também estamos precisando desesperadamente de felicidade, nos sentimos confusos e impotentes.

E é nesse momento de angústia e solidão, que devemos nos lembrar daquela frase: “JESUS LHE AMA!” sim, “JESUS LHE AMA!”, e com um amor que nasce não no coração humano, mas no coração de Deus. Ninguém pode lhe amar como Jesus lhe ama. Simplesmente, porque Jesus não tem amor, Ele é o A M O R. O verdadeiro Amor, que não pode ser encontrado no coração humano, pois vem do alto, é espiritual, sobrenatural, sagrado. Jesus não esperou ser amado por você, Ele já lhe ama, agora, amanhã e sempre.

O seu amor divino, não estabelece condições ou imposições para lhe amá-lo. Ele lhe ama como você é. Para Ele, você não é feio ou bonito, grande ou pequeno, branco ou negro, rico ou pobre, jovem ou velho. Pois Jesus não olha a sua aparência, mas Ele vê o seu coração. E é ali, no seu coração, que Ele quer habitar. Para lavar as suas feridas, tirar toda a amargura, secar as suas lágrimas, e limpar as cicatrizes da sua alma. Porque você é importante demais para Ele.

O coração humano, não tem culpa por ser rejeitado, se alguém não deu a você a felicidade que esperava, é porque ninguém pode dar aquilo que não tem, mas quando você aceitar em receber, esse coração, esse amor que perdoa esse amor que não cobra, esse amor que dá paz, a alegria, daí o seu coração humano, será transformado em um coração espiritual, pois nele habitará o amor de "Jesus Cristo”. Então, você vai começar a olhar, a perdoar e amá-lo como Jesus. E, finalmente, você vai encontrar aquilo que tanto procura: A “felicidade”. Pois só o Amor de Jesus Cristo, tem a capacidade de dar tudo o que você precisa, para ser feliz.

Olha, ninguém pode lhe amar, como Jesus lhe ama.

Autor: (Desconhecido)

O Circulo da tolerância

Um famoso senhor com poder de decisão, gritou com um diretor da sua empresa, porque estava com ódio naquele momento.

O diretor, chegando em casa, gritou com sua esposa, acusando-a de que estava gastando demais, porque havia um bom e farto almoço à mesa.

Sua esposa gritou com a empregada que quebrou um prato.

A empregada chutou o cachorrinho no qual tropeçara.

O cachorrinho saiu correndo, e mordeu uma senhora que ia passando pela rua, porque estava atrapalhando sua saída pelo portão.

Essa senhora foi à farmácia para tomar vacina e fazer um curativo, e gritou com o farmacêutico, porque a vacina doeu ao ser-lhe aplicada.

O farmacêutico, chegando à casa, gritou com sua mãe, porque o jantar não estava do seu agrado.

Sua mãe, tolerante, um manancial de amor e perdão, afagou-lhe seus cabelos e beijou-o na testa, dizendo-lhe:

"Filho querido, prometo-lhe que amanhã farei os seus doces favoritos.

Você trabalha muito, está cansado e precisa de uma boa noite de sono.

Vou trocar os lençóis da sua cama por outros bem limpinhos e cheirosos para que você descanse bem. Amanhã você sentir-se-à melhor."

E abençoou-o, retirando-se e deixando-o sozinho com os seus pensamentos...

Naquele momento, rompeu o círculo do ódio, porque esbarrou com a tolerância a doçura, o perdão e o amor.

Façamos o mesmo. AUTOR DESCONHECIDO

Círculo do Amor

Ele quase não viu a senhora, com o carro parado
no acostamento.
Mas percebeu que ela precisava de ajuda. Assim parou seu carro e se aproximou.
O carro dela cheirava a tinta, de tão novinho. Mesmo com o sorriso que ele estampava na face, ela ficou preocupada.
Ninguém tinha parado para ajudar durante a última hora. Ele iria aprontar alguma?
Ele não parecia seguro, parecia pobre e faminto.
Ele pôde ver que ela estava com muito medo e disse:
- "Eu estou aqui para ajudar, madame. Por que não espera no carro onde está quentinho?
A propósito, meu nome é Marcelo".
Bem, tudo que ela tinha era um pneu furado, mas para uma senhora era ruim o bastante.
Marcelo abaixou-se, colocou o macaco e levantou o carro.
Logo ele já estava trocando o pneu. Mas ele ficou um tanto sujo e ainda feriu uma das mãos. Enquanto ele apertava as porcas da roda, ela abriu a janela e começou a conversar com ele.
Contou que era de São Paulo e só estava de passagem por ali e que não sabia como agradecer
pela preciosa ajuda.
Marcelo apenas sorriu enquanto se levantava.
Ela perguntou quanto devia. Qualquer quantia teria sido muito pouco para ela. Já tinha imaginado todas as terríveis coisas que poderiam ter acontecido se Marcelo não tivesse parado.
Marcelo não pensava em dinheiro. Aquilo não era
um trabalho para ele.
Gostava de ajudar quando alguém tinha necessidade e Deus já lhe ajudara bastante. Este era seu modo de viver e nunca lhe ocorreu agir de outro modo.
Ele respondeu:
-"Se realmente quiser me reembolsar, da próxima vez que encontrar alguém que precise de ajuda, dê para aquela pessoa a ajuda que precisar".
E acrescentou: "... e pense em mim".
Ele esperou até que ela saísse com o carro e
também se foi.
Tinha sido um dia frio e deprimido, mas ele se sentia bem, indo pra casa, desaparecendo no crepúsculo.
Algumas milhas abaixo a senhora encontrou um pequeno restaurante. Ela entrou para comer alguma coisa. Era um restaurante sujo. Acena inteira era estranha para ela.
A garçonete veio até ela e trouxe-lhe uma toalha limpa para que pudesse esfregar e secar o cabelo molhado e lhe dirigiu um doce sorriso, um sorriso que mesmo os pés doendo por um dia inteiro de trabalho não pôde apagar.
A senhora notou que a garçonete estava com quase oito meses de gravidez, mas ela não deixou a tensão e as dores mudarem sua atitude. A senhora ficou curiosa em saber como alguém que tinha tão pouco, podia
tratar tão bem a um estranho.
Então se lembrou de Marcelo. Depois que terminou a refeição, enquanto a garçonete buscava troco para a nota de cem dólares, a senhora se retirou. Já tinha partido quando a garçonete voltou.
A garçonete ainda queria saber onde a senhora poderia ter ido quando notou algo escrito no guardanapo, sob o qual tinha mais 4 notas de $100 dólares.
Havia lágrimas em seus olhos quando leu o
que a senhora escreveu.
Dizia "Você não me deve nada, eu já tenho o bastante. Alguém me ajudou uma vez e da mesma forma estou lhe ajudando. Se você realmente quiser me reembolsar não deixe este círculo de amor terminar com você".
Bem, havia mesas para limpar, açucareiros para encher,
e pessoas para servir.
Aquela noite, quando foi para casa e deitou-se na cama ficou pensando no dinheiro e no que a
senhora deixou escrito.
Como pôde aquela senhora saber o quanto ela e o marido precisavam disto?
Com o bebê para o próximo mês, como estava difícil! Ela deitou na cama ao lado do seu preocupado marido que dormia e disse-lhe:
"Tudo ficará bem; eu te amo, Marcelo"...

Moral da história:
Quando você tiver um grande problema, não vá até DEUS dizer que você tem um grande problema...
Vá até o problema e diga a ele que você tem um grande DEUS... AUTOR DESCONHECIDO

Colhedor de Estrelas


Certa vez alguém, me contou uma história e afirmou, que entre as inúmeras estrelas do céu uma delas teria um brilho singular e muito mais intenso.

Mas esta luz, só por uma pessoa seria possível ser vista, pois ela estaria ali, a espera de um olhar, para quem ela foi destinada.

Falou também que ao encontrar esta estrela, dentro de mim, tudo se modificaria pois ela estaria brilhando, especificamente para guiar o meu caminho, e me levar ao encontro do Grande Amor da Minha Vida.

Ouvindo isso, me senti pequeno para o Céu alcançar, e não me achava merecedor e capaz, de um dia, alguém conquistar.

Novamente este alguém, dando continuidade a história, voltou-se para mim, e completou:

Todos nós temos uma luz própria e ocupamos um lugar especial neste majestoso universo.

Disse também que para cada um de nós sempre existirá a hora em que este brilho será vislumbrado, de uma forma tão inesperada que eu até custaria a acreditar, que ela ali estaria, com todo seu esplendor, brilhando intensamente, só para mim.

Atenta e com o coração feliz, repleto de esperanças, este alguém ainda completou: Apesar de não levarmos muito em conta, existe Alguém, lá em cima, que conhece muito bem o coração de cada um de nós.

Podemos até chamá-lo de "Colhedor de Estrelas," e por nós tem uma missão muito especial. Como conhecedor profundo de nossas almas, colher as estrelas, cujo brilho mais se assemelhar me escolher o momento exato em que dois olhares em busca de um grande amor irão ao mesmo tempo avistar, esta estrela tão especial.

Depois de toda esta história ouvir Esperei ansioso pelo anoitecer. E o céu, me vi a contemplar, pois acreditei que naquele dia Minha Estrela iria avistar.

Fui então em busca do meu amor encontrar e no brilho de cada estrela Eu procurava o seu olhar.

Chegou o amanhecer, e a estrela com tal brilho em nenhum momento apareceu.

Por diversas noites, fiquei a janela esperando. Firmando o pensamento, para que fosse aquele o momento em que a estrela que a mim mais se assemelhasse, estivesse a minha espera. Mas foi em vão, não conseguia avista-la, e passei a crer que toda aquela história, não passava de meras palavras apenas para alimentar esperanças em quem já as tivesse perdido.

Mas numa destas madrugadas, onde o sono não conseguia me dominar, um raio de luz atravessou a janela e invadiu meu quarto, então, rapidamente corri para observar aquela maravilha que parecia ter vida própria e me fazia sentir abastecido de uma paz infinita.

Ao olhar para o céu, vi uma linda e majestosa Estrela e junto a ela, mãos, como se estivessem ofertando-a para mim. Mas seu brilho não era diferente das demais estrelas que a sua volta estavam. Lembrando-me então da história que haviam me contado, logo imaginei que não seria aquela estrela que me levaria ao encontro do Meu Grande Amor, pois ela não se diferenciava das demais.

Mas, instantes após, ouvi baixinho uma voz a me dizer. Eu sou o Colhedor de Estrelas, e estou aqui numa missão importante. Vendo o seu coração aflito, em busca de sonhos e de um grande amor vim entregar em suas mãos a estrela tão especial que procuras, mas por tão grande amor contido dentro do seu coração ainda não encontrei outra que tenha
o brilho que se assemelhe ao seu.

Por isso vou deixa-la ao seu lado, e não mais no firmamento. Assim você terá a certeza que esta espera não será em vão. E no momento exato, ela irá brilhar só para você, porque você conquistará o seu amor e tudo aquilo que tanto sonhou. Passo ela agora às suas mãos, pois sei que muito em breve ela terá o brilho mais intenso do universo, pois será iluminada pelo sentimento mais lindo e puro que cultivas e trazes dentro do seu coração, O AMOR!!!
Autor Desconhecido

Como árvores...


Qual o tamanho de um sofrimento ?

Quanto tempo devemos chorar por um ente querido
que morreu ou pelo amor que se perdeu ?

Quanto tempo devemos guardar trancado um coração
que sofreu uma traição ?

Quantos dias devemos ficar trancados em um quarto
quando alguém nos decepcionar ?

Qual o tamanho da saudade que devemos armazenar
por alguém que não vai voltar ?

Qual o tamanho do ódio que devemos criar para aqueles
que nos humilharam ou feriram ?

É muito difícil determinar o tamanho, o tempo ou o peso de
qualquer uma das perguntas acima, o certo, é que tudo tem
um tempo certo, tudo tem um limite, e cada um de nós é
suficientemente "adulto" para perceber quando estamos
passando dos limites.

Assim, as pessoas que se trancam na dor e fazem dessa dor
"o motivo" para não viverem, para não lutarem e
simplesmente desistirem da vida, estão indo contra um
princípio natural e divino que aponta sempre para
a continuidade da vida.

Se você cortar uma árvore centenária e deixar apenas
um pequeno toco, verá depois de alguns meses a vida
renascer com pequenos galhos já crescendo e
desafiando a vida para ressurgir.

Em alguns anos será novamente uma árvore forte e
cheia de vida, pronta para oferecer o que tem
de melhor para o mundo.

Por isso o sofrimento tem que ter uma medida,
a nossa dor tem que ter limite, o nosso isolamento do
mundo tem que ter um breque, porque somos como árvores
frondosas que estão sujeitas á vários cortes durante
nossa vida, alguns cortes derrubarão poucas folhas,
outras podem até destruir todos os galhos que demoramos
anos para juntar, mas sempre nos restarão algumas
sementes que se regarmos com paciência e amor,
em breve nos transformará de novo em belas árvores.

Se você, no dia de hoje, é apenas um toco,
lembre-se que dentro de você tem uma semente divina
que deve ser cultivada sempre, que precisa muito mais
da sua atenção que de mãos estranhas, por isso ame-se,
respeite-se, respeite a vida e o curso que ela tem,
transforme-se definitivamente numa árvore que dá frutos,
que dá sombra e lembra sempre a todos que enquanto
existir vida, existem possibilidades de transformar,
de renascer e de ser feliz
AUTOR DESCONHECIDO

sexta-feira, 27 de março de 2009

A Lição do Velho


Havia numa aldeia um velho muito pobre, mas até reis o invejavam, pois ele tinha um belíssimo cavalo branco. Reis ofereciam quantias fabulosas pelo garanhão, mas o homem dizia:

-Este animal não é um cavalo para mim; é uma pessoa. E como se pode vender uma pessoa, um amigo?

O homem era pobre, mas jamais vendeu o cavalo. Numa manhã, descobriu que o cavalo não estava na cocheira. A aldeia inteira se reuniu, e disseram:

- Seu velho estúpido! Sabíamos que um dia o cavalo seria roubado. Teria sido melhor vendê-lo. Que desgraça!

O velho disse:

- Não cheguem a tanto. Simplesmente digam que o cavalo não está na cocheira. Este é o fato, o resto é julgamento. Se trata-se de uma desgraça ou de uma benção, não sei, porque este é apenas um julgamento. Quem pode saber o que vai se seguir?

As pessoas riram do velho. Elas sempre pensaram que ele era um pouco louco. Mas, quinze dias depois, de repente, numa noite, o garanhão voltou. Não havia sido roubado, ele havia fugido para a floresta. E não
apenas isso: ele trouxera uma dúzia de cavalos selvagens consigo.

Novamente, as pessoas se reuniram e disseram:

- Velho, você estava certo! Não se trata de uma desgraça, na verdade provou ser uma benção.

O velho disse:

- Vocês estão se adiantando mais uma vez. Apenas digam que o cavalo está de volta. Quem sabe se é uma benção ou não? Este é apenas um fragmento. Você lê uma única palavra de uma sentença – como
pode julgar todo o livro?

Desta vez, as pessoas não podiam dizer muito, mas interiormente achavam que o velho estava errado. Doze lindos cavalos tinham vindo. O velho tinha um único filho, que começou a treinar os cavalos selvagens. Apenas uma semana mais tarde, o filho caiu de um cavalo e fraturou as pernas. As pessoas se reuniram e, mais uma vez, julgaram.

Elas disseram

:- Você tinha razão novamente. Foi uma desgraça. Seu único filho perdeu o uso das pernas, e ele era o arrimo da sua velhice. Agora você esta mais pobre do que nunca.

O velho disse:

- Vocês estão obcecados por julgamento. Não se adiantem tanto. Digam apenas que meu filho fraturou as pernas. Ninguém sabe se isso é uma desgraça ou uma benção. A vida vem em fragmentos, mais que isso nunca é dado.

Aconteceu que, depois de algumas semanas, o país entrou em guerra, e todos os jovens da aldeia foram forçados a se alistar. Somente o filho do velho foi deixado para trás, pois recuperava-se das fraturas. A cidade inteira estava chorando, lamentando-se porque aquela era uma luta perdida e sabiam que a maior parte dos jovens jamais voltaria.

Então, elas vieram até o velho e disseram:

- Você tinha razão, velho - aquilo se revelou uma benção. Seu filho pode estar aleijado, mas ainda está com você. E nossos filhos foram-se para sempre.

O velho disse:

- Vocês continuam julgando. Ninguém sabe! Digam apenas que seus filhos foram forçados a entrar para o exército e que meu filho não foi. Mas somente Deus sabe se isso é uma benção ou uma desgraça. Não julguem, porque dessa maneira retardarão sua união com a Divindade. Vocês ficarão obcecados com fragmentos, pularão para as conclusões a partir de coisas pequenas.

Quando alguém julga deixa de crescer. O julgamento significa um estado mental estagnado. E a mente deseja julgar, porque estar em um processo é sempre arriscado e desconfortável. Na verdade, a jornada nunca chega ao fim.

Um caminho termina e outro começa. Uma porta se fecha, outra se abre. Quando você atinge um pico, sempre existirá um pico ainda mais alto. Aqueles que não julgam estão satisfeitos simplesmente em viver o momento presente e em nele crescer. Somente estes são capazes de caminhar com Deus..
Autor Desconhecido

ADONAI

Tu podes não me conhecer, porém eu sei tudo sobre ti (Sl. 139.1)
Eu sei quando te deita e quando levanta-se (Sl. 139:2)
Eu conheço todos os teus caminhos (Sl. 139:3)
Até os cabelos de tua cabeça são contados (Mt. 10:29-31)
Tu fostes feito à minha imagem (Gn. 1:27)
Em mim tu vives e move-se, e tens existido (At. 17:28)
Por seres tu minha descendência (At. 17:28)
Eu já te conhecia bem antes da tua concepção (Jr. 1:4-5)
E te escolhi quando planejava a criação (Ef. 1:11-12)
Tu não és um erro, pois todos os teus dias foram escritos em Meu livro (Sl. 139:15-16)
Eu determinei a hora exata de teu nascimento e quanto deverias viver (At. 17:26)
Tu fostes feito de forma admirável e maravilhosa (Sl. 139:14)
E te formei no ventre de tua mãe (Sl. 139:13)
E te tirei do ventre da tua mãe no dia em que nascestes (Sl. 71:6)
Eu tenho sido mal-interpretado por aqueles que não me conhecem (Jo. 8:41-44)
Eu não me encontro distante nem estou furioso, porém sou a completa expressão de amor (I Jo. 4:16)
E é meu desejo gastar meu amor em ti, simplesmente porque és minha criança, e eu teu Pai (I Jo. 3:1)
Eu te ofereço mais que teu pai terrestre jamais poderia oferecer (Mt. 7:11)
Pois sou Eu, o Pai perfeito (Mt. 5:48)
Cada bom presente que recebes vem de minha mão (Tg. 1:17)
Pois sou Aquele que provê e encontra todas as tuas necessidades (Mt. 6:31-33)
Meu plano para teu futuro foi, desde sempre, preenchido com esperança (Jr. 29:11)
Pois Eu te amo com todo eterno amor (Jr. 31:3)
Meus pensamentos para contigo são incontáveis, como a areia da praia (Sl. 139:17-18)
E Eu me regozijo contigo em canções (Sf. 3:17)
E nunca irei parar de lhe fazer o bem (Jr. 32:40)
Pois és propriedade de Meu tesouro (Ex. 19:5)
Eu desejo me estabelecer em ti com todo meu coração e toda minha alma (Jr. 32:41)
E desejo lhe mostrar grandes e maravilhosas coisas (Jr. 33:3)
Se me procurardes com todo o teu coração, encontrar-me-á (Dt. 4:29)
Alegre-te em mim e Eu te darei todos os desejos de teu coração (Sl. 37:4)
Pois Eu é quem te coloco estes desejos (Fp. 2:13)
E sou capaz de fazer mais por ti do que jamais poderia imaginar (Ef. 3:20)
Pois sou Eu teu maior encorajador (II Ts. 2:16-17)
Eu sou o Pai que lhe conforta em todos os problemas (II Co. 1:3-4)
Quando estás quebrantado, Eu estou próximo de ti (Sl. 34:18)
Como um pastor que leva um cordeiro, Eu lhe tenho carregado junto ao coração (Is. 10:11)
Um dia irei secar cada lágrima de teus olhos e afastar de ti toda a dor que teve sofrido nesta terra (Ap. 21:3-4)
Eu sou teu Pai, e te amo tal como meu filho, Jesus (Jo. 17:23)
Pois em Jesus, meu amor a ti foi revelado (Jo. 17:26)
E Ele é a exata representação de Meu ser (Hb. 1:3)
Ele veio para demonstrar que Eu estou por ti, não contra ti (Rm. 8:31)
E para dizer que não estou contando teus pecados (II Co. 5:18-19)
Jesus morreu para que tu e Eu, então, pudéssemos nos reconciliar (I Co 5:18-19)
Sua morte foi o ultimato da minha expressão de amor por ti (I Jo. 4:10)
Eu desisti de tudo que amava para poder ganhar o teu amor (Rm. 8:31-32)
Se recebes o presente de meu filho Jesus, recebes a mim (I Jo. 2:23)
Então, nada irá te separar de meu amor novamente (Rm. 8:38-39)
Venha e irei Eu fazer a maior festa que nos céus já foi vista (Lc. 15:7)
Eu sempre fui teu Pai, e sempre serei teu Pai (Ef. 3:14-15)
Minha pergunta é... Serás tu minha criança? (Jo. 1:12-13)
Eu estou aguardando por ti (Lc. 15:11-32)
Com amor, do seu Deus e Pai, Todo Poderoso.

A diferença


A porta fechara-se com estrépito. Mariazinha batia o pé chorosa. Queria a boneca grande, queria!
A mãe, preocupada, em vão procurava explicar-lhe porque não podia atender-lhe o desejo. Contudo, a menina desatendia a qualquer raciocínio.

Sua mãe, era de condição modesta, não poderia jamais conceder-lhe o pedido. Conseguira comprar-lhe o vestidinho simples, mas alegre, e uma boneca pequena, mas graciosa, entretanto, a menina não ficara feliz com o presente materno.
Vira a menina rica da esquina, cercada de luxo e presentes caros, de bonecas suntuosas. Não compreendia porque ela não podia ter o mesmo. Julgava que a mãe não lhe queria dar.
- Minha filha! Compreenda que temos o bastante! Não precisamos de nada mais para nossa felicidade! Jesus ficará triste se você for
vaidosa e a inveja agasalhar-se em seu coração.

- Jesus não gosta de mim! - dizia ela a chorar - Por que dá tudo às outras e a mim só isso? A senhora não diz que Ele é justo e bondoso?
- É. Jesus nos tem ensinado que Deus é pai bom para todos e colocou cada um de nós no lugar onde precisa estar, para aprender a viver feliz! Não nos deu dinheiro porque somos muito vaidosos e o dinheiro nos faria mal. Entenda filha, é para o nosso bem! Sejamos felizes e agradeçamos ao Senhor o pouco que temos.

A menina calou-se pensativa, mas trazia ainda a revolta estampada na face. Apanhou a boneca modesta, que a olhava com olhos inocentes, com evidente desgosto.
Foi quando a campainha da porta soou. Seria o pai com algum presente? Correu a abrir com a fisionomia subitamente animada.

Estacou surpreendida. Pobre mulher trazendo uma criança ao colo e outra pela mão, estendia a mão suplicante.
A dona da casa correu a buscar algum alimento. Era noite de Natal!
A menina recém-vinda olhava maravilhada para a outra e seus olhinhos brilhantes iam do vestido novo à boneca que ela carregava.
A outra, fitando-lhe o corpinho magro e maltratado, os pés descalços e os olhos tristes, sentiu-se repentinamente rica.
- Posso ver? - indagou a pobre criança aproximando-se.
- Pode. Gosta?
- É a boneca mais linda que já vi!
- Você tem uma igual?

A outra abanou a cabeça.
- Não. Mas quando eu crescer, vou ter uma boneca de verdade. Que fala, que anda, que chora e que ri.
- Como assim?...
- Deus vai me dar uma, mamãe disse. E será mais bonita do que todas as bonecas mortas que tem por aí!

A outra ficou pensando, pensando.
Quando se foram, a menina aproximou-se da mãe em atitude humilde e perguntou:
- Mamãe, Deus também vai me dar uma boneca de verdade quando eu crescer?
- Vai, minha filha, se você merecer.
- E para a filha de Dona Bety também?
- Sim minha filha, se ela for boazinha.

- Então, mamãe, Deus é justo mesmo! Porque se os papais da terra
dão para as filhas as bonecas que podem, Deus dá para todas
bonecas iguais!
E sorriu completamente feliz.
AUTOR DESCONHECIDO

A CERTEZA DA VITÓRIA

O segredo da vitória é confiar
Crer no impossível e pela fé vencer
Avançar o território do inimigo sem temer
Ampliar as suas tendas simplesmente porque você crê
É deixar de lado as críticas e afrontas da oposição
Declarar sou vencedor independente da situação
Você pode ser menor, mas o Maior contigo está
Você pode ser mais fraco, mas o Forte por ti vencerá
O importante é lutar e caminhar de glória em glória
A missão dos escolhidos é a certeza da vitória.
Pois não há quem possa roubar nem tirar sua fé de
Vencer. Declare em voz alta não há quem mude
os planos de Deus para sua vida!!!
AUTOR DESCONHECIDO

quinta-feira, 26 de março de 2009

Vida Pasageira


Se pudéssemos ter consciência do quanto
nossa vida é passageira, talvez pensássemos duas vezes antes de jogar fora as oportunidades que temos de ser e de fazer os outros felizes.
Muitas flores são colhidas cedo demais. Algumas, mesmo ainda em botão.
Há sementes que nunca brotam e há aquelas flores que vivem a vida inteira até que, pétala por pétala, tranqüilas, vividas, se entregam ao vento.

Mas a gente não sabe adivinhar. A gente não sabe por quanto tempo estará enfeitando esse Éden e tampouco aquelas flores que foram plantadas ao nosso redor. E descuidamos. Cuidamos pouco. De nós, dos outros. Entristecemos-nos por coisas pequenas e perdemos minutos e horas preciosos. Perdemos dias, às vezes anos. Calamos-nos quando deveríamos falar; falamos demais quando deveríamos ficar em silêncio. Não damos o abraço que tanto nossa alma pede porque algo em nós impede essa aproximação. Não damos um beijo carinhoso 'porque não estamos acostumados com isso' e não dizemos que gostamos porque achamos que o outro sabe automaticamente o que sentimos. E passa a noite e chega o dia, o sol nasce e adormece e continuamos os mesmos, fechados em nós. Reclamamos do que não temos, ou achamos que não temos suficiente. Cobramos dos outros, da vida, de nós mesmos. Consumimos-nos.
Costumamos comparar nossas vidas com as daqueles que possuem mais que a gente. E se experimentássemos comparar com aqueles que possuem menos? Isso faria uma grande diferença.
E o tempo passa... Passamos pela vida, não vivemos. Sobrevivemos, porque não sabemos fazer outra coisa. Até que, inesperadamente, acordamos e olhamos pra trás. E então nos perguntamos: "E agora?".
Agora, hoje, ainda é tempo de reconstruir alguma coisa, de dar o abraço amigo, de dizer uma palavra carinhosa, de agradecer pelo que temos. Nunca se é velho demais ou jovem demais para amar, dizer uma palavra gentil ou fazer um gesto carinhoso.
Não olhe para trás. O que passou, passou. O que perdemos, perdemos. Olhe para frente!
Ainda é tempo de apreciar as flores que estão inteiras ao nosso redor.
Ainda é tempo de voltar-se para Deus e agradecer pela vida, que mesmo passageira, ainda está em nós. Pense. Não perca mais tempo!
AUTOR DESCONHECIDO

Vida modo de usar


Quando resolver dar alguma coisa, dê com alegria.
Memorizar seu poema favorito.
Não acreditar em tudo que lhe dizem. Não desacreditar de tudo que afirmam ser mentira.
Quando disser te amo, demonstre com algum gesto.
Quando disser "desculpe-me", olhe a outra pessoa diretamente nos olhos.
Acreditar em amor à primeira vista.
Acreditar em antipatia à primeira vista.
Nunca puxar o tapete dos outros, geralmente você também está em cima dele.
Viver apaixonadamente com todos os ferimentos que isso vai acarretar: vale a pena.
Falar devagar e pensar rápido.
Não julgar uma pessoa por seus familiares.
Se perguntarem algo indiscreto, sorria e diga: "Por que você quer saber isso?" A conversa geralmente termina por aí.
Lembrar que o grande amor e as grandes conquistas representam grandes riscos.
Telefonar para seus pais e dizer o quanto os ama.
Quando errar não esqueça a lição. E corrija o que for possível.
Lembrar sempre de 3 coisas: respeito por você mesmo, pelos outros e por seus atos.
Quando atender ao telefone, sorria ao dizer alô. Quem está do outro lado da linha vai perceber.
Não deixar as pequenas brigas destruírem as grandes amizades.
Casar com alguém com quem goste de conversar.
Jamais esquecer que na velhice podemos perder muita coisa mas a capacidade de comunicação permanece intacta.
Ficar sozinho de vez em quando. Mas apenas de vez em quando.
Ler mais. ver menos TV: fica mais fácil passar aos seus filhos o que você aprendeu.
Saber que o silêncio pode ser uma resposta.
Orar. O poder da oração é infinito.
Ler nas entrelinhas.
Viver uma vida que lhe permita olhar para trás e sorrir.
Em discussões com pessoas amadas, concentre-se no presente e não traga as feridas do passado.
Quando viajar, visite um lugar onde ninguém mais da excursão foi. Este será seu lugar.
Você pode ter qualquer coisa, mas não pode ter tudo.
Lembre-se que seu caráter é um espelho do seu destino.
Aproveitar a sorte quando ela está a seu favor.
Se precisar disparar a flecha da verdade, primeiro molhe sua ponta no mel.
Peça ajuda e saiba reconhece-la.
Aprender todas as regras, e transgredi algumas assim que for possível.
Escolha seus amigos. E escolha seus inimigos: não dê a qualquer um a honra de enfrentá-lo.
Quando alguém começar a lhe agredir verbalmente, não interrompa. Verá que a agressão se esvaziará por si mesmo.
AUTOR DESCONHECIDO

VER E NÃO ENXERGAR


Uma folha cai de uma árvore…
Eu vejo mas… não me admiro!
é uma coisa tão corriqueira!
Uma rajada de vento toca meu rosto…
Eu sinto, mas não dou a mínima atenção,
é só mais um sopro de vento!!
Vejo uma flor vermelha, outra amarela…
É só mais uma e mais outra entre tantas!
Ouço palavras, risos, choros!…
Já me acostumei tanto com isso!!!
Vejo um mar azul se afunilando num horizonte infinito…
É mais um “pouco” de água neste imenso planeta.
Vejo pássaros dando mergulhos, alegres cantarolando,
ouço seus cantos alegres por estarem livres num espaço sem fim…
Que novidade!!
Então percebo um garoto vindo junto de sua mãe
que se chega a mim e me toca de repente.
“Desculpe, moço, ele não vê e não ouve” - diz ela. E continuam andando.
Quanta coisa o Criador quis me mostrar e eu
não quis ver, ouvir, sentir
AUTOR DESCONHECIDO

Velhas palavras de sabedoria


Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar esta pessoa de nossos sonhos e abraçá-la.
Sonhe com aquilo que você quiser, vá para onde você queira ir, seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só temos uma chance de fazer aquilo que queremos.
Tenha felicidade bastante para fazê-la doce, dificuldades para fazê-la forte, tristeza para fazê-la humana e esperança o suficiente para fazê-la feliz.
As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seus caminhos.
A felicidade aparece para aqueles que choram, para aqueles que se machucam, para aqueles que buscam e tentam sempre e para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passam por suas vidas.
O amor começa com um sorriso, cresce com um beijo e termina com uma lágrima.
O futuro mais brilhante sempre estará baseado num passado esquecido; você só terá sucesso na vida quando esquecer os erros e as decepções do passado.
Quando você nasceu, você estava chorando e todas as pessoas ao seu redor estavam sorrindo.
Viva de um modo que, ao morrer, você seja aquele que esteja sorrindo enquanto todos a sua volta estejam chorando. E o mais importante, viva na presença de Deus quando seu tempo na terra acabar.
Aproveite seu tempo agora para conhecê-lo e aprender quem Ele é e, quem ele quer que você seja enquanto você está aqui."
AUTOR DESCONHECIDO

VAMOS VIVER A VIDA?


Vocês já pararam para refletir em como são nossos pensamentos diante da vida???
Muitas vezes, nos convencemos
de que a vida ficará melhor algum dia,
quando nos casarmos, quando tivermos filhos...
Então, ficamos frustrados, porque nossos filhos são pequenos demais,
"atrapalham" vezes ou outra nossos planos...
Depois, nos frustramos porque temos filhos adolescentes
e precisamos lidar com eles.
Aí vem a "certeza" de que, certamente , seremos mais felizes
quando eles tiverem ultrapassado essa fase.
Dizemos que nossa vida só será completa quando tivermos
comprado um carro novo, uma casa melhor,
ou tivermos condições de fazer um cruzeiro às ilhas gregas,
ou ainda quando estivermos aposentados.
A verdade é que não há melhor época para ser feliz
do que agora mesmo!
Nossa vida será sempre cheia de desafios.
Melhor admitir isto para nós mesmos
e decidir ser feliz de qualquer jeito.
Temos que ter consciência
de que não existe um caminho para felicidade.
A felicidade é o caminho!
Assim, devemos aproveitar todos os momentos que nós temos.
Mais ainda se tivermos alguém especial para compartilhar...
E devemos também nos lembrar sempre
que o tempo não espera ninguém...
O tempo passa e nós... também passamos por ele...
Portanto, está na hora de parar de esperar
até que terminemos a faculdade;
até que voltemos para a faculdade;
até que percamos uns 10 quilos;
até que tenhamos tido filhos;
até que nossos filhos tenham saído de casa;
até que nos casemos ;
até que chegue o divórcio;
até sexta a noite...
Até que tenhamos trocado de carro,
até que nosso carro tenha sido pago;
até o próximo verão (quando supostamente estaremos 10 quilos mais magros...);
até que estejamos aposentados;
até que a nossa música toque...
Conscientize-se de que não há hora melhor para ser feliz do que AGORA MESMO...

"Felicidade é uma viagem, não um destino."

Por isso...

"Trabalhe como se você não precisasse de dinheiro.
Ame como se você nunca tivesse se machucado.
Auxilie como se fosse rotina.
Não coma e beba como se fosse a última vez.
Brinque como se fosse criança, junto a seus filhos.
Perdoe como gostaria que fosse perdoado.
E dance como se ninguém estivesse olhando!"

A VIDA É UM ESPETÁCULO IMPERDÍVEL!!!
VIVA A VIDA...
HOJE...
SEMPRE...

AMANHÃ...
É UM OUTRO DIA!!!
E precisamos viver até que ele chegue..
AUTOR DESCONHECIDO

quarta-feira, 25 de março de 2009

CARTA DE UM BEBÊ

Um anjo


Conta-se que uma mulher vivia sozinha e muito se lamentava de solidão e nenhuma companhia.

Ninguém jamais aparecia em sua casa.
Certa manhã, chovia muito, e alguém bateu à sua porta: era um pequeno homem, tremendo de frio, molhado da cabeça aos pés.

Vendo o visitante tão inesperado, imediatamente mandou que ele entrasse.
Ali, com as vestes pingando, ele ouviu a mulher que por mais de
uma hora lamentou sua solidão e falta de companhia.

Ela não lhe ofereceu roupas secas ou algo quente para se aquecer, tão envolvida que estava em suas próprias queixas.
Ele não tirava os olhos dos seus lábios em movimento ansioso, contínuo e disparado.

Cessada a chuva, ele fez menção de sair da casa, no que a mulher se inquietou:
- Espere! Nem sei seu nome! Você voltará?
Ao que o homem reagiu, estendendo-lhe um papel totalmente seco, onde se lia:

Sou o Anjo Surdo. Só posso ouvir corações.
Trago o remédio que cura a solidão, fazendo nascer amizades.
Seu efeito não se manifesta naqueles que só falam de si e pensam apenas em si próprios.

Isto dito, desapareceu...e nunca mais alguém bateu naquela porta

(By Angela)

Uma lição bem aprendida


Eu estava em pé, enquanto escutava as duras palavras de meu pai.
Ele tinha nos reunido em nosso quintal e tinha o olhar sério quando nos mostrou aquilo que um de nós fez de errado.
- Qual de você fez isto? Ele perguntou.
Todos nós olhamos para baixo, para o chão onde tinha uma arte de uma criança feita com letras em giz.

Eu estava, tremendo por dentro e torcendo para que ninguém percebesse. Será que ele sabe que fui eu? Eu queria saber. Mas, assustado, as únicas palavras que vieram à minha boca foram:
- Não fui eu, papai.
Os outros negaram também. Claro que nós sabíamos quem tinha feito. Mas eu, sendo o mais jovem e menor dos três, não tinha coragem para falar a verdade. Não que eu fosse uma criança ruim. Mentir não era normal para mim. Mas o olhar no rosto de meu pai fazia subir um frio por minha espinha e de alguma maneira eu não pude falar.

Ele tinha um jeito especial quando eu era criança que me deixava com medo dele. Mas eu o amei também por isto, porque me deu meus limites, meus limites do que eu podia e do que não podia fazer. Claro que eu queria agradá-lo. Talvez por isso é que eu segurei a verdade. Eu tinha medo de desagradar.
Sem dizer uma palavra, ele desapareceu durante alguns minutos e voltou com um pedaço de papel e um lápis. Ele estava determinado a encontrar o culpado!
- Eu quero que cada um de vocês escrevam exatamente o que vocês vêem no chão.

Eu não era uma criança estúpida e quando chegou a minha vez, eu escrevi deliberadamente com letras diferentes. Assim quando meu papai comparou a letra, ele ainda não podia saber qual de nós tinha feito aquilo.
Frustrado, ele estava em pé, um passo à nossa frente, olhando para suas três pequenas crianças.
- Eu vou lhes dar mais uma chance para confessar.
Ele continuou esperando por alguns instantes, mas para mim parecia uma eternidade. Não surpreendentemente, nem meu irmão e nem minha irmã falaram. Por que deveriam? Fui eu que fiz.
Eu deveria falar? Já seria muito tarde? Ele está furioso! Então, novamente, eu segurei a língua.
- Bem, se alguém tivesse falado quando perguntei, não haveria nenhum castigo.

Oh, não! Eu perdi minha chance! Mas agora também é tarde. Estúpido, estúpido, estúpido! Eu deveria ter confessado!
- Considerando que nenhum de vocês parece ter feito isto, então todos vocês ganham uma surra.
O que?! Eu fiquei parado lá e não disse nada. A última coisa que eu queria era uma surra!
- Eu fiz isto! Alguém disse e eu estava bem seguro de que não era eu.

Eu dei uma olhada para ver minha irmã avançar. Huh? Ela fez isto? Não, ela não fez porque eu fiz. Por que ela estava levando a culpa por algo que eu tinha feito? Me sentindo culpado, contudo ainda assustado, eu continuei parado, sabendo que minha irmã ia ser surrada por algo que eu fiz. E eu deixei isto acontecer. Eu não falei nada.
Nós não falamos mais sobre aquele dia. Não até que nós estivéssemos mais velhos e eu saber que estava seguro para finalmente falar para meu pai que realmente fui eu o autor da arte.
Por aquele tempo, eu entendi porque minha irmã apanhou no meu lugar. Ela tinha se tornado minha protetora, minha guardiã, minha melhor amiga. E preferiu sentir bastante dor do que me ver sofrer.
Hoje, brincamos sobre isto - todos nós, incluindo minha irmã. E como eu sempre me senti culpado, aquela foi a última vez que eu deixei qualquer um levar a culpa por mim.

Quando eu me lembro daquele dia, eu sei que aprendi o valor de família, de uma irmã que faria qualquer coisa por mim. E eu sei agora que faria o mesmo por ela.

AUTOR DESCONHECIDO

Um bonito coração


Um jovem estava no centro da cidade, proclamando ter coração mais belo da região. Uma multidão o cercou e todos admiraram o seu coração. Não havia marca ou qualquer outro defeito. Todos concordaram que aquele era o coração mais belo que já tinham visto.

O jovem ficou muito orgulhoso por seu belo coração.
De repente, um velho apareceu diante da multidão e disse:
- Por que o coração do jovem não é tão bonito quanto o meu?
A multidão e o jovem olharam para o coração do velho, que estava batendo com vigor, mas tinha muitas cicatrizes. Havia locais em que pedaços tinham sido removidos e outros tinham sido colocados no lugar, mas estes não encaixavam direito, causando muitas irregularidades. Em alguns pontos do coração, faltavam pedaços.

O jovem olhou para o coração do velho e disse:
- O senhor deve estar brincando... Compare nossos corações.
O meu está perfeito, intacto e o seu é uma mistura de cicatrizes e buracos!

- Sim, disse o velho. Olhando, o seu coração parece perfeito, mas eu não trocaria o meu pelo seu. Veja, cada cicatriz representa uma pessoa para a qual eu dei o meu amor. Tirei um pedaço do meu coração e dei para cada uma dessas pessoas.
Muitas delas deram-me também um pedaço do próprio coração para que eu colocasse no meu, mas, como os pedaços não eram exatamente iguais, há irregularidades. Mas eu as estimo, porque me fazem lembrar do amor que compartilhamos. Algumas vezes, dei pedaços do meu coração
a quem não me retribuiu. Por isso, há buracos. Eles doem.

Ficam abertos, lembrando-me do amor que senti por essas pessoas... Agora você entende o que é a verdadeira beleza?
O jovem ficou calado e lágrimas escorriam pelo seu rosto.
Ele aproximou-se do velho. Tirou um pedaço de seu perfeito e jovem coração e ofereceu ao velho, que retribuiu o gesto.

O jovem olhou para o seu coração, não mais perfeito como antes, mas mais belo que nunca. Os dois se abraçaram e saíram caminhando lado a dado.
Como deve ser triste passar a vida com o coração intacto.
Que tal! sair por ai dando uns pedaços e recebendo outros...

AUTOR DESCONHECIDO

Um bom coração


Quando eu ainda estava em fase de crescimento, ficava constrangido em ser visto com meu pai. Ele sofria de grave deficiência física e era muito baixo. Quando caminhávamos, apoiava a mão em meu braço para se equilibrar. As pessoas nos olhavam muito. Eu me contorcia por dentro diante desta atenção indesejada. Se meu pai algum dia notou isso, nunca o demonstrou.

Era difícil coordenar nossos passos - os dele vacilantes, os meus impacientes - e por essa razão não falávamos muito no caminho. Mas quando saímos, ele sempre dizia:
- Ande em seu ritmo. Vou procurar adaptar-me a ele.

Nossa caminhada normal limitava-se a ir até o metrô ou voltar dele, pois essa era a sua condução para o trabalho. Ele ia trabalhar mesmo doente e a despeito do mau tempo. Quase nunca faltava e chegava ao escritório mesmo quando outros não conseguiam. Uma questão de orgulho.

Quando o solo estava coberto por neve ou gelo, era-lhe impossível andar, mesmo com ajuda. Nessas ocasiões, minhas irmãs ou eu o puxávamos pelas ruas do Brooklyn, Nova York, num trenó até a entrada do metrô. Uma vez, lá, ele se agarrava ao corrimão até alcançar os degraus mais baixos, mantidos livres do gelo pelo ar quente do túnel. Em Manhattan, a estação do metrô ficava no subsolo do prédio do escritório dele, e só precisava tornar a sair quando se encontrasse conosco a caminho de casa.

Atualmente, quando penso nisso, fico assombrado diante da coragem necessária a um homem para submeter-se a tal indignidade e estresse - sem amarguras ou queixas.

Nunca falava de si como objeto de piedade, nem demonstrava qualquer inveja dos mais afortunados ou capazes. O que procurava nos outros era um "bom coração" e, se o encontrava, seu dono lhe parecia bom.
Hoje, mais velho, acredito que seja esse um bom padrão para julgarmos as pessoas, embora não saiba exatamente o que é um "bom coração". Entretanto, percebo quando não demonstro ter um.

Sem poder exercer muitas atividades, meu pai ainda assim procurava participar. Quando um time de beisebol, jogando em terreno baldio, ficou sem dirigente, ele assumiu a chefia. Era apreciador e entendia de beisebol. Levou-me muitas vezes ao estádio para ver os jogos. Gostava de ir a festas e bailes, onde se divertia só de ficar sentado, observando.

Ele já se foi há muitos anos, porém penso muito nele. Pergunto se teria sentido minha relutância em ser visto com ele durante nossas caminhadas. Se sentiu, tenho pena de nunca ter lhe dito o quanto me arrependi, como fui indigno, como o lamentei. Penso nele quando reclamo de acontecimentos triviais, quando invejo a boa sorte dos outros, quando não tenho "bom coração".

Nessas ocasiões, imagino-me pousando a mão no seu braço, para recuperar meu equilíbrio, dizendo:
- Ande em seu ritmo. Vou procurar adaptar-me a ele.


(Augustus J. Bullock)

Um balde de dinheiro


Uma noite agradável e um homem entrou em um fast-food e comprou um daqueles baldes com nove pedaços de frango. Ele levou a comida até o parque para um piquenique romântico sob a luz do luar com a sua senhora.

Ao abrir o balde, porém, ele teve uma grande surpresa. Em vez de pedaços de frango ele encontrou o que provavelmente seria o depósito noturno do restaurante: nove mil dólares. O homem levou o balde de volta para a loja e pediu o frango dele em troca do dinheiro.

O gerente, espantado com a honestidade do homem, pediu-lhe o nome e falou que queria contar toda a história aos jornais. Ele se transformaria em um herói, um exemplo de honestidade e moral que inspiraria outras!

O homem faminto encolheu os ombros isto fora.
- Minha mulher está esperando. Eu só quero meu frango.

O assombro do gerente foi renovado pela humildade do homem. Ele implorou ser permitido contar a história aos jornais. E o homem honesto se chateou com o gerente exigindo seu frango.

- Eu não entendo!, o gerente respondeu. Você é um homem honesto em um mundo desonesto! Esta é uma oportunidade perfeita para mostrar ao mundo que ainda existem pessoas honestas. Por favor, me dê seu nome e também o nome da mulher. É sua esposa?

- Este é o problema, disse o homem. Minha esposa está em casa. A mulher no carro é minha namorada. Agora me deixa pegar meu frango e ir embora daqui.

É fácil parecer bom para as pessoas que não o conhecem. Muitos de nós fazemos uma boa ação aqui e outra lá, vai se à igreja, diz as palavras certas e todos acreditam sermos algo que nós não somos realmente.
Mas, enquanto isso, Deus estará vendo seu coração.

E o que você tem guardado nele?

AUTOR DESCONHECIDO

Um pacote de bondade


- Turma, amanhã quero que todos tragam um pouco de macarrão para nosso trabalho de artesanato. Agora podem ir e aproveitem bem o dia!
Estas palavras de minha professora da segunda série ao final do dia ecoaram em minha mente por toda a noite. Eu temia pelo dia seguinte porque eu sabia que não teríamos macarrão em casa. Vivendo em um ambiente alcoólico nós nunca tínhamos muita coisa em nossa casa exceto frascos de cerveja.

Eu marchei para casa após a escola com minha mente trabalhando em hora extra. Onde eu encontraria macarrão? Eu sabia que um depósito de bebidas na cidade pagava vinte centavos por caixa de frascos de cerveja, então decidi coletar alguns frascos e talvez eu pudesse comprar o macarrão.
Quando chequei em casa, comecei a recolher as garrafas e em pouco tempo eu tinha uma boa pilha em meu reboque. Corri ao depósito levando meu irmão mais novo. Nós tínhamos uma missão e ninguém iria nos parar.

Quando chegamos ao depósito, contaram nossas garrafas e me deram oitenta centavos. Me senti muito rico e enquanto voltávamos, Able saltitava pedindo para ver o dinheiro. Eu mostrei diversas vezes e depois lhe pedi para sentar no reboque para que eu pudesse puxá-lo. Verdade seja dita, eu queria apenas curtir e sentir aquelas moedas em meu bolso e eu não me importava com o preço para esta pequena liberdade.
Quando chegamos ao supermercado sentimos um delicioso cheiro de pão fresco vindo dos fundos. Able me olhou e eu já sabia que estaria indo à escola no dia seguinte sem o macarrão.

Compramos dois pães e dois sonhos. Quando chegamos em casa havia a habitual festa então fomos para nosso quarto e comemos nossos pães e sonhos.
No dia seguinte, se aproximando a hora da aula, comecei a pensar outra vez sobre o macarrão. Eu estava angustiado quando a professora perguntou porque eu não tinha levado o macarrão.
- Você não escutou quando pedi que todos trouxessem macarrão, John? Perguntou brava.

Mortificado, eu não sabia o que dizer enquanto as outras crianças começavam a rir. Então a pequena Rosalyn que sentava-se ao meu lado virou-se para mim e disse,
- Tome, pode usar este. Eu trouxe o suficiente para nós dois.

O jeito suave como disse e a bondade estampada nos olhos dela me fizeram chorar.
Sempre me lembro de Rosalyn e da maneira como me salvou naquele dia. Graças à lição dela, passei minha vida tentando manter os tijolos da raiva e da dor e o muro da rejeição presos dentro de mim. E procurei manter solta uma pessoa boa como Rosalyn e procurei me cercar de pessoas como ela.

Eu sei como aquilo mudou minha vida.
Hoje, minha própria filha está com oito anos e tive a oportunidade de levá-la à escola com seu próprio pacote de macarrão. E mais uma vez me lembrei de Rosalyn e do presente que me deu e faço uma silenciosa oração agradecendo por todas as pessoas como ela que fazem deste mundo um lugar melhor para se viver.
AUTOR DESCONHECIDO